Sábado, 31 de Julho de 2021
Esporte

A ascenção do Robocop: ‘2021 está sendo o melhor ano da minha carreira’

Natural de Rondônia, mas criado no Amazonas, Gregory Rodrigues saiu da Zona Leste da capital para o estrelato no UFC



WhatsApp_Image_2021-06-09_at_19.23.30__1__1699A1B1-4A23-4DE0-B5A3-BEA6FB13D047.jpeg Foto: Divulgação
09/06/2021 às 19:36

“Sei quais são as minhas raízes, os meus valores”. Aos 29 anos, Gregory Rodrigues, conhecido como ‘Robocop’, vem passando pelo melhor ano de sua carreira. Com três vitórias em menos de quatro meses, o lutador radicado no Amazonas venceu o cinturão dos médios (até 84kg) do LFA e, logo em seguida, partiu para o desafio no UFC, onde bateu Dusko Todorovic por decisão unânime, no último dia 5 de junho.

“Meu coração está muito grato por tudo que estou vivendo, por todas as bênçãos que Deus tem derramado na minha vida. E cara, o pequeno Gregory da Zona Leste de Manaus, de um bairro chamado Nova Floresta, que nem muita gente conhece, é o mesmo Gregory de agora. Uma coisa que eu sempre aprendi é que a gente não troca as coisas, na verdade, eu sempre acrescentei na minha vida e eu acredito que, para eu estar onde eu estou hoje, é porque eu sei de onde eu vim”, disse Gregory.



Com a ascensão, Gregory decidiu voltar no tempo em conversa ao A Crítica. O lutador do UFC morou até os 10 anos na comunidade Nova Floresta, se mudando na sequência para a comunidade vizinha, o Nova Conquista, ambas do bairro Tancredo Neves, localizado na Zona Leste da capital.

“A gente pegava três ônibus para ir treinar no São Raimundo e morava na Zona Leste, então era bem difícil. Saía correndo da escola e ia para academia, mas nunca deixei de ir a um dia de treino. Na época, meu pai tinha um Tempra, mas ele não podia buscar a gente em casa, pois trabalhava no centro. Então ele pegava a gente na academia, às vezes o Tempra ia entupido de gente, pois meu pai sempre foi muito solícito, servia as pessoas, levava todo mundo em casa. Essa época era muito legal, pois ia gente até na mala do carro”, disse o ex-campeão do LFA.

Faminto

A sequência recente não foi o suficiente para deixar Gregory satisfeito. O peso-médio admitiu para a reportagem que tem vontade de fazer pelo menos mais duas lutas em 2021 e destacou que ainda não alcançou o nível que deseja para a continuidade de sua carreira.

“Não só estou pensando em meter uma quarta (vitória), como também uma quinta. O ano de 2021 está sendo o melhor ano da minha carreira, vejo a categoria dos médios do UFC com muitos atletas duros, bons, mas eu quero aprender com cada passo. Ainda não estou no nível que eu desejo estar, mas eu sei que estou aprendendo com cada luta”, disse o lutador.

Com 13 lutas na carreira, Gregory acumula 10 vitórias e três derrotas. Mesmo sendo faixa preta de jiu-jitsu, Robocop vem ganhando gosto pelo nocaute, tendo vencido quatro vezes usado este recurso.

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.