Publicidade
Carnaval
Especiais

Torcedores dos bumbás deixam rivalidade de lado e formam grupo musical sobre toadas antigas

Fanáticos por Caprichoso e Garantido mantêm amizade fora do Bumbódromo de Parintins e cantam juntos antigas toadas no grupo “Veteranos do Boi” 23/06/2015 às 23:09
Show 1
Amigos e integrantes do grupo “Veteranos do Boi”
Kelly Melo Parintins

Apaixonados por Boi Bumbá,  um grupo de quatro amigos torcedores apaixonados por Caprichoso e Garantido decidiram formar um grupo para eternizar as toadas  mais antigas dos Bumbás.

Conhecidos como “Veteranos do Boi”, eles não têm data certa ou local definido para cantar ou se apresentar, mas a empolgação que eles demonstram na hora do “show” à parte, deixa qualquer pessoa admirada.

Alegres e extrovertidos, os vermelhos de corpo e alma, José Maria Valente,  57,  Ana Cândida Reis,  78,  e Ronelson da Silva,  44, além do  azulado Ernandes Nascimento,  58,  dizem que se uniram para não deixar a tradição morrer.

O grupo se formou em 2001 por iniciativa de Zé Maria,  que tinha o sonho de reunir amigos de torcidas opostas para entoar as toadas  deixadas por grandes compositores parintinenses. Preservar o uso dos os instrumentos tradicionais de percussão,  como o cheque-cheque (rocar),  o atabaque, a palminha e violão também é uma característica deles.

“Antigamente a gente não podia fazer isso porque a rivalidade era muito grande entre os Bois. No começo houve resistência, mas agora o que vale é  a amizade”,  afirma Zé Maria.

De acordo com ele, os Veteranos do Boi não possuem uma agenda de shows,  mas costumam se reunir na casa de amigos ou em festas de aniversários para cantar e tocar. Ou mesmo na orla, onde é  possível ter uma das visões mais bela da cidade.

“As toadas de hoje em dia são bem diferentes daquelas que foram criadas pelo próprio Lindolfo Monteverde, e por pescadores e vaqueiros da época. O ritmo está diferente, assim como a estrutura das letras”, explicou Ronelson da Silva, que é sobrinho de um dos fundadores do Festival de Parintins, Raimundo Muniz.

A “brincadeira” é mais uma diversão para quem chegou a ver diversas confusões quando o Boi Garantido ou Caprichoso passavam pelas ruas de Parintins. 

“Tinham muitas brigas quando o Boi saía e por isso as mulheres não participavam, por era perigoso. Elas ficavam acompanhando de longe a passagem do boi”,  lembrou Ernandes Nascimento, que também é  desenhista e músico,  além de professor aposentado.  Para ele, fazer parte dos Veteranos da Toada é forma de manter viva a tradição,  das tomadas mais simples e melódicas. 

Publicidade
Publicidade