Sexta-feira, 24 de Maio de 2019
Especiais

Símbolo do Carnaval de Manaus, boneca Kamélia desembarca na cidade neste sábado (9)

A boneca é responsável pelo início do Carnaval de Manaus desde 1955, quando o então prefeito Walter Rayol ordenou que a chave da cidade fosse entregue a ela



1.jpg
Com quase três metros de altura, a boneca da Kamélia abre oficialmente o período de Carnaval da capital amazonense
08/01/2016 às 21:23

O Carnaval só começa pra valer no Amazonas quando ela chega, pomposa e arrancando sorrisos por onde passa. Tudo começou em 1938, ano da fundação do Olímpico Clube, a “casa” da mulata mais amada do Estado. E, neste sábado (9), a Kamélia chega em alto estilo, começando suas atividades pontualmente às 21h33, no Aeroporto Eduardo Gomes, quando receberá, das mãos do prefeito Arthur Neto, as chaves da cidade. Detalhe do porquê de 21h33: 2+1+3+3 é igual a 9, que, segundo a simbologia, é o número relacionado à orixá Iansã, que rege a boneca Kamélia, de acordo com o candomblé.

Em seguida, a “Negona”, como é carinhosamente chamada no meio do samba, no alto dos seus quase 3 metros, seguirá em carreata até a sede do Olímpico, na avenida Constantino Nery com Kako Kaminha, onde já estará acontecendo o tradicional baile “Chegada da Kamélia”, que existe desde 1993. As atrações serão os shows das Nega’s Imperianas, as tradicionais marchinhas com a banda Demônios da Tazmania, o grupo Os Imperianos, a bateria Swing da Nêga, além dos pavilhões e brincantes da escola de samba Império da Kamélia e demais agremiações da cidade.

A Kamélia foi reconhecida como Patrimônio Cultural Imaterial do Estado em lei de autoria do deputado estadual Bosco Saraiva (PSDB), que estará presente ao baile junto com o vereador Arlindo Jr. (PROS), que por sua vez é autor da Lei que oficializou a chegada da gigantesca boneca como a abertura oficial do Carnaval. O descerramento da placa que reconhece a Kamélia como Patrimônio Imaterial acontece mais cedo, às 12h, no Olímpico, com feijoada.

Na história

A Kamélia entrou para a história do Carnaval amazonense em dezembro de 1938, quando a boneca negra, na época com apenas 75 centímetros de altura, comprada por quatro mil réis nas Lojas 4.400 e trajada à moda baiana, arrastava multidões pelas principais ruas da cidade, pendurada no galho de uma ingazeira. O flautista Benedito Lacerda foi o seu grande inspirador, com a música “Jardineira”, mas a ideia para a sua criação partiu do ex-diretor do Olimpico, Cândido Jeremias Cumaru, mais conhecido como Kandu.

A boneca é responsável pelo início do Carnaval de Manaus desde 1955, quando o então prefeito Walter Rayol ordenou que a chave da cidade fosse entregue a ela. Já em 1958, o “folclórico” prefeito Gilberto Mestrinho (que nesta época ainda nem era chamado de “Boto Navegador”), passou a entregar a chave pessoalmente, em uma solenidade anual de abertura. Em 2013, o prefeito Arthur Neto sancionou a lei que tornou a solenidade a abertura oficial do carnaval da capital amazonense.

Aquática, terrestre e também aérea

Diferente dos tempos atuais, em anos anteriores a Kamélia chegava no Porto de Manaus, o Roadway, e não no aeroporto. A foto acima é de 17 de janeiro de 2009.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.