Segunda-feira, 11 de Novembro de 2019
Craque

Ali bin Al Hussein diz que não tinha planos de concorrer à Fifa

Príncipe da Jordânia, de 39 anos, se apresentou como alternativa para concorrer com Joseph Blatter, que tenta um quinto mandato consecutivo



1.jpg Príncipe Ali Bin Al Hussein vai concorrer ao cargo
16/01/2015 às 09:57

O candidato a presidente da Fifa príncipe Ali bin Al Hussein não tinha a intenção de concorrer ao mais alto cargo do futebol, mas se sentiu compelido por colegas dirigentes ansiosos por mudanças na entidade.

O membro da realeza jordaniana, de 39 anos, anunciou sua candidatura este mês e disse à rede australiana SBS que o amor pelo esporte o levou a se colocar como alternativa a Joseph Blatter, em busca de seu quinto mandato como presidente da Fifa, e ao francês Jérôme Champagne nas eleições de maio.

“Não é algo que eu idealmente gostaria de fazer, mas obtive bastante encorajamento de muitas pessoas ao redor do mundo que realmente se importam com o esporte, não somente de representantes de países como de jogadores”, disse Ali nesta sexta-feira (16).

“E então depois de muito refletir e tudo mais eu decidi ‘OK, vamos lá. Vamos fazer.’ Não é algo que eu queira fazer por muito tempo, mas realmente penso que é um dever com todos os apaixonados pelo esporte ao redor do mundo, trazer esta organização de volta”, acrescentou.

O vice-presidente da Fifa e presidente das federações da Jordânia e Ásia Oriental, que conta também com o apoio do presidente da Uefa, Michel Platini, não revelou nenhuma promessa específica de campanha, mas ressaltou a necessidade de uma maior transparência na entidade.

Ele voltou a pedir que seja trazido a público ainda antes da eleição o relatório do promotor Michael Garcia, responsável pela investigação sobre irregularidades nos processos de escolha das sedes da Copa do Mundo em 2018 e 2020.




Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.