Publicidade
Carnaval
Especiais

Peladão sem limites: Ailton Lopes perdeu a visão, mas não o dom de enxergar muito longe

Ailton perdeu parte da visão aos 26 anos, quando ficou doente com meningite. Na época, ele era jogador amador e apaixonado pelo futebol 11/09/2015 às 10:58
Show 1
Ele, que é deficiente visual, venceu barreiras e hoje administra um time de 22 jogadores formado no próprio Prosamim do Mestre Chico
equipe peladão 2015 ---

Peladão sem limites. A visão do campeonato está muito mais além do que você imagina. Uma prova disso é Ailton Lopes, presidente do time Amigos do Prosamim. Ele, que é deficiente visual, venceu barreiras e hoje administra um time de 22 jogadores formado no próprio Prosamim do Mestre Chico, na Cachoeirinha, Zona Sul de Manaus.

Ailton perdeu parte da visão aos 26 anos, quando ficou doente com meningite. Na época, ele era jogador amador e apaixonado pelo futebol. O fato de ter perdido a visão precocemente fez com que ele caísse em depressão. Trancado no quarto e sem ânimo para sair de casa, ele confiou sua vida em Deus e seguiu adiante. Há três anos ele resolveu montar o Amigos do Prosamim.

Na estreia do Peladão, em 2012, o time entrou apenas para brincar de bola. No ano seguinte, o grupo deu um salto grande, passando a conquistar o 28º lugar no campeonato. De acordo com Ailton Lopes, muitos times zombavam do grupo e diziam que era um time fraco. “Muita gente fala mal, mas quando entramos em campo, mostramos quem realmente é o time”.

Em vez de prejudicar, a deficiência de Ailton venceu barreiras e limites. “Eu não me sinto inferior por causa da minha deficiência, muito pelo contrário, eu sou um dos caras do grupo que é o mais otimista, eu vou pra frente e, apesar das dificuldades, eu corro atrás de tudo, de atletas, dou ideia, sugestões, entre outras coisas”, explicou.

Inspiração

Para o grupo, Ailton é uma inspiração a mais dentro de campo, segundo disse o meia atacante Junio da Silva, conhecido como “Mucurebinha”. “Ele levanta cedo, corre atrás de água, de transporte, de tudo, isso dá uma inspiração a mais na gente, dá um gás a mais, um chute a mais, então fazemos (grupo) tudo por ele, que é o nosso braço direito”, disse o jogador de 19 anos.

O técnico Adilson Lopes, irmão de Ailson, conta com ele na área do técnico dando instruções para o time e passando força a todos. “Nós passamos para ele o que acontece dentro de campo e ele dá ideia, sugere e sempre da apoio também porque já foi jogador e tem muita noção de jogo”, finalizou.

Mais que só uma morada

O Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (PROSAMIM) foi concebido em 2003 com o objetivo de resolver problemas de assoreamento dos igarapés, despejo de lixo, esgoto a céu aberto, deficiència na drenagem, desabamento de casas, famílias desabrigadas, entre outros tantos da cidade.

De modo geral, os igarapés tornaram-se grandes bolsões de pobreza. O aumento da população nas margens dos igarapés provocou a poluição das águas e o objetivo do PROSAMIM é contribuir para a solução dos problemas ambientais.

De acordo com o técnico do Amigos do Prosamim, Adilson Lopes, a área do Prosamim do Mestre Chico, na Cachoerinha, é um lar bom de se morar. “Aqui todo mundo respeita todo mundo. Não há preconceitos com niguém e vivemos há anos aqui e gostamos muito, por isso que escolhemos também colocar o nome do Amigos do Prosamim”, disse Lopes.

O Prosamim é composto de quatro aspectos: social (participação comunitária, habitação, geração de emprego e renda, educação socioambiental); ambiental recuperação de áreas degradadas, recuperação de Igarapés); engenharia (construção de habitações, parques urbanos, sistemas de drenagem e esgoto, recuperação de patrimônio); e institucional.

Dupla de muito respeito fora de campo

Como na foto, Ailton e Adilson dão instruções para os jogadores. Na praça do Prosamim ou na beira do campo, o time respeita muito os dois e escutam com muita atenção as instruções da dupla de irmãos.

“Ele é o técnico, mas quem manda sou eu”, brincou Ailton.

De acordo com ele, Adilson é o responsável por lhe informar os acontecimentos dentro e fora do campo. Segundo o irmão e técnico do Amigos do Prasamim, tudo é informado nos mínimos detalhes para o comandante do time.

“Ele fica conosco ao lado do campo. Uma pessoa da família fica ao lado dele orientando e quando temos que lhe informar sobre algo do jogo, falamos com clareza e mostramos o que está acontecendo”, explicou Adilson.

Segundo o técnico, a informação deve ser repassada de forma obrigatória, por conta da ansiedade em que Ailton fica durante o decorrer da partida. “Ele fica muito ansioso, então falamos até para deixar isso de lado. Como ele tem noção de futebol, pois já jogou muita bola, ele dá instruções e eu, como técnico, acato as ordens dele”, informou.

Superar o 28° lugar

A meta este ano é ultrapassar a marca alcançada em 2014, quando o Amigos do Prosamim ficou em 28º lugar. “Nossa meta é chegar aos 16 primeiros e, se der brecha, nós vamos pra cima até chegar à final. Muita gente fala mal, que somos um time fraco, mas, quando entramos em campo, mostramos quem realmente somos”, afirmou Ailton, deficiente visual, mas vitorioso desde os 26 anos, quando perdeu o dom de enxergar.

Publicidade
Publicidade