Publicidade
Esportes
Guerreiro de Manacá

Amazonense encara o PSG e depois a Seleção da França pelas Eliminatórias

Marcelinho atua em duas frentes de batalha: na quarta-feira (28) encara o PSG com o Ludogorets, pela Champions, e em seguida é a vez da França pelas Eliminatórias europeias, com seleção da Bulgária 25/09/2016 às 06:00
Show dfdf
Líder do Grupo A da Champions com o Ludogorets, Marcelinho ainda luta com a seleção búlgara por vaga na Copa da Rússia 2018. (Foto: Reprodução)
Denir Simplício Manaus (AM)

Responda rápido: qual jogador de futebol tem seu clube como um dos líderes de chave da Champions League, além de ter sua seleção liderando as Eliminatórias para a Copa do Mundo e, de quebra, ainda luta pelo seu quinto título nacional consecutivo? Lionel Messi? Cristiano Ronaldo? Neymar? Não caro leitor! Esse craque que vive momento mágico na carreira saiu daqui do Amazonas e responde pelo nome Marcelinho.

O jogador nascido em Manacapuru (distante 68 quilômetros) disputa sua segunda Champions League – maior campeonato de clubes do planeta – com o Ludogoretz-BUL, mesma equipe que assombrou o Real Madrid na temporada 2014/2015. Na Seleção da Bulgária, Marcelinho é um dos comandantes em campo e já até marcou gol na esteia vitoriosa contra Luxemburgo, o que levou o selecionado búlgaro a liderança isolada da chave onde estão gigantes do futebol mundial como França, Suécia e Holanda.

Marcelinho falou com exclusividade ao CRAQUE sobre o momento espetacular que vive tanto com a camisa 84 do Ludogorets, como com a 11 da Seleção búlgara. O manacapuruense vindo do bairro Terra Preta também analisou os próximos duelos que tem pela frente contra os franceses do Paris Saint Germain – na próxima quarta-feira (28) -, pela Champions League, e da seleção da França – no dia 7 de outubro, pelas Eliminatórias da Europa para a Copa da Rússia 2018 .

Você está vivendo o momento mais marcante da tua carreira, com disputa da Champions e das Eliminatória Europeias com a seleção búlgara?

Realmente, o momento é muito bom, aos 32 anos estou jogando uma eliminatória de Copa do Mundo e novamente jogando uma Champions é realmente um momento muito bom na minha carreira. Espero ter grande êxito nas duas competições que estou disputando, tanto na seleção búlgara quanto no Ludogorets.

Vocês estão num grupo bem difícil tanto na Euro como na Champions, qual o mais difícil das duas competições na sua opinião?

Os dois grupos são muito difíceis, têm grandes jogadores tanto na Champions como na eliminatória pra Copa do Mundo e é muito difícil dizer qual o grupo mais difícil. Acredito que os dois são bem iguais em termos de dificuldade, mas vamos tentar fazer o melhor. Tanto o Ludogoretz quanto a seleção búlgara não são consideradas tão fortes nos grupos, mas a gente sabe do nosso trabalho, do nosso potencial e do que podemos fazer. Acredito que na Champions pode vir uma grande surpresa e o Ludogoretz pode fazer muito mais do que já está fazendo, mas esperamos fazer grande competição nas duas.

Quais os principais objetivos traçados tanto pela comissão técnica do Ludogorets como da Seleção da Bulgária?

O objetivo é sempre classificar. Na Champions a gente tem o objetivo de lutar pra ficar em segundo. É muito difícil, mas no mínimo ficar em terceiro nessa briga com o Basel pela terceira colocação que é pra cair pra Liga Europa. E pra Copa do Mundo é grupo bem complicado, mas a gente iniciou bem, com uma vitória e esperamos dar sequência pra de repente conseguir uma histórica classificação da Bulgária pra Copa do Mundo.

Qual a sensação de olhar a tabela do Grupo A das Eliminatórias da Europa e ver a sua Bulgária como líder?

A sensação é muito boa. Contente pelo primeiro jogo, pela vitória. Cometemos muitos erros, poderíamos ter conseguido a vitória com muito mais facilidade. A gente cometeu erros que precisam ser corrigidos e tenho certeza que a comissão técnica da Seleção fará o melhor pra serem corrigidos  pra não ter novamente contra grandes seleções como a França, que é nosso próximo jogo. Em Paris tudo pode acontecer, são 90 minutos, 11 contra 11 e a gente vai fazer nosso melhor pra sair com o resultado positivo de lá, ou quem sabe até um empate, que seria muito bom pra nós lá. 

Na próxima rodada, tanto da Champions como nas Eliminatórias, você tem verdadeiras batalhas contra os franceses. Qual a parada mais dura, o PSG ou a Seleção da França?

Sinceramente, não tem como dizer qual será mais dura. O Paris Saint Germain é uma equipe com grandes jogadores. Jogadores de seleção como Di Maria, Cavani, Lucas, Verratti, Thiago Silva. A França também, finalista da Euro Copa, acabou perdendo pra Portugal em casa, mas é uma grande seleção. Também tem grandes jogadores como o Griezmann, Giroud, que joga no Arsenal. Com certeza, teremos páreos difíceis, tanto aqui em Sófia contra o PSG, como contra a França, lá em Paris, são dois jogos muito difíceis e como eu disse: jogo de futebol é 11 contra 11 e a gente sempre tem chance. Nunca entrei derrotado, independente de qual time jogo. Pra mim, sempre entro em campo com possibilidade de vencer e contra essas duas equipes não será diferente.

Você, com o Ludogorets, já deu muito trabalho ao Real Madrid, do Cristiano Ronaldo. Agora vai enfrentar uma legião de brasileiros: Thiago Silva, Marquinhos, Lucas, Maxwell... já parou pra analisar a partida do dia 28?

Impossível não pensar, imaginar ou analisar essa partida. Mesmo agora, concentrado para jogar pelo Búlgaro, é impossível.  Até mesmo os repórteres aqui na Bulgária só falam na partida contra o PSG. Realmente é uma legião de brasileiros onde todos passaram por Seleção Brasileira. Thuago Silva já foi um dos capitães, o Marquinhos ganhou o ouro Olímpico, o Lucas já teve várias convocações. É uma equipe muito boa, de grande jogadores a nível mundial. Mas assim como no jogo contra o Real Madrid, que na época era o atual campeão da Champions e o Ronaldo era o atual melhor do mundo, e a gente deu muito trabalho, a gente pretende fazer uma grande partida contra o PSG e fazer um grande resultado em casa contra eles. 

Se você tivesse de escolher a classificação para a próxima fase de apenas uma das competições, qual escolheria: Champions ou Eliminatórias?

Agora você complicou minha situação (risos). Difícil (longa pausa pensando). Seria excelente as duas coisas. Classificar num grupo da Champions onde tem PSG e Arsenal seria um feito histórico. Como mais histórico ainda seria classificar mais uma vez a Bulgária pra Copa do Mundo. A última que eles foram foi em 94 (Mundial dos Estados Unidos) com o Stoiskov e Cia. Não vou escolher uma... é até difícil ter essa escolha. As duas seriam muito históricas, mas colocando um peso – sem escolher, mas apenas colocando na balança – a ida da seleção búlgara novamente pra uma Copa do Mundo seria excelente.

 

Publicidade
Publicidade