Publicidade
Esportes
NOVIDADE

Arena da Amazônia será palco da final do Amazonense de Futebol Americano

Final inédita entre Manaus Broncos X North Lions acontece na próxima quinta-feira, dia 22, às 20h, sendo a entrada 1kg de alimento ou um brinquedo. 13/12/2016 às 17:44 - Atualizado em 16/12/2016 às 17:59
Show  mcn0469
Equipes vão ficar frente a frente em um palco de Copa do Mundo e Olimpíadas (Foto: Mauro Neto / Sejel)
acritica.com* Manaus (AM)

Para comemorar os 10 anos do surgimento do Futebol Americano no Amazonas, o estádio que foi palco da Copa do Mundo e das Olimpíadas, vai abrir seus portões e dedicar seu gramados pela primeira vez o Manaus Bowl. A briga pelo título do estadual envolve um combate inédito entre Manaus Broncos X North Lions, e acontece na próxima quinta-feira, dia 22, às 20h, sendo a entrada 1kg de alimento ou brinquedo. O evento conta com o apoio do Governo do Amazonas, via Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel).

“Desde que eu entrei no movimento do FA nós jogamos em campos menores e vir atuar num gigante desses assusta um pouco, mas é um sonho que está se realizando e que está animando a todos. O dia 22, com toda certeza, será um dia histórico para o esporte”, comentou o presidente do Manaus Broncos, Renner Silva, ao frisar que aguarda mais de três mil pessoas para a decisão e que vai investir bastante em treinamento para se adaptar da melhor maneira à Arena da Amazônia.

“Atualmente, nós temos um local de treino específico, que fica no Núcleo 15 da Cidade Nova, e tudo que pudermos fazer para melhorar nossa adaptação, vamos fazer, pois é uma oportunidade única e queremos mostrar o nosso melhor”, comentou Renner, ao destacar dois jogadores do adversário que precisam ser batidos, o quarterback Binho e o running back Cadu. “Estamos estudando bastante o Lions, mas com toda certeza nosso foco é no Binho, que é muito inteligente, e no Cadu, que tem um talento nato para o esporte”, destacou.

Para o titular da Sejel, Fabricio Lima, a decisão do Manaus Bowl na Arena da Amazônia será cercada por muita curiosidade, mas também servirá de experiência para a administração do estádio. Além disso, a ideia do Secretário é democratizar a Arena, provando que o termo multiuso deve ser encarado com comprometimento e que rende bons frutos à população.

“Eu penso que a Arena da Amazônia é a casa do futebol, mas também pode ser de outros esportes. E a final do Estadual do Futebol Americano será um marco, e estamos fazendo todos os estudos e teremos todos os cuidados necessários para não agredir a grama. O Manaus Bowl será o último evento onde o gramado da Arena será utilizado e nosso engenheiro, após a competição, vai poder avaliar as condições do nosso campo e como podemos administrar este tipo de evento, com os do futebol, sem prejudicar os calendários e forçar o material”, disse Lima, ao afirmar que todos os alimentos e brinquedos arrecadados serão doados à entidades.

Para o presidente do North Lions, Lucas Alencar, o local da decisão foi recebido como um presente antecipado de Natal. E a missão, agora, é focar na conquista do primeiro título para a equipe. “A Arena foi um presente do secretário Fabricio Lima. Vamos trabalhar, panfletar e divulgar ao máximo para que dia 22 este estádio possa receber muitos torcedores e admiradores do futebol americano. O Broncos é um time bastante forte, mas queremos surpreender e estamos analisando o adversário a todo momento. Quem vier, vai gostar muito e espero que o evento conquiste mais adeptos”, destacou.

Para o experiente coach e quarterback do North Lions, Binho Menezes, esta não será a sua primeira atuação num estádio. Pelo contrário, em 2009, ele atuou pelo Cavaliers no antigo estádio Vivaldo Lima. A sensação nunca foi esquecida e a emoção deve se repetir novamente. Por isso, a ordem é aproveitar ao máximo a competição. 

 “Eu digo que é o mesmo local, só que de roupa nova. Já joguei no Vivaldo Lima e também na Vila Belmiro (Santos), onde tivemos acesso ao armário fechado do Pelé. Ou seja, é algo que fica na memória para sempre e há dez anos este livro do Futebol Americano vem sendo escrito e um novo capítulo começa novamente com a Arena da Amazônia. Os times tem números expressivos e parecidos, tanto de Touchdowns feitos e sofridos, e não existe um favorito. O Broncos surpreendeu por estar na final, mas mostrou sua competência e deve ser respeitado. E independente de quem ganhar, a nossa maior conquista é poder estar vivenciando isso”, destacou Binho.

Números

Em 2016, a decisão do 11ª Estadual comemora 10 anos do surgimento do Futebol Americano no Amazonas. O esporte iniciou em janeiro de 2006 com quatro times, sendo o extinto Manaus Hunthers, Cidade Nova Cavaliers (Manaus Cavaliers - Cavs), o extinto Monkeys e o Amazon Blackhawks.

Nesta temporada, seis times participaram do Amazonense, sendo Cavs (cinco vezes campeão), Amazon Black Hawks (três vezes campeão), Ajuricaba Warriors (uma vez campeão), Manaus Broncos (0 títulos), o North Lions (0 títulos), Lobos FA (0 títulos). Para a decisão, serão 60min divididos em 4 tempos de 15min.

Manaus Bowl 

O Manaus Bowl é organizado pela Federação Amazonense de Futebol Americano (FEAMFA). A competição é dividida em dois turnos, a melhor equipe vai direto para a final, 2º lugar vai para Semi Final, 3º lugar e 4º lugar vão para o Wild Card e o vencedor joga com o semi finalista, de onde sai o outro finalista para disputar o título. 

Curiosidades

O Amazonas é o primeiro Estado a jogar com equipamento completo (full pad,): capacete (helmet), ombreiras (shoulder pad) e caças com proteção. 

Esta não é a primeira vez que a decisão do Amazonense será num estádio da capital amazonense. Em 12 de dezembro de 2009, o Manaus Bowl ocorreu no antigo Vivaldo Lima, o Vivaldão, com o jogo entre Cavs x Black Hawks. Na época, o Black conquistou seu primeiro título.

O esporte

Futebol americano, conhecido nos Estados Unidos simplesmente como football, é um esporte de equipe e de contato que surgiu de uma variação do rugby e que recompensa a velocidade, agilidade, capacidade tática e força bruta dos jogadores que se empurram, bloqueiam e perseguem uns aos outros, tentando fazer avançar uma bola em território inimigo durante uma hora de tempo de jogo, que se transforma em três ou quatro de tempo real.

*Com informações de assessoria

Publicidade
Publicidade