Publicidade
Esportes
SÃO RAIMUNDO

Apesar de debandada, São Raimundo segue treinando e diretoria prevê mudanças gerais

Após saída de jogadores e comissão técnica, Tufão da Colina resiste. Atletas seguem treinando pensando no jogo contra o Holanda 29/03/2017 às 05:00 - Atualizado em 29/03/2017 às 08:50
Show tufaum
Os jogadores vêm treinando em um campo de barro no bairro Santo Antônio (Foto: Antônio Lima)
Camila Leonel Manaus (AM)

Se dentro de campo as coisas não andam fáceis para o São Raimundo, que acumula três derrotas em três jogos, fora dele a situação também não é das mais animadoras. Os nove jogadores que vieram de Fonte Boa para compor o plantel colinense foram embora de Manaus na manhã de terça-feira (28). Enquanto isso, os remanescentes tentam manter vivo o projeto São Raimundo para o restante do Barezão.

O São Raimundo tem oito jogadores registrados no BID e que estão aptos a entrar em campo. O técnico Lúcio Braga sinalizou que os três jogadores vindos da Bahia voltarão à sua terra natal nos próximos dias. Para completar o plantel, o clube já encaminhou à Federação de Futebol documentação de quatro atletas: Niedson, lateral esquerdo vindo do Holanda; Rafael Dorgan, meia que jogou na base do Fast; e os volantes Dorneles e Everton. “A gente tinha uma base e os caras foram embora. Agora tem que começar tudo de novo usando atletas de outros clubes. Se tivesse uma base, subia dos juniores, mas nem isso tem. A gente faz o que pode”, disse o auxiliar técnico, Waldimar Matos.

Em meio a um mar de incertezas após a renúncia do presiente Orismar Pires, o barco do Tufão mesmo aos trancos continua remando contra a correnteza. Por enquanto quem preside o Tufão é o vice de Pires, Francisco Boary, mas ainda não foi definido se ele irá mesmo assumir a presidência. O técnico Lúcio Braga segue treinando com os jogadores em um campo de barro na Vila Olímpica do Santo Antônio, Zona Oeste de Manaus. Em meio ao sol escaldante de 15h30, os jogadores fazem um trabalho físico e depois com um coletivo. O técnico Lúcio Braga garante que eles vêm treinando em dois períodos se preparando para o jogo de sábado contra o Holanda.

“Não seria interessante deixar os rapazes parados. Esses rapazes têm que treinar porque são profissionais, representam o São Raimundo. Independente do que vai aconteceu vamos continuar treinando, tem um jogo sábado e tem que estar preparado para isso, se dedicado. Isso não vai atrapalhar o nosso trabalho”, declarou.

O lateral direito, Adson falou que entre o grupo, o espírito é de levar a história do São Raimundo à frente. “A gente sabe que a situação não está muito boa. A cada dia vamos tentar buscar o melhor para o São Raimundo para erguer a história que o time teve e que muitos queriam apagar, mas isso não vai acontecer porque a gente acorda, almoça e janta pensando nisso. Nossa responsabilidade é grande e não faremos nada que possa trazer desalegria (sic) aos torcedores”.

Mudanças

Procurado pela reportagem para falar sobre a situação do São Raimundo, o diretor de futebol, Antônio Fiola, ironiza: “está complicadíssima”, mas depois fala em tom sério “não, está tudo sob controle”.

Quanto aos jogadores de Fonte Boa, ele alega que os jogadores retornaram por saudades da família. “Eles foram com saudade da família. Choraram no fim de semana depois da derrota para o Manaus,  resolveram ir embora e ninguém pode fazer nada”, disse.

Sobre os protestos da torcida, Fiola, ele diz que também é um torcedor e diz que a situação do clube deve mudar nos próximos dias. “Além de dirigente eu sou torcedor. Sou torcedor do que dirigente na verdade e essa situação de perder revolta a torcida e ela tem razão e com o dirigente não é diferente. Se fosse ao contrário e nós estivéssemos  ganhando, a crise seria do adversário. O futebol é assim, feito de vitórias e derrotas, mas nos próximos dias haverá uma mudança geral no São Raimundo” , finalizou.

Publicidade
Publicidade