Publicidade
Esportes
Craque

'Ainda quero jogar', afirma Garanha sobre fim do contrato com o Nacional

A quatro dias do fim do contrato com o Nacional, o camisa 11 cogita se aposentar caso não renove o contrato com o time 28/05/2013 às 09:07
Show 1
Garanha ainda espera comandar time juvenil do Nacional
Lorenna Serrão ---

Garanha, um dos jogadores mais experientes do futebol amazonense, está com o futuro incerto. O contrato com o Nacional, time com o qual ele foi quatro vezes campeão estadual, acaba na sexta-feira, dia 31. A princípio, o jogador, de 36 anos, iria comandar a equipe de juvenil do Naça, mas como em 2014 o Leão da Vila não trabalhará com a base, ele aguarda por uma definição.

O camisa 11, que já defendeu o Nacional em cerca de dez temporadas no Campeonato Amazonense, afirma que gostaria de ajudar o time a conquistar o acesso para a Série C do Brasileirão, antes de pendurar as chuteiras. “Ainda quero jogar. Fui contratado para o Campeonato Amazonense e tenho contrato com o Nacional até a sexta-feira. Gostaria muito de jogar pela Série D e ajudar o time a conquistar o acesso para a C. Assim encerraria a minha carreira como jogador com chave de ouro”, comentou Garanha.

Cinco vezes campeão Estadual, quatro vezes com o Naça e uma vez com o São Raimundo,  Garanha acredita que outra oportunidade aparecerá, caso a renovação com Leão não aconteça. “Sinceramente não sei o que vai acontecer, mas acredito que vai aparecer alguma coisa boa. Confio no Mário (Cortez, presidente do Nacional), ele nunca me deixou na mão”, completou.

Acostumado com a pressão que envolve o futebol, Garanha mais uma vez foi decisivo em uma partida importante do Leão da Vila Municipal. Na final do Amazonense contra o Tubarão, no domingo, o atacante marcou o primeiro gol da partida e reacendeu a esperança dos nacionalinos. Apesar do gol, ele não voltou para o segundo tempo. “A gente aceita, mas não gosta. Eu ainda tinha ‘gasolina’ para jogar mais uns 20 minutos do segundo tempo, mas respeitei a decisão do treinador (Aderbal Lana)”, pontuou Garanha.

O jogador também falou sobre a grande final do Campeonato Amazonense de 2013, que teve recorde de público. Mais de oito mil pessoas compareçam ao estádio Gilberto Mestrinho, em Manacapuru, para acompanhar a decisão deste ano. “Foi uma festa linda, principalmente porque o estádio estava lotado, isso é muito importante, pena que o resultado não foi o que nós esperávamos. Acredito que 2013 foi um ano muito importante para o futebol amazonense. Agora é aproveitar esse momento. Se pelo menos dez ou 20 torcedores que estavam no estádio ontem (domingo) continuarem a seguir um time local, já será alguma coisa. Já fará a diferença”, disse.

Após duas viagens cansativas (Curitiba na quarta e Manacapuru, no domingo), o técnico Aderbal Lana e os atletas que participaram da final do Amazonense ganharam folga ontem. Garanha também deveria aproveitar a segunda-feira para descansar, mas acabou se confundindo e foi parar no CT Barbosa Filho. “Na verdade, eu imaginei que apenas quem jogou nos dois tempos iria folgar e por isso vim para cá (CT), mas aí, quando cheguei aqui, percebi que todos estavam de folga”, lamentou.

Três perguntas à Garanha

1º Aos 36 anos, você ainda tem fôlego para jogar?

Sim, eu ainda quero jogar. Minha prioridade é a Série D do Brasileirão, quero participar, quero ajudar o Nacional chegar à Série C, o principal objetivo do nosso grupo este ano.

2º Vocês perderam para o Princesa e ficaram sem a vaga para a Série D de 2014. Isso aumenta a pressão para conseguir o acesso este ano?

A nossa possibilidade de subir é este ano, por isso temos que fazer tudo o que for possível para conseguirmos uma vaga na Série C e isso inclui aguentar a pressão. Essa é a nossa última chance.

3º Na terceira fase da Copa do Brasil o Nacional poderá decidir em casa. O que você pensa sobre isso?

É sempre muito bom decidir em casa e contar com o apoio da torcida. O Nacional tinha três objetivos para este ano. E a classificação para a terceira fase era um deles. Nós alcançamos e agora o time tem que continuar no mesmo ritmo.

Publicidade
Publicidade