Publicidade
Esportes
ALTO RENDIMENTO

Amazonense campeão de categoria de Tiro fala sobre conquista do Brasileiro

Mário é o líder do ranking brasileiro e faz parte da Seleção brasileira de Tiro. Após ter dominado o campeonato brasileiro deste ano, o atleta agora pensa nos próximos compromissos 02/12/2018 às 10:18 - Atualizado em 02/12/2018 às 15:41
Show atleta 1c44ecde 2577 4567 99bc 5f705106256e
Mário apresenta mais maturidade do que sua idade de 18 anos anuncia (Fotos: Antônio Lima)
Jéssica Santos Manaus (AM)

Sobre o tiro, os mestres arqueiros concordam que “a verdadeira compreensão dessa arte só é possível àqueles que dela se aproximam com o coração puro, despido de qualquer preocupação”. Essa citação do filósofo alemão, Eugen Herrigel, ajuda a explicar a facilidade com a que o atleta amazonense de tiro prático, Mário Neto, acerta seus alvos. No fim de semana passado, em Anápolis (GO), ele foi campeão brasileiro de Tiro Prático na Divisão Standard Overall – a mais disputada e com maior índice técnico do país – na soma de quatro vitórias em seis etapas realizadas no ano, incluindo a última com peso dois, mostrando que seu amor e dedicação ao tiro podem levá-lo à perfeição.

Mário apresenta mais maturidade do que sua idade de 18 anos anuncia, e ele confirma que o seu esporte sempre exigiu responsabilidade. Talvez as pessoas não enxerguem o Tiro prático com os mesmos olhos de Mário, que explica o seu sentimento pelo   esporte que pratica.

“Quando você começa a treinar, fica viciado pelo cheiro da pólvora, a gente costuma brincar. Eu amo o Tiro, para mim, a arma é como uma raquete de tênis, que eu uso para o esporte. Não penso no tiro como violência, e sim como meu meio de me divertir, de praticar meu esporte e evoluir como pessoa e como atleta; não vejo a arma como instrumento de violência”, afirma Mário Neto.

Mário Neto foi o melhor dentre 226 participantes, e, com somente 18 anos de idade, conquistou o primeiro título do Amazonas numa divisão oficial da International Practical Shooting Confederation (IPSC). Ele garante que o resultado não foi uma surpresa, mas, sim, fruto de horas e horas dedicadas ao tiro.

“Na Standart Overall, fiquei em 14º no ano retrasado, no ano passado fiquei em 5º, e este ano conquistei a vitória. Fiquei muito feliz, mas a vitória foi fruto de muito trabalho duro, resultado da dedicação, de muito treino. Espero continuar crescendo, evoluindo cada vez mais, e pretendo estar muito bem preparado para as competições, quero buscar o bicampeonato”, ressalta.

Mário é o líder do ranking brasileiro e faz parte da Seleção brasileira de Tiro. Após ter dominado o campeonato brasileiro deste ano, o atleta agora pensa nos seus compromissos para o ano que vem, que incluem o Sul-americano, na Argentina, e o Florida Open, já em fevereiro. Quanto a uma possível chance de vermos Mário nas Olimpíadas? Seu esporte não é olímpico, a modalidade olímpica é o Tiro Esportivo, mas o atleta afirma que não tem o sonho de chegar aos Jogos olímpicos.

“Minha modalidade não é olímpica, mas é uma modalidade de alto desempenho, então, já existe grande competitividade, campeonatos internacionais, e sou muito feliz em praticar esse tiro, ainda não tenho vontade de buscar outras modalidades não”, garantiu o jovem.

Pouca idade, muitos títulos

Apesar de ter somente 18 anos, Mário Neto coleciona títulos importantes. Na Divisão Standart, Mário foi rei em 2018. Até o meio do ano, dominava a categoria Júnior, depois, migrou para a categoria Máster, que também foi dominada por ele. Mas vencer somente na sua categoria era pouco para Mário, que foi o melhor entre todas as categorias Standart, vencendo a Standart Overall. Por cada vitória, ele recebeu uma “medalha presidencial” da confederação americano, IPSC.

Além do campeonato deste ano, Mário é tricampeão brasileiro na divisão Standart, categoria Júnior, bicampeão brasileiro na categoria Light, campeão Pan-americano Júnior (2015), e 3º colocado no Campeonato Mundial, realizado na França, ano passado.

Pai é incentivador

Mário Neto é apaixonado pela arte do tiro graças a outro Mário Batista Filho, seu pai, que foi o quem descobriu o tiro esportivo, há dez anos, no Clube amazonense de Tiro Esportivo (Cati), localizado no km 21, da AM-010. “Logo em seguida meu filho veio praticar o tiro comigo, mas com arma de ar-comprimido; ele começou brincando por cerca de um ano, e depois conseguimos um alvará judicial, algo bem simples, que você mostrando que a criança vai ter o acompanhamento de um profissional para utilizar a arma, e quando ele fez 12 anos, o juiz deu a permissão, e ele começou a participar de campeonatos. Hoje o Mário tem mais de 50 campeonatos brasileiros feitos”, relata o pai, que também compete na categoria Classic.

Mas seu pai, Mário Batista, assim como sempre incentivou seu filho a praticar o esporte, também exigiu dedicação do filho aos estudos. “Ele sempre estudou na escola técnica federal, estudou eletrônica; é estudante da UEA, de engenharia elétrica, e está fazendo o processo seletivo do exército, NPOR. Então nós fizemos um acordo de que ele precisaria ter um crescimento esportivo e intelectual”, explica o pai do atleta.

Além de tudo, Mário Batista vê o esporte com toda a beleza que ele traz – é mais um motivo para apoiar o filho. “O tiro é um esporte de cavalheiros. Você não vê no tiro a torcida xingando o adversário, não vê violência, ninguém empurrando o outro. Gosto de citar o livro “A arte cavalheiresca do arqueiro zen”, que se refere ao tiro como uma atividade de interação, com riquezas como o próprio ato de fazer a munição, de realizar todo o preparo para o tiro.

Publicidade
Publicidade