Publicidade
Esportes
Craque

Amazonense campeão do UFC, José Aldo fala sobre luta contra Chad Mendes no sábado

O lutador amazonense colocará o cinturão dos penas (até 66kg) em jogo no UFC Rio 5, ou UFC 179, que será realizado neste sábado (25), no Rio de Janeiro 21/10/2014 às 11:44
Show 1
Para José Aldo, o lutador Chad Mendes continua o mesmo
Jornal A Crítica ---

José Aldo é o protagonista desta semana no mundo do MMA. O lutador amazonense, único brasileiro campeão do Ultimate no momento, colocará o cinturão dos penas (até 66kg) em jogo no UFC Rio 5, ou UFC 179, que será realizado neste sábado, no Maracanãzinho. O adversário é um velho conhecido: Chad Mendes. O norte-americano foi nocauteado por Aldo com uma joelhada em janeiro de 2012, também no Rio, e desde então conquistou cinco vitórias em cinco lutas, quatro delas por nocaute ou nocaute técnico. Mas o campeão, que por sua vez teve três triunfos em três duelos desde o primeiro encontro com Chad, não enxerga evolução no oponente.

“Não vejo diferença nenhuma. Para mim, ele continua a mesma pessoa, com o mesmo jogo. Ele pode ter aumentado a confiança, aí sim, mas de evolução mesmo não vejo algo que eu possa dizer: ‘Ah, o cara está muito bem em pé’. Não. Ele nunca pegou um striker (que luta em pé, trocador), foi lá e fez uma luta de três rounds com o cara. Então, não posso falar que ele está tão bem em pé. Lá dentro a gente vai ver quem evoluiu mais”, disse.

Com personalidade forte, Aldo não foge quando o tema é a valorização dos atletas, que ficou ainda mais em evidência após as duras críticas de Wanderlei Silva ao UFC. O lutador da Nova União até pondera que é um assunto difícil de se comentar pelo fato de ser funcionário da organização, mas afirma que merece, sim, uma valorização financeira maior do evento

“(Valorização) Financeira não só eu, mas outros atletas também merecem. A gente dá muito para a empresa, e acho que não é tão valorizado quanto deveria. A gente não tem esse valor devido. Vi isso acontecer no passado, os atletas eram muito valorizados, e a empresa não era tão grande. Hoje em dia a empresa está muito grande e desvalorizou muito os atletas”.

José Aldo reconhece que a troca de farpas com Chad Mendes e o empurrão que deu no norte-americano durante uma encarada ajudaram a chamar atenção para o evento deste sábado, e vibra com a chance de lutar novamente no Rio de Janeiro, desta vez no Maracanãzinho - a primeira foi na Arena da Barra. O campeão ainda faz uma análise da atual situação do MMA brasileiro e diz acreditar que a má fase em relação aos cinturões do UFC é passageira.

Você se sente mais à vontade lutando no Rio?

(Risos) Sempre, né? A gente se sente muito bem, já conhece o clima, conhece tudo. Então, a gente fica mais tranquilo. Lógico que na minha carreira toda nunca escolhi luta, mas lutar em casa é ótimo. Ter o apoio da torcida conta muito. Sem contar que a porcentagem de vitória quando se luta em casa é bem grande.

A TJA (Torcida José Aldo) vai estar em peso no ginásio?

Com certeza. A gente está fazendo campanha. Todo mundo está adquirindo suas camisas. Espero que todo mundo esteja lá, vibrando e torcendo. Com certeza a gente vai chegar lá e vencer.

O Maracanãzinho já foi um templo das lutas. Como é lutar lá?

Fico orgulhoso. Acompanho a história do MMA, e na época do vale-tudo o Maracanãzinho teve grandes lutas. Hoje em dia fazer a luta principal para mim é motivo de orgulho. Mas, lógico, a gente tem que estar concentrado e olhando para a luta. Isso fica para a história, mas tem que chegar lá dentro e vencer.

Você sente alguma evolução no jogo de Chad Mendes após a primeira luta de vocês?

Todo atleta tem que procurar evolução. Não só o José Aldo, mas todos os atletas, porque o esporte vem crescendo e você tem que acompanhar isso. Se melhorou, isso fica para vocês, que são jornalistas. Mas a gente, que é lutador, conhece e sabe como é, se o atleta evoluiu ou não. Não vejo diferença nenhuma. Para mim, ele continua a mesma pessoa, com o mesmo jogo. Ele pode ter aumentado a confiança, aí sim, mas de evolução mesmo não vejo algo que eu possa dizer: ‘Ah, o cara está muito bem em pé’. Não. Ele nunca pegou um striker, foi lá e fez uma luta de três rounds com o cara (Nota da redação: Chad nocauteou Cody McKenzie, Yaotzin Meza, Darren Elkins e Clay Guida). Então, não posso falar que ele está tão bem em pé. Lá dentro a gente vai ver quem evoluiu mais.

Essa escassez de cinturão no Brasil é passageira?

(Risos) Espero que sim, né? A gente perdeu um pouco de espaço, mas o brasileiro tem um talento enorme e tem tudo para futuramente conquistar os cinturões de novo. Torço para isso também. Que a gente possa sempre estar disputando entre os melhores. Tem a minha disputa, depois a do Werdum (Fabricio, que encara Cain Velásquez no UFC 180), depois o Vitor (Belfort, que é o próximo rival de Chris Weidman), então sempre temos grandes possibilidades de conquistar cinturões. Acho que isso é uma fase. Passando isso, pode mudar e a gente pode dominar de novo o Ultimate.

O que motivou essa crise?

Para mim, isso é uma coisa natural. Faz parte. A gente já passou por isso antes. Já teve grandes campeões, depois passou por uma fase de seca. É a transição. Minha geração está assumindo agora. A geração passada fez muito, com Minotauro, Wanderlei, Anderson Silva... É uma troca de bastão. Às vezes demora até surgirem outros atletas duros. Se Deus quiser futuramente a gente vai ter vários outros campeões.

E como o José Aldo faz para “vender” as suas lutas?

Para mim é tranquilo. Não vejo problema algum. A gente sempre procura, sim, dar uma esquentada hoje em dia. Se minha luta contra o Chad Mendes não tivesse uma troca de farpas, não teria um interesse tão grande da mídia e dos fãs.

Os atletas do MMA merecem maior valorização financeira?

Financeira não só eu, mas outros atletas também merecem. A gente dá muito para a empresa, e acho que não é tão valorizado quanto deveria. A gente não tem esse valor devido. Vi isso acontecer no passado, os atletas eram muito valorizados, e a empresa não era tão grande. Hoje em dia a empresa está muito grande e desvalorizou muito os atletas. Se você está bem, está sendo valorizado. Mas, se perde umas três, é mandado embora. Tem esse lado também. É uma coisa difícil de falar. Hoje a gente vê o Wanderlei (Silva) brigando, o Dana (White) falando de valores. É fogo falar. Querendo ou não, sou um empregado deles, estou na empresa e tenho de ver esse lado também. Mas a gente procura sempre a valorização. A gente não ganha por mês, então depende de estar lutando. A gente procura sempre dar o máximo nos treinamentos para chegar lá dentro e corresponder. Assim, arrecadar milhões para a empresa. A gente queria que esses milhões fizessem parte da gente também.

Publicidade
Publicidade