Segunda-feira, 16 de Setembro de 2019
PELADÃO

Aniversariante no Peladão 2019, Pânico segue missão de 'assustar os grandes'

Foi com bolo que o Pânico iniciou a sua campanha no Peladão 2019. No ano em que completa 10 anos de vida, a equipe do bairro Nova Esperança quer continuar derrubando grandes times do torneio



WhatsApp_Image_2019-08-29_at_21.10.18_A2C77E5F-5868-4CFE-9104-6274773960A2.jpeg Foto: Jair Araújo
30/08/2019 às 15:50

“Vamos colocar Pânico. Todo mundo vai gostar e vai ser uma brincadeira, porque acaba assustando”. Assim surgiu o Pânico F. C., time tradicional do Peladão e que tem suas raízes ligadas ao bairro Nova Esperança. No último domingo (25), a equipe estreou com derrota para o Amigos do Mata Boi/Jaraqui, no 1° Batalhão de Polícia Militar de Petrópolis. O primeiro passo pode ter sido negativo, mas levando o nome de um dos filmes de terror mais famosos da história, o Pânico promete derrubar grandes times.

De acordo com Joilson, presidente do time, essa é a principal característica da equipe. “Somos conhecidos por tirar muito time forte do Peladão. Quem conhece, sabe. Estamos sempre jogando com esse nome, não muda”, brincou Joilson, dizendo que a melhor campanha do time foi construída em 2011, quando a equipe ficou entre as 60 melhores. A edição contou com a participação de 530 equipes, recorde na última década deste torneio, que beira o meio século de vida.

Em campo para se divertir

Já no ano de criação, em 2009, o Pânico participou do Peladão pela primeira vez. Joilson, que além de presidente é goleiro e treinador do time, admite que a intenção da equipe sempre foi participar para brincar. “Já nos reuníamos e brincávamos nas quadras do Nova Esperança, então decidimos entrar no Peladão. Dois anos depois, em 2011, construímos a nossa melhor campanha. Mas sempre damos prioridade à diversão”, conta Joilson.

Em times adversários é comum vermos ex-profissionais em campo. No Pânico, esse tipo de jogador não tem vez. Para o presidente Joilson, o importante é manter a amizade e se divertir. “Aqui é mais brincadeira. Já tivemos profissionais no time em outros anos, mas nunca levamos muito a sério. Dou valor aos amigos que realmente se divertem com o time”, revela o presidente do Pânico.

Presidente multifunção

No Pânico, o presidente também tem que se virar nas quatro linhas - e na posição mais ingrata do futebol. Largando as responsabilidades de presidente por um momento, Joilson calça as luvas e vai defender a meta do time do bairro da Zona Oeste da cidade de Manaus.

Porém, a missão de defender só é dada porque ele mesmo é o técnico. Brincando, Joilson contou um pouco sobre a responsabilidade de ocupar os três ‘cargos’. “Os meninos até bagunçam e dizem que só assim mesmo para eu jogar. Mas levo na esportiva. Jogar é uma brincadeira”, brinca Joilson.

Iniciando a trajetória com bolo de aniversário, o Pânico é mais um dos personagens principais desse Peladão. Em 47 edições, a competição reúne histórias para todos os gostos.
 

News ac1 c11005fb a54c 4884 8608 3c793bab9e30
Repórter de A CRÍTICA

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.