Publicidade
Carnaval
Especiais

Primeiro Festival Folclórico de Parintins foi realizado em tablado da Catedral N. S. do Carmo

De 1965 até hoje, o local de disputa entre os bumbás passou por diversos locais e viveram embates históricos que marcaram a rivalidade de Caprichoso e Garantido. Para chegar até o Bumbódromo foi necessário muito ‘dois pra lá, dois pra cá’ 01/07/2015 às 14:16
Show 1
Momento da apresentação dos Tuxáuas Boi-Bumbá Garantido no tablado do Estádio Tupy Cantanhede, sem data precisa, entre 1978 e 1980
vinicius leal Parintins

A disputa entre os bois Caprichoso e Garantido, no Festival Folclórico de Parintins, completou 50 anos oficialmente em 2015, mas o local onde aconteciam esses embates nem sempre foi o Bumbódromo, o atual Centro Cultural Amazonino Mendes, na avenida Nações Unidas, em Parintins.

Em 1965, no primeiro confronto, os dois bois disputaram em meio a uma festa junina comum, composta não só pelos bumbás, mas por diversas agremiações folclóricas como cirandas, quadrilhas e outras danças típicas. Esse primeiro festival aconteceu em uma quadra dentro do terreno da Catedral N. S. do Carmo, onde hoje existe a galeria de lojas do Shopping Catedral, na esquina das avenidas Amazonas e Clarindo Chaves.

A festa, bem simples, havia sido organizada por membros da Juventude Alegre Católica (JAC), com objetivo de angariar fundos para a construção do novo prédio da Catedral. Naquela época, o evento não era gratuito e nem tinha arquibancadas, só mesas pagas. “Meu pai comprava uma mesa para a família. Eles faziam quermesses. O mais forte desse festival eram as quadrilhas”, lembra Zezinho Faria, torcedor do Garantido.

Até 1974 os bois brincaram na quadra da JAC, e nessa primeira década a briga entre Caprichoso e Garantido tomou proporções maiores do que qualquer disputa folclórica da cidade, se tornando o mais importante evento cultural. Em 1975, o festival ocorreu na quadra da Ipasea, onde hoje existem a sede do Detran e do Centro de Atendimento ao Turista.

Entre 1976 a 1979, devido a desentendimentos entre as duas agremiações, Caprichoso e Garantido deixaram de disputar juntos oficialmente e foram para lugares diferentes da cidade, onde eram promovidos outros arraiais e festivais – até hoje existem festivais folclóricos paralelos ao de Caprichoso e Garantido.

Só em 1979, o então prefeito Raimundo Reis conversou com as duas agremiações e conseguiu juntar os bumbás em um confronto com novo endereço: a Praça das Castanholeiras, local de chão batido e com a primeira arquibancada, onde funcionaria a Comissão Central de Esportes (CCE). “Lá era chamado ‘Urubuzal’, porque era uma quadra que tinha muitas seringueiras e dava muitos urubus”, lembra Odinéia Andrade, historiadora e folclorista do Caprichoso.

Em 1980 a disputa foi transferida para o Estádio Tupy Cantanhede, onde ficou até 1982.

A partir de 1983, o embate foi levado para o terreno onde funcionava o antigo aeroporto de Parintins, Pichita Cohen, o chamado “Tabladão do Povo”, onde o confronto ocorreu sobre um tablado de madeira – hoje endereço residencial do 1º bloco do conjunto Macurani, próximo ao endereço do atual Bumbódromo.

Em 1984 o Festival Folclórico de Parintins foi transferido novamente para outro endereço: o recente inaugurado Anfiteatro Messias Augusto, mais equipado que o Tabladão e localizado onde existe, hoje, o 2º bloco do conjunto Macurani. “O (governador) Gilberto Mestrinho deu dinheiro para fazer uma pista de concreto e camarotes”, lembra Faria.

Só em 1987, quando o governador Amazonino Mendes assistiu o festival, e gostou muito da festa, foi pensada a construção de um prédio à altura da disputa, uma grande arena. O então prefeito Gláucio Bentes Gonçalves teria sugerido a Amazonino a criação de um Bumbódromo, o que foi cumprido um ano depois, em 1988, quando foi fundado e inaugurado o primeiro bumbódromo, a grande arena que conhecemos hoje.

Depois disso, a arena do Bumbódromo passou por diversas reformas, tanto pequenas com pinturas e reparos, quando grandes.

Publicidade
Publicidade