Quinta-feira, 18 de Abril de 2019
publicidade
1.gif
publicidade
publicidade

Craque

Argentina e Holanda disputam nesta quarta-feira (09) uma vaga na final da Copa do Mundo

Com a Alemanha já aguardando, o jogo decisivo desta quarta-feira (09), em São Paulo, é um clássico mundial e tem tudo para entrar para a história das Copas


09/07/2014 às 11:41

Argentina e Holanda, uma partida que já foi a final de um Mundial, entram em campo nesta quarta-feira (09) em São Paulo para definir o segundo finalista da Copa do Mundo do Brasil, uma grande oportunidade para a atual geração de craques dos dois países. O argentino Lionel Messi, eleito quatro vezes o melhor jogador do mundo, deseja incluir seu nome definitivamente na lista dos grandes craques da história da Copa do Mundo. A Alemanha, que derrotou de forma surpreendente o Brasil por 7 a 1 ontem, no Mineirão, aguarda o vencedor do confronto.

O jogo desta quarta é um clássico mundial e tem tudo para entrar para a história das Copas. O técnico argentino, Alejandro Sabella, pretende fazer mistério sobre a escalação da equipe, na primeira semifinal de Copa da Argentina em 24 anos. Sabella terá do outro lado aquele que é apontado como o grande técnico do Mundial até o momento, o holandês Louis Van Gaal, e uma seleção com grande poder ofensivo, liderada por Arjen Robben e Robin van Persie, o que transforma o prognóstico da partida em algo imprevisível.

“Os dois times têm um pouco em comum: a maior virtude é a parte ofensiva. Por isso a parte tática é importante”, disse o lateral argentino Pablo Zabaleta sobre o jogo, marcado para as 17h na Arena Corinthians e que terá arbitragem do turco Cuneyt Cakir. O vencedor avançará para a grande final do próximo domingo, no Maracanã, Rio de Janeiro. Argentina-Holanda é um clássico das Copas, com quatro confrontos até agora, o principal deles a final de 1978, vencida por 3-1 pela Argentina em casa. No Mundial de 1974, a Holanda goleou a Argentina por 4-0 na segunda fase, em 1998 os holandeses voltaram a vencer, por 2-1, desta vez nas quartas de final, e em 2006 a partida, ainda pela primeira fase, terminou 0-0. Na Copa do Mundo do Brasil, a Albiceleste venceu a Bélgica por 1-0 nas quartas de final, enquanto a Holanda precisou dos pênaltis (4-3) para derrotar a Costa Rica, após o 0-0 no tempo regulamentar e na prorrogação. “A Argentina é uma equipe de nível mundial e merece estar entre os quatro melhores. Mas queremos enfrentar os melhores, e não apenas enfrentar, mas ganhar. Esta á a razão pela qual estamos aqui”, disse Dirk Kuyt.

Argentina

Sem conquistar uma Copa desde o título no México-1986, a Argentina sabe que está diante de uma grande oportunidade de reencontrar o caminho da vitória, mas para isto terá que vencer a atual vice-campeã mundial, que deseja acabar com a “maldição” dos vices - derrotas nas finais de 1974, 1978 e 2010.

“Temos que demonstrar que estamos à altura e que realmente queremos jogar a final”, afirmou o atacante Ezequiel Lavezzi, que foi titular nas oitavas e quartas de final, contra suíça e Bélgica, na vaga do lesionado Sergio Agüero. Sem contar com Ángel Di María, peça fundamental no ataque albiceleste, Sabella estuda várias opções e não descarta o retorno do esquema 5-3-2, o mesmo utilizado na estreia contra a Bósnia. Na partida contra a Bélgica, Di María foi substituído aos 30 minutos pelo volante Enzo Pérez. Mas o treinador também pode optar por Maxi Rodríguez. A única certeza é o retorno do lateral esquerdo Marcos Rojo, que cumpriu suspensão contra os belgas.

Não haverá marcação especial

O técnico da Holanda, Louis van Gaal, afirmou que sua equipe jogará contra a Argentina e não somente contra Lionel Messi e que, por isso, não haverá marcação especial no craque nas semifinais da Copa do Mundo, hoje, em São Paulo. “Estamos jogando contra a Argentina. Quando preparo meus jogadores, falo de equipes, não de individualidades. Temos um plano para jogar contra a Argentina”, explicou o técnico holandês, afastando a possibilidade de a Holanda armar uma marcação especial para Messi.

Apesar de tudo, Van Gaal reconheceu que Messi é um grande jogador e que o pequeno gênio argentino estará motivado para conquistar um título que ainda não tem. "Messi foi várias vezes eleito o melhor jogador do mundo e há razões para isso. O fato de ele fazer tantos gols dá a ele ainda mais importância. Ele quer mudar as coisas na seleção argentina e nós queremos pará-lo. É por isso que é um grande desafio”, completou Van Gaal. Para o técnico, não há um favorito na semifinal entre Argentina e Holanda. “Não vejo favorito. São duas equipes que estão no mesmo nível e os resultados neste Mundial provam isso. Há 50% de chances para cada lado. Esperamos que a sorte esteja conosco, que a moeda caia do nosso lado, como dizemos na Holanda”, concluiu o treinador.

O atacante Robin van Persie pode ser um importante desfalque para a partida de amanhã. Segundo o técnico, o jogador sofre de problemas intestinais, mas treinou com os companheiros e será dúvida até momentos antes do jogo.

publicidade
publicidade
Masters do Corinthians enfrenta Seleção Evangélica do AM na Arena em maio
Ball Cats vai em busca do título da Champions Ligay em Brasília
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.