Publicidade
Esportes
Avalição

Emily Lima avalia o ponto mais positivo no trabalho da seleção: o 'entendimento'

Emily Lima e Bruna Benites falaram sobre os primeiros dias de atividade da nova comissão técnica em ação na seleção feminina 18/12/2016 às 01:02 - Atualizado em 18/12/2016 às 01:23
Show show 01
A treinadora Emily Lima está satisfeita com o desepenho do grupo (Foto: Aguilar Abecassis)
Camila Leonel Manaus (AM)

No dia 1º de novembro, Emily Lima foi anunciada como nova técnica da Seleção Brasileira. Foi a primeira vez que uma mulher assumiu o comando da seleção feminina. No dia 28 de novembro, a Seleção começou a preparação para a Copa Caixa de Seleções ainda no Rio de Janeiro. A estreia da técnica foi no torneio em Manaus. Na primeira fase da competição foram três jogos, três vitórias, 13 gols marcados e um sofrido. Ao fim do último treino na capital amazonense, a treinadora fez avaliação do primeiro ciclo de trabalho, que entre competição e treinos durou 21 dias.

“Entendimento. A assimilação delas foi de uma evolução muito grande e os resultados que vem acontecendo na seleção é por conta delas. A gente vem para orientar. A gente não chega com uma poção mágica e diz 'vai acontecer isso'. Elas haviam feito todo o ciclo do Vadão e nós incluímos algumas coisas e uma metodologia diferente que a gente acredita que é o ideal. Foi notório no primeiro treino aquele bloqueio por causa de uma comissão diferente, mas aí o futebol é igual com qualquer profissional. Esse primeiro choque dá um impacto maior, mas a coisas fluem porque nós falamos a mesma linguagem. A gente conhece esse ambiente e não vê dificuldades”, avaliou.

E a mesma linguagem se percebe na avaliação da capitã Bruna Benites. A zagueira da seleção disse que a cabeça aberta e a receptividade do grupo tornou o início de trabalho mais fácil tanto para as jogadoras como para a comissão técnica.

“A gente tem muita sorte do nosso grupo aqui na Seleção Brasileira porque a gente tem jogadoras que estão com cabeça aberta e chegamos aqui para receber tudo o que fosse novo e da mesma maneira a comissão chegou dessa forma também para dar o máximo deles e passar o máximo de conhecimento que tem pra gente. A gente também estava dispostas a receber esse conhecimento. Tá todo mundo muito contente com o trabalho. A gente teve poucos dias para trabalhar não só a parte de campo, mas também a parte física já que tinham algumas atletas que vinham de férias e isso faz a diferença, mas a gente está muito feliz com o trabalho”, explica a jogadora.

Um dos pontos positivos apontados por Benites foi a fome de trabalho demonstrado pelos dois lados. Da mesma forma que a goleira Bárbara destacou durante a semana e para a jogadora, isso aumentam as esperanças de um ciclo vitorioso da Seleção Feminina.

“A gente percebe que não só a comissão técnica, mas a comissão técnica passada deixou um legado muito bom pra gente e com a comissão da Emily a gente tá só agregando os trabalhos. A gente sabe que está só no início de um ciclo e esperamos que esse ciclo seja vitorioso. Temos sorte de ter um comando que gosta muito de trabalhar e atletas que gostam muito de trabalhar e isso é um casamento ideal, então tenho certeza que vai dar muito certo”, finalizou.

Brasil e Itália se enfrentam às 16h45 deste domingo (18) na Arena da Amazônia para decidir quem leva o título da Copa Caixa de Seleções. Antes, Costa Rica e Rússia decidem o terceiro lugar. As russas possuem a vantagem do empate. Os ingressos estão à venda na Arena Amadeu Teixeira, ao lado do estádio e custam R$ 60 (inteira) e R$ 30 (a meia). Levando 1 kg de alimento não-perecível, é possível obter a meia entrada.

Publicidade
Publicidade