Publicidade
Esportes
COPA DA RÚSSIA

Amor fora a parte, disputa é acirrada entre casal de mexicano e amazonense ‘na Copa’

Mesmo apaixonados, Emílio e Rosana garantem que cada um vai torcer pela sua seleção no jogo de hoje entre Brasil e México pelas oitavas da Copa da Rússia 02/07/2018 às 08:55
Show 16
Foto: Junio Matos
Dayson Valente Manaus (AM)

Brasil e México decidem hoje (2) quem continua na caminhada rumo ao título da Copa do Mundo na Rússia. A partir das 10h, as duas seleções se enfrentam pelas oitavas de final do Mundial em Samara, num dos confrontos mais acirrados do continente americano nos últimos anos. Se dentro de campo a rivalidade é intensa, fora dele o negócio é só amor, principalmente na vida da amazonense Rosana Novo e do mexicano Emílio Hernández.

Há um ano e meio, o casal decidiu não ligar para a distância entre os países e deram uma nova chance ao coração. Mesmo apaixonados, os dois garantem que cada um vai torcer pela sua seleção. “Nós vamos assistir o jogo juntos, de mãos dadas. Mas eu quero a vitória brasileira, seja de qualquer placar (risos)”, afirma Rosana, de 60 anos.

Natural de San Luis Potosí, Emílio é apaixonado por futebol. Torcedor do Querétano, o mexicano conta que assistiu a todos os jogos da Copa e admite que ficou surpreso com a seleção do seu país na Copa. “Eu não esperava. Contra a Alemanha, a equipe jogou muito, mas ainda é uma incógnita. Uma vez joga muito bem, outra vez joga mal, como foi contra a Suécia. Futebol é uma caixinha de surpresas”, afirma o gringo de 65 anos.

Emílio relembrou ainda o último confronto entre brasileiros e mexicanos na última Copa, em partida que ficou 0 a 0. Apesar do retrospecto negativo em Mundiais, o aposentado garante que está otimista por uma vitória. “Jogamos muito bem aquela partida, nosso goleiro (Ochoa) pegou demais. E alguns jogadores da geração olímpica campeã em 2012 em cima do Brasil estão na seleção atual. Será uma excelente partida, que ganhe o melhor, mas eu acredito que podemos vencer sim”, conta Emílio.

Enquanto que Rosana não tem preferência por nenhum jogador da Seleção Brasileira, Emílio aposta em “Chicharito” Hernandéz para fazer a diferença na partida de hoje. “É um jogador bom, veloz e muito habilidoso. Nos últimos anos tem sido um dos principais jogadores da nossa seleção”, conta o mexicano.

Do virtual ao real

Emílio e Rosana se conheceram através das redes sociais. Depois de três meses de conversas, os dois saíram atrás das telas para um encontro pessoalmente. “Ele me convidou para viajar ao México. Fomos para Cancún e lá tivemos a oportunidade de nos encontrarmos pela primeira vez”, explica Rosana.

Depois da amazonense, foi a vez de Emílio conhecer a terrinha baré da amada. Desde setembro em Manaus, o mexicano também aproveitou para conhecer vários lugares. “Não conheci muitos lugares ainda, mas já fui a Presidente Figueiredo e Parintins, a terra do boi”, afirma.

Com a aliança nos dedos, o casal ressalta que não pretende morar junto ainda, mas eles sonham em curtir a relação durante anos. “A cada cinco meses, eu vou pro México ou ele vem pra cá. Não pretendemos fixar moradia ainda porque eu gosto muito daqui e ele gosta muito do país dele. Mas estamos felizes”, conta Rosana.

Tradutor na mão

A união de Rosana e Emílio é a maior prova de que o amor é uma linguagem universal que ultrapassa barreiras. Mas para um se comunicar ao outro, o jeito é “apelar” para as novas tecnologias.

Sem saber falar espanhol, a amazonense explica que o aplicativo tradutor do Google é seu melhor parceiro na hora de conversar com Emílio, que não domina o português. “É bem engraçado porque a gente só domina a nossa língua. Até compreendemos as vezes, mas tem horas que é preciso correr pro tradutor ou pra escrita num papel”, explica Rosana.

A amazonense conta que as dificuldades com a língua renderam diversas histórias e muitas risadas do casal. “Uma vez, estávamos no México quando passamos por uma sorveteria e estava escrito ‘caja’. Quando li fiquei alegre porque minha fruta preferida é cajá, porém, ‘caja’ significa caixa. Foi muito engraçado e rimos bastante”, lembra Rosana.

Emílio destaca ainda que ao longo da convivência, o casal acaba entendendo o que outro quer dizer. “Isso está trazendo um crescimento para gente, um aprendizado para vida. Porque nos esforçamos para tentar entender o outro. E isso tem dado certo”, conta Emílio.

Publicidade
Publicidade