Segunda-feira, 19 de Abril de 2021
UFC

Após mais de um ano sem lutar, Ronaldo Jacaré volta ao octógono neste sábado (12)

Brasileiro enfrenta Kevin Holland no UFC 256 e pretende quebrar uma sequência de duas lutas sem vencer



WhatsApp_Image_2020-12-12_at_10.22.37_90C76CC2-1913-489A-9BDC-592AEB34862F.jpeg Foto: Divulgação/UFC
12/12/2020 às 11:01

"Eu preciso vencer, treinei para vencer"! Essas são as palavras de Ronaldo Jacaré quando perguntado sobre suas ambições para o futuro no UFC. O peso médio brasileiro volta ao octógono na noite deste sábado (12), no UFC 256, em Las Vegas, contra Kevin Holland, após mais de um ano sem lutar.

O último combate foi em novembro de 2019, contra Jan Blachowicz - atual campeão dos meio-pesados -, uma categoria acima da sua (até 93 kg), o que somou a segunda derrota seguida no Ultimate. Sobre essa breve subida de categoria, ele disse que foi uma oportunidade que apareceu e ele aceitou. Apesar da derrota para o campeão dos meio-pesados, Jacaré diz que a performance apresentada no duelo dá ainda mais confiança.



“Na realidade não foi uma decisão me ofereceram a luta até 93 eu vi que era uma oportunidade boa, um adversário duro e fui e aceitei, mas sou médio. Me ofereceram e aceitei mas essa categoria é a minha. Os adversários de 93kg são mais fortes eu fiz uma luta dura de cinco rounds contra o campeão, que tá nocauteando todo mundo. Então tô bastante confiante pra fazer uma boa apresentação”, explicou.

Por não ter lutado em 2020, Jacaré não aparece no ranking da categoria dos médios. Já o seu adversário vem de quatro vitórias seguidas - três delas por nocaute -, mas o retrospecto não assusta o brasileiro, que declara que jejuns e tabus se quebram dentro do octógono.

"A vitória é sempre boa. Eu tô focado na vitória. Fiz um bom camp de treinamento e eu preciso vencer e treinei pra vencer. Não me importa se ele tem vitórias seguidas. Vou quebrar a sequência de vitórias dele no dia da luta", disse em entrevista exclusiva ao A Crítica.

Tanta confiança do lutador vem de uma preparação forte para a luta. O adversário, a princípio, não seria Holland, mas o italiano Marvin Vettori - que lutou e venceu na semana passada no UFC Vegas 16.

Porém, como Holland testou positivo para Covid-19, trocou-se o adversário e a data da luta. Jacaré contou que se preparou para um adversário destro e com uma envergadura maior do que a do italiano, que é canhoto, mas que por conta da mudança em cima da hora, não tem muito o que modificar em termos de estratégia.

"Eu não mudei nada porque já foi muito em cima da hora e não teve como mudar, mas a diferença é que um é destro e o outro é canhoto. Um é mais longo e o outro é mais curto, mas eu fiz um camp de treinamento muito duro. Trouxe caras muito grandes pra me ajudar, então nesse ponto eu não tô ruim não, eu tô bem, graças a Deus", explicou.

O camp durou 10 semanas. Segundo ele, "caras bem duros" o auxiliaram na preparação, entre eles Lyoto Machida, Adrian Janoude - treinador de wrestling -, entre outros. "Meu treinamento foi duro, o Lyoto me deu uma força. Trouxe uns caras grandes".

Ano de pandemia

Com a pandemia, várias modalidades esportivas pararam por conta do alto grau de transmissão da Covid. O UFC foi uma das primeiras que retornaram - ainda em maio - e Jacaré estava escalado para lutar contra Uriah Hall, mas o duelo acabou não acontecendo porque o brasileiro testou positivo dias antes.

"Todo mundo pode pegar essa doença, que é muito perigosa. Eu peguei e não senti nada, mas acho que todo mundo tá sofrendo com isso e a gente não é diferente de ninguém e fica bastante apreensivo. Meu adversário acabou de pegar Covid também e, graças a Deus, não teve nada. O mundo todo tá sofrendo e a gente sofre também", comentou o lutador, que montou seu espaço de treinos em casa, fazendo 90% do camp no próprio lar.

"Tudo o que eu preciso eu tenho em casa. Quando entrou a pandemia, eu realmente fiquei com medo de pegar Covid. Então eu resolvi fazer um espaço de treino na minha casa. Me protegi tanto e mesmo assim acabei pegando Covid, então é complicado. Mas é como se eu tivesse voltado para as minhas origens. Eu sempre morei e treinei dentro da academia, então agora tenho isso em casa. É como se eu voltasse ao normal", finalizou.

UFC 256: Figueiredo x Moreno
Sábado, 12 de dezembro, a partir de 19h (horário de Manaus)
Cinturão peso-mosca: Deiveson Figueiredo x Brandon Moreno
Peso-leve: Tony Ferguson x Charles Oliveira
Peso-leve: Renato Moicano x Rafael Fiziev
Peso-médio: Kevin Holland x Ronaldo Jacaré
Peso-pesado: Júnior Cigano x Ciryl Gane
Peso meio-médio: Li Jingliang x Dwight Grant
Peso-pena: Cub Swanson x Daniel Pineda
Peso-palha: Mackenzie Dern x Virna Jandiroba
Peso-palha: Tecia Torres x Angela Hill
Peso-mosca: Andrea Lee x Gillian Robertson
Peso-pena: Gavin Tucker x Billy Quarantillo
Peso-pesado: Serghei Spivac x Jared Vanderaa
Peso-médio: Karl Roberson x Dalcha Lungiambula
Peso-pena: Chase Hooper x Peter Barrett


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.