Publicidade
Esportes
Craque

Após encerrar carreira, Marcelinho pretende investir em futuros craques de Manacapuru

O meia-atacante do Ludogorets, da Bulgária, confessou que depois de parar de jogar, planeja a construção de um Centro de Treinamentos para formar atletas na Terra da Ciranda. O camisa 84 sonha em ver mais jogadores amazonenses fazendo sucesso no futebol mundial 28/12/2014 às 19:15
Show 1
Marcelinho pretende investir na formação de atletas depois de "pendurar as chuteiras".
Denir Simplício Manaus (AM)

Revelado nas categorias de base do Atlético Rio Negro Clube, o meia-atacante Marcelinho sabe mais que ninguém como é dura a vida de um garoto no início de carreira. O jogador do Ludogorets, da Bulgária, que ganhou destaque mundial após fazer um gol no todo-poderoso Real Madrid pela Liga dos Campeões, passa férias no Amazonas e confessou ao CRAQUE que pretende investir seus dividendos na revelação de novos talentos no futebol amazonense.

O camisa 84 do clube do Leste europeu curte merecido período de descanso ao lado dos pais e amigos de infância. Desde o início desta semana em Manacapuru (distante 68 quilômetros de Manaus), o jogador de 30 anos começa a planejar o futuro quando resolver “pendurar as chuteiras”. De contrato renovado até 2017 com o Ludogorets, o atleta confessou que sonha em investir o ganhou na carreira de jogador na formação de novos craques.

“Penso em construir um centro de treinamento e colocar a garotada pra jogar. Investir no futuro de novos jogadores. Aqui em Manacapuru tem muito jogador bom que não tem oportunidade de mostrar seu talento. Não é para agora. Quem sabe mais pra frente, quando eu resolver parar de jogar”, revelou o Marcelinho.

O filho de Manacapuru acompanha a carreira de alguns atletas oriundos da Terra da Ciranda e acha que falta apoio às divisões de base no futebol amazonense. Marcelinho planeja com seriedade e profissionalismo a possibilidade de firmar parcerias com clubes de São Paulo para troca de experiências e na revelação de promissores jogadores de futebol.

“Penso em construir um local de qualidade, que possa dar oportunidade dos garotos mostrarem seu talento. Inclusive, se quisesse, já teria até um treinador à disposição para tocar o projeto. Mas isso vai ficar pra quando eu estiver com 35 anos, por aí”, afirmou o jogador que ainda completou falando da responsabilidade de lhe dar com os pequenos.

“É complicado trabalhar com a garotada. Não depende apenas de você. Você dá sua palavra, mas outras pessoas podem não dar. É um trabalho difícil e que requer muita seriedade. Você está lhe dando com o futuro de uma pessoa. Tem de haver profissionalismo e respeito, sempre”, finalizou.

Marcelinho deve permanecer em terras amazonenses pelo menos até o início do ano. Depois seguirá para a pequena cidade de Razgrad, na Bulgária, sede do clube onde o meia-atacante manacapuruense é ídolo. 

Publicidade
Publicidade