Publicidade
Carnaval
Especiais

Time da Rocam/PM promete repetir nos campos do Peladão a coragem vista nas ruas

O que antes iniciou só com boleiros da Policia Militar, hoje conta com a participação de peladeiros civis conhecidos nos campeonatos de bairros de Manaus 11/09/2015 às 14:57
Show 1
Rocam corre atrás da bandidagem e da bola
equipe peladão 2015 ---

 “Podemos não ser o time mais talentoso, mas o mais aguerrido pode ter certeza que é o nosso time. Mostramos a força em campo. A gente entra forte, entra firme. Vai pra cima na rua e no futebol”. Foi assim que o comandante da Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam), major Lima Júnior, destacou a equipe dos Glariadores Rocam, que neste ano vem com força total na sua oitava participação no maior campeonato de peladas do mundo, o Peladão Brahma 2015.

São 12 policiais militares da Rocam, do soldado ao major. O que antes iniciou só com boleiros da Policia Militar, hoje conta com a participação de alguns peladeiros civis conhecidos nos campeonatos de bairros de Manaus. A equipe será comandada pelo técnico cabo Edmar.

Para dividir o tempo entre os treinos, jogos, amistosos, e o serviço prestado à população, o comandante da Rocam afirma que faz um equilíbrio para não comprometer as atividades.

“A gente troca de serviço o policial porque não pode prejudicar nem o trabalho, nem o futebol. E sempre procuro colocar outro policial de serviço, sem contar que não posso prejudicar a parte operacional do batalhão”, destacou o comandante e presidente do clube, major Lima Júnior.

Um dos idealizadores do time, em 2006, foi o major Lima Júnior, na época tenente da Polícia Militar, além dos cabos Edmar de Oliveira, o “Coreano” e Leite. Durante a trajetória dos Gladiadores Rocam no Peladão, a equipe chegou uma vez na quinta fase do perde-sai e em todas as edições na qual o time participou, a equipe passou da primeira fase.

Nesse ano, o objetivo é seguir mais além e para incentivar os boleiros eles contam sempre com o apoio da torcida feminina da Rocam, além da força das esposas e namoradas dos PMs, que sempre estão na beira do campo torcendo.

Dentre os atletas que são revelação do time, o major Lima Júnior destaca o soldado Chalmys Marinho, que além de integrar a equipe, participa de outros campeonatos nos bairros. O time base dos Gladiadores Rocam também participa de torneios no Manoa, no Clube dos Sargentos e Subtenentes da PM, ambos na Zona Norte, e dos jogos internos da Polícia Militar.

Pelo menos quatro boleiros civis também farão parte da equipe nesta temporada que promete. Toda a comissão técnica e jogadores contam com o apoio da corporação, que ajuda com a logística do transporte e fornecimento de água durante os jogos.

Seleção de oficiais e praças

Formado 100% por oficiais e praças, o time Tiradentes PMAM participa do Peladão desde 2002 e se orgulha de ter chegado entre os 32 melhores durante duas temporadas e de nunca ter perdido por mais de dois gols de diferença.

Comandado pelo técnico e professor cabo Fredson (ex-América 1994), o Tiradentes PMAM conta com oito boleiros-militares que atuaram no futebol profissional, dentre os quais o soldado Diego “Folha” (ex-Nacional) com passagem por várias Copa São Paulo e o tenente Hayden “Manô” (ex-Holanda).

De acordo com o atacante cabo Sampaio, o “Alho”, o Tiradentes PMAM recebe o apoio do Comando Geral e dá todo o suporte logístico aos atletas. “Estamos e mais três campeonatos, sendo um da PM e outro no Clube dos Sargentos e Subtenentes da PM”, destacou Alho ao acrescentar que nas vezes que foram eliminados, foram por times que chegaram às finais.

Com o time base, a equipe conquistou quatro títulos dos Jogos dos Servidores Públicos (Jospam), um Ibero Americano e a conquista de um dos campeonatos mais importantes das Forças Armadas, a Marechal Rondon, em 2013.

O cabo Sampaio conta que os policias do time jogavam em outros clubes no Peladão, como o Compensão, Cidade Nova, Grêmio, mas resolveram representar a corporação. “A gente vê como o Peladão está crescendo. Achamos melhor jogarmos juntos. Não jogamos por dinheiro, pois teve jogador que deixou de ganhar R$ 4 mil para jogar conosco”.

Publicidade
Publicidade