Segunda-feira, 19 de Abril de 2021
OCTÓGONO

Amazonense Diego Ferreira volta ao UFC para revanche contra Beneil Dariush

Lutador, natural do Careiro da Várzea, passou mais de um ano sem lutar e entra em ação no UFC Vegas



6BBA6D3C-4B69-4251-81D8-A38BB0E1B70B_BC3208F8-DECD-4930-8AEE-0BB83C6EBD04.jpeg
06/02/2021 às 17:00

 

O lutador amazonense Diego Ferreira está de volta ao octógono do UFC neste sábado (6) no UFC Las Vegas 18 para a revanche contra o iraniano radicado nos Estados Unidos, Beneil Dariush. Porém, mais do que vingar a derrota sofrida no UFC Rio 5, em 2014, este duelo representa para Diego uma chance de subir no ranking dos leves e de mostrar que ainda está com o MMA afiado mesmo após mais de um ano sem lutar.



Desde a vitória por finalização contra Anthony Pettis no dia 18 de janeiro de 2020, Diego não conseguiu lutar mais. A intenção era realizar pelo menos mais três lutas, porém a pademia mudou os planos do atleta, primeiro por adiar eventos e depois porque ele teve a covid-19. Em 2021, ele se sente privilegiado por voltar e até considera um presente de aniversário lutar pouco depois de completar 36 anos.

“Ano passado foi uma coisa bem dificultosa pra todo mundo, não só pra mim. Só que tive duas chances de voltar para lutar. A pandemia atacou na primeira e aí, depois disso, eu fiquei doente e não consegui lutar. Tentei puxar o máximo que eu pude, mas não consegui. Estou voltando em 2021e muito ansioso por isso. É um presente pra mim, uma coisa bem gratificante e pra mim. Deus tá me abençoando como sempre então eu só tenho que ter felicidade por estar aqui”, contou em entrevista exclusiva para A CRITICA, por telefone.

Apesar das dificuldades e dramas pessoais, ele conta que está preparado para mostrar toda a sua técnica. Especialista em jiu-jitsu ele irá encarar um adversário que é especialista em trocação e tem um índice de 80% em defesas de quedas (segundo o site do UFC). Porém, isso não preocupa Diego, que fez uma preparação completa não só para ir para o chão, como também para trocar porrada.

“A preparação foi a mesma: tentar melhorar sempre em todos os aspectos, no meu muay thai, no meu boxe, no meu wrestling, no meu jiu jitsu. Então com esses dois camps que eu fiz e o terceiro eu foquei em tudo. Não foquei só em uma coisa ou duas. Consegui focar em todos os aspectos e isso melhorou bastante coisa para desenvolver algumas coisas que eu queria, que eu gostaria de ter e que eu tenho, que é uma parte mais técnica. E esse ano deu pra trabalhar em cima disso tudo. A expectativa é grande e quero mostrar a minha técnica pro meu povo manauara, meu povo brasileiro e, nossa, não vejo a hora de entrar no octógono e botar o show pra que todo mundo possa ver o Diego Ferreira voltando à ação”, comentou.

Esse contexto de preparação intensa e completa difere bastante da primeira luta, onde Diego terminou derrotado – uma das duas que ele tem no UFC . Em 2014, ele foi chamado de última hora pra substituir Allan Nuguette e teve pouco tempo para treinar.

“Quando eu lutei pela primeira vez com o Dariush, eu estava de férias porque tinha acabado de vir de uma luta, mas isso não é desculpa. Treinei em três semanas porque eu pensava que eu nunca tinha lutado no Brasil e queria mostrar pro meu povo de onde eu sou, mas muita coisa não foi do jeito que eu gostaria que fosse, principalmente na parte da minha alimentação, de cortar peso. A recuperação não foi do jeito que eu gostaria de fazer, mas ele fez o jogo certo dele. Ele já estava treinando pra enfrentar o Nuguette, então eu peguei a luta em cima da hora. Ele não sabia meu jogo, eu não sabia muito o jogo dele, por isso tinha essa diferença entre mim e ele naquele seis anos atrás”, disse o lutador que garante um duelo bem diferente do que aconteceu em 2014.

“Agora acho que nós somos dois lutadores diferentes, totalmente diferentes e tô indo pra lutar, botar meu jogo, minha ginga e eu acho que a diferença é que eu tenho mais coração pra lutar nesse sábado pensando nessa vitória. É isso o que eu quero”, completou.

Com tantas diferenças entre os atletas uma semelhança entre eles é que ambos vêm com um série invicta na organização. Enquanto Diego acumula seis vitórias seguidas, Dariush está há cinco combates sem saber o que perder, mas o amazonense não se escora nesses números e diz que o que mais motiva é a possibilidade de vencer um algoz de outros combates.

“Sempre vai motivar o lutador, né. Assim, você perdeu uma luta e você tem uma chance de lutar novamente com essa outra pessoa. Então motiva muito mais, principalmente depois de um ano que você esta parado e me anima muito mais, ainda mais no local que eu tô agora e o ponto que eu quero alcançar, então me traz mais força de vontade pra treinar e mais força de vontade de ganhar”, comentou.

Amazonense do Careiro da Várzea (distante 23km de Manaus), Diego diz que tem acompanhado as notícias sobre o colapso que o estado viveu no último mês e espera que uma vitória possa ser um presente para os conterrâneos.

 “Eu acompanho bastante os jornais de Manaus e assim como eu tava falando com a minha esposa, eu ainda tenho a minha família em Manaus. Sou amazonense do Careiro da Várzea, então eu gostaria muito no futuro de ajudar minha comunidade que tá sofrendo bastante. Eu pretendo depois dessa luta fazer alguma coisa pela minha cidade que está sofrendo bastante e não é fácil. Sei que o esporte traz uma alegria, um pouco de esperança e espero que o meu povo acompanhe a luta e se sinta assim. Eu perdi alguns familiares nessa dificuldade com o Covid, então espero fazer a diferença pra minha cidade. Sempre vou carregar minha bandeira do Amazonas e pra mim é difícil de ver isso, mas tem algumas coisas que a gente pode mudar na vida de pessoas que precisam bastante. Então tenho focado pra fazer isso. Por enquanto estou focado na luta, claro, mas quero fazer a diferença pela minha cidade”, finalizou.

*CARD UFC VEGAS 18*

UFC Overeem x Volkov

CARD PRINCIPAL (21h, horário de Manaus)
Peso-pesado: Alistair Overeem x Alexander Volkov
Peso-galo: Cory Sandhagen x Frankie Edgar
Peso-leve: Michael Johnson x Clay Guida
Peso-mosca: Alexandre Pantoja x Manel Kape
Peso-galo: Cody Stamann x Askar Askar
Peso-leve: Carlos Diego Ferreira x Beneil Dariush

CARD PRELIMINAR (18h, horário de Manaus):*
Peso-meio-pesado: Mike Rodriguez x Danilo Marques
Peso-galo: Martin Day x Timur Valiev
Peso-casado (até 72,6kg): Devonte Smith x Justin Jaynes
Peso-mosca: Molly McCann x Lara Procópio
Peso-pena: Seung Woo Choi x Youssef Zalal
Peso-galo: Karol Rosa x Joselyne Edwards
Peso-galo: Ode Osbourne x Jerome Rivera


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.