Publicidade
Esportes
Destruidoras

3B monta elenco com jogadoras de vários estados brasileiros e é favorita ao título

Vinte jogadores do Rio de Janeiro, São Paulo, Santa Catarina, Pará e Acre moram numa 'república' na Compensa, Zona Oeste de Manaus 28/10/2016 às 05:00
Show 3b
3B marcou 52 gols em três partidas no Peladão Feminino e não sofreu nenhum (Foto: Evandro Seixas)
Jhonny Lima

Enfrentando o escaldante calor amazônico, 90% jogadoras do 3B, vindas de outros Estados, tiveram que se acostumar com as altas temperaturas ao longo do ano e agora é um dos principais times feminino do Peladão Brahma 2016. Desde a estreia delas na competição, há três partidas, o time  marcou 52 gols e não levou nenhum, sendo o maior placar 25 a 0 contra a Fundação Sol Nascente.

Uma das debutantes no Peladão é a zagueira Ingrid de Paula Silva, 21, a “Sorriso”. Como a maioria das atletas do 3B, ela iniciou a carreira no futsal. Mas antes de se profissionalizar, foi jogando entre os meninos, na cidade onde morava, em São Paulo, que ela desenvolveu suas técnicas no esporte. “Descobri o amor pelo futebol desde cedo, indo para a quadra com meu irmão e primos. Eu jogava com os meninos da rua”, lembrou.

Para ela, tudo é novidade no Peladão Feminino, principalmente as regras do campeonato, que é diferente de qualquer torneio de futebol do mundo. “Estou gostando. Tudo o que envolve esporte, principalmente o futebol, eu amo”, enfatizou.

Apesar da baixa estatura, Sorriso garante que o seu ponto forte são as bolas aéreas e afirma que tem uma boa impulsão.

No currículo ela guarda os títulos de Campeã Metropolitana pela Portuguesa; jogos de Jaguariúna, pelo Centro Olímpico; Brasileiro de Street Soccer, pela Fênix/GNV; Amazonense, pelo Iranduba, entre outros.

“Apesar de nunca ter imaginado de um dia jogar em Manaus, posso dizer que está sendo uma experiência maravilhosa, estou amando estar aqui, um povo acolhedor, pessoas simples, e que realmente apoiam o futebol feminino”, revelou.

Laura à esq.), Gisele e Ingrid de Paula (à dir.)  são estreantes no Peladão Feminino (Foto: Evandro Seixas)

 

De Belém para Manaus
Craque no futebol desde pequena, Gisele Teles de Mesquita, tem um histórico de conquistas tanto em Belém, com o Esmac, quanto no Kindermann, de Santa Catarina, onde muitos títulos foram conquistados, como a Taça Brasil Sub-15, o estadual de campo e futsal, entre outros.

Estreante no Peladão Feminino, ela ressalta que descobriu a paixão pelo futebol desde novinha, aos 8 anos, e na versão feminina do maior campeonato de peladas do mundo ela atua como lateral esquerda, com um gol marcado na competição.  “Estou com uma boa expectativa de ser campeã”, profetizou a atleta. 

Antes de desembarcar em Manaus para defender o 3B/Iranduba, ela brilhou nas regiões Sul e Sudeste do País, arrastando títulos em Santa Catarina, com Jocol, tanto no campo quanto no futsal. Em São Paulo ela jogou no Ourinhos, sagrando-se vice campeã dos jogos abertos. 

Em menos de um ano em Manaus, Parazinha levantou dois troféus: Campeonato Amazonense de campo e futsal, além de um vice no brasileiro sub-20, todos jogando pelo Iranduba. No Peladão ela espera repetir a sequência de conquistas.

Adaptação ao calor

A jovem Laura Spenazzatto, 18, conta que sempre teve o sonho de ser jogadora e foi jogando no meio dos meninos, dos 7 aos 13 anos, que foi se destacando, até ter que se filiar numa federação para poder competir. Ela é também uma das estreantes no Peladão e  considera o campeonato uma experiência diferente na sua carreira. 

Experiente no mundo do futebol, ela tem uma lista extensa de títulos como a Copa do Brasil pelo Kindermann, brasileiro sub-17, Taça Brasil, entre outros. A catarinense está em Manaus desde janeiro deste ano e nesse período levou o título amazonense pelo Iranduba. 

Acostumada às baixas temperaturas sulistas, ela sofreu bastante até se adaptar ao forte calor manauense. “Sabíamos que seria quente e abafado, os dois primeiros meses foram os piores, mas com o passar dos meses tivemos que acostumar”, declarou.

Publicidade
Publicidade