Publicidade
Esportes
Mudança de 'respeito'

Após ‘sofrido’ acesso à Série A, Eurico anuncia a saída de Jorginho como técnico do Vasco

Presidente vascaíno comunicou a reformulação total no comando técnico do Cruzmaltino, que chegou a liderar boa parte da Série B e só conseguiu o retorno à elite do Brasileirão na última rodada 28/11/2016 às 17:40 - Atualizado em 28/11/2016 às 17:51
Show vasd
Jorginho e toda comissão técnica do Vasco deixam São Januário após campanha irregular no retorno à Série A do Brasileiro (Foto: Divulgação/Vasco)
ACritica.com* Manaus (AM)

Em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira (28), em São Januário, o presidente do Vasco, Eurico Miranda, anunciou a saída do técnico Jorginho e do auxiliar técnico Zinho, além do auxiliar Kléber dos Santos e do preparador físico Joelton Urtiga do clube. Além das dispensas, o dirigente falou sobre a reformulação que acontecerá no Departamento de Futebol cruzmaltino, que à duras penas, conseguiu retornar à Série A do Brasileirão.

"Essa coletiva foi convocada por mim para algumas comunicações oficiais. A primeira delas é que eu vou fazer uma reformulação no Departamento de Futebol e começa com a saída do treinador e do auxiliar técnico. Conversei antes com Jorginho e chegamos a uma conclusão que é consensual. Eu quero deixar absolutamente registrado o meu reconhecimento ao trabalho que o Jorginho e o Zinho desenvolveram no futebol do Vasco. Nós tivemos uma conquista da maior importância, que tentam minimizar. O Vasco foi campeão estadual invicto, passou 34 jogos invictos sob a direção dele como treinador. Talvez daqui a uns 10 anos seja feito o reconhecimento do que efetivamente foi feito. Eu não sou de reconhecimento no futuro e sim no presente. E tenho que dizer efetivamente o que eu sinto. A  torcida não ficou feliz com esse final de ano e eu também não. Esse é o motivo, não é por incompetência ou deficiência do treinador, quero deixar claro", destacou Eurico.

Confira o pronunciamento de Jorginho

"Estamos deixando o cargo neste momento. Tivemos uma conversa, mais de uma hora de bate-papo. Eu como treinador preciso realmente fazer uma retrospectiva do que aconteceu. Cheguei ao Vasco da Gama com a equipe na última colocação, uma situação difícil. Nosso projeto era trazer a honra novamente ao clube, ninguém acreditava que era possível. Por pouco não chegamos a permanecer na primeira divisão. O trabalho foi muito bem feito e começamos esse ano muito bem, fomos campeões da Taça Guanabara, do Carioca de forma invicta, batendo recorde. Fizemos um primeiro turno maravilhoso e tivemos uma queda de produção. É importante frisar que sempre ficamos no G4 nas 38 rodadas. Sempre conversamos muito com o presidente, foi uma pessoa importante na minha vida particular, me ajudando a tomar algumas decisões, como frisei na conversa particular. Agradeço a ele por ter me dado conselhos. Tive duas propostas para sair do Vasco, mas eu tinha compromisso com o clube. Em primeiro com o Vasco, com o presidente, com os atletas e com a comissão técnica. A gente tinha esse planejamento."

Jorginho fala sobre objetivos

"O nosso maior objetivo era levar o Vasco à primeira divisão. Nem sempre é aquilo como a gente quer. Fica a minha desculpa com o nosso presidente, diretoria e torcedor, poderia ser melhor, mas não aconteceu. Por isso não podemos deixar passar em branco o que fizemos. O final foi traumático. Tiramos um peso das nossas costas, mas conseguimos realizar nosso objetivo. Fica a minha gratidão ao presidente. Não foi da forma como eu gostaria, mas saio com missão cumprida. 

A parceria com Zinho

"Começamos uma parceria de sucesso aqui no Vasco, eu e Zinho. É uma alegria trabalhar como um irmão como esse, por todas as vezes que tivemos juntos. Nos momentos mais difíceis, em que muitas pessoas queriam que a gente saísse, o presidente sempre nos deu apoio. A minha gratidão ao Vasco e ao torcedor. Não é fácil lotar o Maracanã na situação que estava. A torcida mostrou a sua força em vários lugares e era maior do que a do adversário. Eu quero agradecer de coração. Eu tenho certeza de que o trabalho o trabalho foi bem feito. Ver um Thalles recuperado, um Douglas que tem tudo para ser um grande jogador, Andrey, Evander, jogadores de muito potencial.  Estamos saindo eu, Zinho, Kléber e Joelton. Obrigado a cada um de vocês, pelo carinho e respeito. Três razões nos mantiveram aqui: as conversas olho no olho com o presidente, o nosso torcedor e os jogadores, que apesar das limitações, eles compraram a ideia e realmente conseguiram o nosso maior objetivo, que era voltar à primeira divisão"

Zinho destaca trabalho no Vasco

"As minhas palavras vão ser repetitivas. Concordo com tudo que o Jorginho falou. Agradeço aos vice-presidentes Doutor Silvio e Horta e a toda diretoria, que me receberam de uma maneira que me emocionou muito, especialmente o presidente. Houve uma resistência muito grande e o Jorginho me fez esse convite e o presidente me deu essa oportunidade de iniciar esse trabalho. Essa parceria vai durar muito tempo. Vamos continuar uma carreira de sucesso. O nosso nome está marcado no mercado. Eu sou muito grato por isso" 

Segue coletiva na íntegra com as respostas de Eurico Miranda aos jornalistas:

Total apoio ao treinador Jorginho

"A única coisa que não podem é dar informações que não traduzam a realidade. Estou habituado a isso. Quero dizer, da minha parte, que no final não fiquei satisfeito, assim como o torcedor. Mais uma vez o Vasco deu uma demonstração da sua força, que por mais que tivessem feito a maior campanha que pudessem, no final o Vasco está sempre acima dessas coisas. Estou muito tranquilo em relação a isso. Tudo foi dado para que eles pudessem desenvolver o trabalho. Nenhuma equipe recebeu tantas condições para produzir do que nós. Desde que coisas que não eram para acontecer na Série B, voos fretados, enfim, tudo o que pudemos fazer. Da nossa parte tivemos que enfrentar determinadas situações. Sou sincero e não escondo isso. É inadmissível e eu não vou aceitar que comentaristas digam antes do jogo que a torcida do Vasco teria como se portar. Que compareçam e vaiem. Isso é inadmissível, na minha opinião, para quem quer fazer jornalismo isento. Isso saiu de comentaristas desqualificados que tem outras intenções. As pessoas tem que ter mais segurança naquilo que falam"

Reformulação no Departamento de Futebol

"Quero que vocês saibam que eu vou fazer essa reformulação no Departamento do Futebol e acabar com especulações que alguns jornalistas fazem há muito tempo. Meu filho, Eurico Miranda Filho, continua sendo o meu representante no futebol. Diretor executivo do Vasco não há nenhuma hipótese. Os diretores executivos que passaram aqui causaram prejuízos que ainda estão sendo reparados. Estão saindo quatro membros da comissão técnica e talvez outros. Não tenho costume de culpar nenhum profissional. Quem dirige tem que tomar as medidas. Na minha maneira de ver o futebol, não sou de me eximir da responsabilidade e de jogar a responsabilidade em A ou B. Algumas medidas que muitos preconizaram não foram tomadas. Isso não quer dizer que essa seja a maneira de melhor conduzir esse processo, mas é minha maneira e continuará sendo assim. Depois desse tempo todo de futebol, eu não vou começar a aceitar opiniões de alguns neófitos no futebol. Eu tenho comprometimento com essa instituição, que faz parte da minha vida"

Milagre Vascaíno

"Estou acostumado com manifestações não é de hoje. E não vão me afastar. Eu estou melhor do que estava antes. Aqueles que acham que estou com alguma deficiência, não tenho nenhuma, no sentido de fazer o que acho que tenho que fazer. Muito em breve, eu vou passar para todos, para a opinião pública, a forma como encontrei o Vasco e o que foi feito para mudar esta situação desde que assumi. Não tenho receio de falar e digo com experiência. É o que chamamos de Milagre Vascaíno, não é especificamente do time do futebol. O Vasco estava efetivamente no fundo do poço. Hoje, o Vasco está muito bem, obrigado. É um clube regular com suas obrigações"

Boatos da imprensa

"O Globoesporte.com gosta de querer andar na frente, mas quem quer agir desta maneira acaba se atropelando. Acha que sabe o que acontece e o que não acontece. Nada se leva em consideração. Na reformulação, tenho que levar em conta algumas coisas. Não posso puro e simplesmente mandar embora e não cumprir as obrigações contratuais. As coisas vão ser feitas. Quem gosta de andar na frente, já vai começar a especular. Qualquer notícia de que jogador tal não vai ficar ou vai sair, se não partir daqui, pode correr o risco de ser ao contrário"

Conversa com Luxemburgo

"Tá maluco? Eu sou homem de proceder dessa forma? Enquanto eu não resolvesse o problema com o Jorginho, eu não pensaria nisso. A partir de hoje é que vou pensar no novo treinador"

Perfil de treinador

"Com certeza não é o perfil de alguns comentaristas incapazes que a Rádio Globo tem, que fizeram campanha em relação ao Vasco, a torcida e ao time. Não estou citando os nomes, mas posso dizer quem são. Um deles é o Dé. Ele foi jogador do Vasco, inclusive ajudado por mim. Também fui eu que o coloquei pela primeira vez para ser treinador auxiliar. Ele não tem menor condição de falar sobre gestão e administração de futebol, pois não tem conhecimento para isso. O outro é o Carlos Eboli, metido a intelectual, que fez campanha para que a torcida vaiasse no final do jogo. O problema não é pessoal. Eles não têm gabarito para falar nada. Uma instituição como o Vasco não pode ser tratada dessa forma. A crítica tem que existir, mas não dessa forma como é feita"

Vozes no futebol citadas por Jorginho

"Tudo foi dado. Todas as condições de trabalho foram dadas, e a principal foi o respaldo do presidente. Não sei o que é vozes estranhas. A mim ele não me passou nada dessa situação"

Críticas aos familiares

"Pressão? Você acha que não teve? Só teve. Mas não é interna, é externa. Tem na ESPN um negócio. Discordam e tem todo o direito. Agora, manipular, não dá. A ESPN quer fazer um candidato no Vasco. Vamos ver se tem força para isso. Quer estimular e colocar algumas coisas que são feitas. Tem um blogueiro, que na verdade é adepto dessa figura que está querendo aparecer. Ele começa a lançar algumas coisas, mas que nós sabemos a origem. Eu quero saber aonde leva essa campanha de "fora Eurico". O que eu quero dizer é o que o pessoal deveria estar habituado. Eu sou absolutamente imune a isso. Criar situações em relação à minha família, meus dois filhos que são absolutamente competentes. Um é benemérito e o outro trabalha na base. Todos os jogadores de sucesso da base fazem referência a esse meu filho (Álvaro Miranda). Se ele não fosse competente, não estaria tomando conta. Desde Alex Teixeira, Alan Kardec, Coutinho, Thalles, Souza... São meninos que vieram para cá com 11, 12 anos, trazidos pelo meu filho. É complicado me atingir e tentam atingir minha família. Não é justo, mas estou habituado a isso"

Edmundo e Roberto Dinamite

"Tem um sujeito chamado Edmundo que até hoje pago a ele. O que os outros não pagaram, até hoje pago. Eles que não se arvorem de falar essas baboseiras. Até hoje pago a ele por mês mais do que ganha no Fox Sports. E não fui eu que fiz essa dívida. Ele é um dos que se arvora. Você fez o seu curso de jornalismo, uma faculdade, deve receber um salário pequeno, e de repente, pessoas que não tem menor formação são contratados e ganham mais do que o jornalista formado por conta da mídia. E querem falar de administração e etc. Eu só faço uma pergunta: Quem é Edmundo para falar em responsabilidade administrativa? Deve ser uma busca de audiência. A Bradesco (Esportes FM) levou para ser comentarista o Roberto Dinamite. Ele arrasou o Vasco. Qual capacidade ele tem para falar sobre administração?"

Pressão externa

"Claro que essas coisas são preparadas. Não tenho culpa se vocês (Esporte Interativo) brigam com a Globo. Estou habituado a isso. Tenho por obrigação saber disso. Podem interpretar da maneira que quiserem. Estou no Vasco, pois o Vasco precisa de mim. Defino dessa forma. Dentro de uma semana, vou mostrar como encontrei esse clube. No dia que eu entender que o Vasco não precisa mais de mim, não fico um dia sequer. O Vasco é associado comigo"

Treinador

"Não vou dar prazo, nem falar de perfil, pois se eu disser, saberão quem é. Quando eu escolher o treinador não haverá conversa, pois já estará definido. O treinador para vir para o Vasco tem que querer. Tem que saber que é uma honra dirigir o Vasco. Ponto. Não crio cargo de diretor executivo do Vasco. Ninguém está imune a minha reformulação, nem os outros profissionais, nem jogador. Ninguém está com a estabilidade garantida"

*Com informações da asessoria de imprensa

Publicidade
Publicidade