Sábado, 20 de Julho de 2019
Desfile afro

Sem Compromisso rende homenagens à lendária Dona Zuzu e ao Boulevard

Escola verde e amarela vai abrir a apresentação do Grupo Especial do Carnaval amazonense com enredo que conta a vida de Zuila Pereira Serra, a Dona Zuzu, baiana mais antiga do Estado



semcompromisso20181.JPG Artista dá retoque em alegoria da Sem Compromisso, que vai trazer esculturas grandiosas com apresentação enfocando a afrodescendência / Fotos: Evandro Seixas
09/02/2018 às 12:51

Os tambores da bateria Destemida do Mestre Luã Costa vão rufar mais forte quando a escola de samba Sem Compromisso entrar na pista de desfile do Sambódromo, neste sábado, a partir de 20h, iniciando a apresentação das oito grandes agremiações do Grupo Especial de Manaus. É que a Tucano do bairro Nova Cidade  vai trazer para o palco do centro de convenções o enredo “Dona Zuzu, a Pérola dos Orixás, convida: Ô Iaiá vem ver, Ô Iaiá vem cá / Vem Ver Moça Bonita no Arraial do Boulevard”, homenageando Zuila Pereira Serra, de 87 anos, tradicional torcedora, costureira, baiana mais antiga da escola e um dos patrimônios do Carnaval amazonense.

A homenagem em vida premia, com louvor, a filha de maranhense com cearense que , ela começou sua trajetória no samba na agremiação Voz da Liberdade, escola contemporânea da Mixta da Praça 14 de Janeiro, a primeira escola de samba da cidade, e do qual ela também fez parte junto com Tia Lurdinha, famosa baiana e quituteira já-falecida da Vitória Régia.


Dona Zuzu, aos 87 anos, é a baiana mais antiga do Carnaval amazonense / Foto: Raine Luiz

Não esperava ser homenageada assim pela Sem Compromisso, que é a escola do meu coração. Só tenho uma certeza na vida. Minha paixão é pra valer. Óh minha escola querida, sou Sem Compromisso até morrer e agradeço essa homenagem de coração”, disse ela, parafraseando o samba de exaltação da escola e, ao mesmo tempo, agradecendo por ser enredo da agremiação que tem o tucano como mascote oficial.

A Sem Compromisso vai desfilar com aproximadamente 2.500 integrantes distribuídos em 22 alas, três carros alegóricos e dois tripés. A bateria, o coração da escola, vem com 200 ritmistas comandados pelo Mestre Luã Costa. Haja temor da Destemida, como é conhecida a bateria, que até ano passado era comandada por Mestre Jimmy, hoje presidente da grêmio recrativo.

O desfile será afro, dividido em três momentos contando a história do Boulevard e dentro disso homenageando a Dona Zuzu, que é a moradora mais antiga da comunidade. O primeiro ato será a visão da chegada da Dona Zuzu, de onde ela veio e da sua ancestralidade; depois o segundo momento é sobre a visão dela, do que viu no Boulevard Álvaro Maia, a evolução. E o terceiro é mostrar um Boulevard mais moderno, onde as casas de pau a pique já não existem mais.

No quesito alegorias a Sem Compromisso promete impressionar. Que o diga o artista parintinense Sander Teixeira, 45, que voltou para a agremiação para coordenar os trabalhos de confeccção de carros alegóricos dentro do barracão da Morada do Samba.


O artista Sander Teixeira voltou para a escola de origem e espera fazer um grande Carnaval afro

“Estamos voltando para a Sem Compromisso após 10 anos fazendo Carnaval fora do Estado no eixo Rio-São Paulo. Comecei minha história como artista aqui e retorno este ano para fazer um Carnaval diferente, inovador na avenida, de leitura fácil que se possa olhar e no visual já entender o que é aquilo ali, o que quer dizer”, disse Sander Teixeira, que comanda uma equipe de 22 pessoas que estão há cerca de três meses construindo esculturas para ar vida ao mundo de sonhos do enredo.

O artista explicou que entre as inovações que está trazendo para a Sem Compromisso este ano estão movimentos na comissão de frente e material alternativo reciclável, com proposta diferente. Por exemplo: ele utiliza placas de etafon reciclado de empresas do Pólo Industrial de Manaus (PIM) para adereçar as alegorias.

“Estamos 100% prontos e faltam concluir apenas alguns detalhes. As alegorias estão prontas e todas terão movimento e efeitos de pintura e luzes. Tudo é reciclado”, contou ele, já respondendo como tentou driblar a costumeira falta de recursos que todas as escolas de samba de Manaus sempre enfrentam.

“Falando como artista, acho que o nosso Carnaval precisa ser melhor valorizado, antecipar os trabalhos. Não se faz Carnaval com repasse financeiro a dez dias para o desfile. Mas fizemos uma proposta de um Carnaval leve e estamos muito tranqüilos”, destaca.

Para Sander Teixeira, o enredo sobre Dona Zuzu caiu como uma luva para ele, que já pretendia desenvolver esse tema no Carnaval. “Eu tinha um sonho de  voltar para a escola e Manaus e fazer um Carnaval afro. E parece que tudo combinou, ‘casou’, e a diretoria aceitou a minha proposta e estamos aí com o Carnaval preparado para a avenida. A expectativa é o melhor para a Sem Compromisso e vamos brigar com os grandes pois nos preparamos para isso. Pra cima deles, galera”, brada ele, convocando a torcida amarela e preta para se fazer presente no Sambódromo.

Dona Zuzu é a resistência da mulher negra no Carnaval amazonense

Com a homenagem à Dona Zuzu se faz justiça a essa grande sambista amazonense que representa a resistência da mulher negra amazonense. Ela desfila há mais de 70 anos no Carnaval amazonense, e nasceu, foi criada e vive até hoje na mesma casa localizada no Boulevard Álvaro Maia.

Ela nunca foi casada, mas como ela própria confessa, “não queria contrair matrimônio, apesar de ter gostado muito de um homem e ter ido viver com ele um tempo”.

Zuila Serra também não é mãe e, consequentemente, nunca teve netos. No entanto, tem uma infinidade de sobrinhos que, certa vez, ao realizar uma contagem, chegou-se a 132 deles apenas dos que conhecia.

Ela sempre foi batalhadora. Trabalhou desde os 13 anos de idade, começando como babá de crianças. Aos 15 passou a trabalhar no comércio dos antigos patrões numa casa de quadros localizada na avenida Floriano Peixoto, Centro da cidade. Três anos depois já tomava conta da chave do estabelecimento. Ao sair do comércio, passou, em casa, a costurar e fazer salgados para venda.

A baiana também trabalhou na cervejaria Miranda Corrêa, no bairro de Aparecida mas, por ironia do destino, nunca ingeriu bebida alcoólica e tampouco fumou em toda a vida.

Por vários anos foi costureira para a Sem Compromisso e outras escolas da cidade, mas problemas com a osteosporose acabaram limitando algumas das coisas que fazia frequentemente. Uma fratura na bacia, sofrida após um escorregão no banheiro de sua casa, há cerca de três meses, obrigou-a se locomover temporariamente em uma cadeira de rodas. O fim do martírio deve acontecer nos próximos dias, quando ela deve ter alta do recurso de duas rodas. Mesmo assim, pela idade avançada ela não vai desfilar no asfalto do Sambódromo: desde 2001 Dona Zuzu se apresenta em um tripé, e já há cerca de cinco  anos o seu desfile acontece como destaque em um dos carros alegóricos, frisaram seus familiares.

Mas, como vara verde que verga, mas não quebra, ela confirma que estará, sim, na avenida com toda a guerra que lhe é peculiar. “Não estou sentindo dor nenhuma. Estou ‘doida’ para sair dessa cadeira e esperando a hora para andar e desfilar mesmo que seja sentada”, conta a valente e lendária baiana.

Frase

"Nunca na minha vida que eu esperava ser enredo da minha escola Sem Compromisso. Eu sou Sem Compromisso até morrer e estarei com ela até o fim da minha vida. É a escola de samba do meu coração. E agradeço essa homenagem de coração”, diz Dona Zuzu, sobre o amor pela escola.

Raio-X

Nome: Sem Compromisso

Enredo: "Dona Zuzu – A pérola dos orixás, convida: oi ia-iá vem ver, oi ia-iá vem cá, vem ver festança bonita, no largo do Boulevard"

Data de fundação: 1978

Componentes: 2.500

Entra na avenida às: 20h

Em números

87 anos

É a idade de Zuila Pereira Serra, amazonense filha de maranhense com cearense, a homenageada da Sem Compromisso neste ano. Ela é sócia-fundadora da agremiação, e desfilou em escolas como a Voz da Liberdade e Mixta da Praça 14.

Escola trouxe Wantuir para interpretar samba-enredo na avenida

O desfile da Sem Compromisso, que já promete ser emocionante pela homenagem  à Dona Zuzu, terá um luxuoso componente a mais para impactar público e jurados. É que, surpreendendo o mundo do samba, e com uma estratégia que contou com a ajuda da ala de compositores da escola, a Sem Compromisso contratou, especialmente para interpretar o seu samba-enredo o conhecido músico carioca Wantuir, um dos melhores intérpretes do Carnaval carioca.


Wantuir chegou na última quinta a Manaus diretamente do Rio para ser o intérprete da Sem Compromisso / Foto: Reprodução

O intérprete vem para ser o condutor oficial do samba-enredo, que terá como apoiadores, na avenida, Arlindo Júnior e Sandro Roberto (este último que era o oficial).

De voz possante e timbre forte, Wantuir é famoso, além das belas interpretações, também por dar um diferencial aos sambas-enredos, com jargões que se tornaram famosos como "Diretamente de tal lugar" e "Adooooorooooo!". A nova contratação tem passagens pelas grandes agremiações do Rio de Janeiro como Unidos da Tijuca, Grande Rio e Portela, entre outras, e também de São Paulo, como a Vai-Vai e Tucuruvi.

No seu currículo no Rio de Janeiro, Wantuir tem como melhor intérprete os prêmios de Estandarte de Ouro do Carnaval carioca nos anos de 2005 e 2007, além de ter sido escolhido Tamborim de Ouro em 2008.

SAMBA-ENREDO SEM COMPROMISSO

Compositores: Betinho Filho, Aôr Amorim, Malheiros Júnior, Jair Tapajós, Marcos Almeida, Alfredo Neto, Fernando Silva, Jorge Goulart, Alcimar Mâcedo, Jackson Sicsú, Fábio Soldado, Júlio Cesar, Marcos Fagner, Victor Alves e Túlio Monteiro.

“Dona Zuzu – A pérola dos orixás, convida: oi ia-iá vem ver, oi ia-iá vem cá, vem ver festança bonita, no largo do Boulevard”

Dona Zuzu… Meu samba…

Hoje dedico a você…

A maior certeza dessa vida:

Sou Sem Compromisso até morrer

Quando quebraram as correntes

Nos braços da negritude vi nascer o Boulevard

Lembro das casas de pau-a-pique

Famosos os seus bailes de salão

E o samba fez camélia e Jardineira, no jardim do carnaval…

Lindo o boi mina de ouro

O sonho da liberdade, a primeira estação…

Ciranda e cantigas de roda

Vi moça bonita dançar no arraiá…

Quando a noite fria serenou

No terreno de mãe Joana

O atabaque ecoou

Vou prosear

Com amigos em tarde de sol

Papagaios enfeitando o céu

Um domingo de bom futebol

No cine palace reencontrar

Realidade e fantasia

Quem partiu e não voltou

Saudade nos deixou…

A semente plantada

Ainda mais bela você fez florescer…

Explode destemida

A passarela vai tremer

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.