Publicidade
Esportes
São Raimundo x Manaus FC

Artilheiro do São Raimundo, Americano é o 'matador' do Barezão

Responsável por seis, dos 12 gols marcados pelo São Raimundo no Barezão desde ano, Americano busca se isolar na artilharia do campeonato e de quebra fazer crescer na tabela o Tufão 05/10/2016 às 05:00 - Atualizado em 05/10/2016 às 10:02
Show asdd
Matador. Americano já anotou seis gols no Barezão (Foto: Antônio Lima/ Arte: Thiago Rocha) foto provisoria
Camila Leonel Manaus (AM)

William Olivares. Talvez por esse nome ele não seja tão conhecido, mas é só falar Americano, que todo mundo, principalmente a torcida do São Raimundo, saberá de quem se trata. Apesar do apelido  internacional, o paulista nascido em Limeira, ganhou o apelido quando se mudou para Americana, também em São Paulo. Em Manaus, porém, ele chegou com outro status, de rei, ou “o Rei da Várzea”, que remete a  campos de futebol onde se jogam as famosas peladas. E vem fazendo jus ao título de realeza que possui.

Com seis gols marcados, o jogador é o artilheiro do Barezão, chegando a marcar três gols no mesmo jogo, o primeiro “hat trick” da carreira dele. E nesta quarta-feira (5), às 20h contra o Manaus, no estádio da Colina, ele terá a chance de aumentar ainda mais a quantidade de gols marcados.

A fórmula para os gols, segundo ele, é simples: posicionamento. “Procuro me posicionar bem dentro da área para atacar a bola no momento certo”, disse.

Americano tem 33 anos e joga profissionalmente há dois – profissionalizou-se  aos 31 – uma idade tardia para quem joga futebol, já que geralmente os jogadores com essa idade  pensam em “pendurar as chuteiras”, mas para o atacante do Tufão, ainda tem muita coisa pela frente.

“O fato curioso é a idade que eu me profissionalizei, mas eu me sinto muito bem com a minha idade, me sinto um garoto ainda me cuido muito, tenho muito chão pela frente no futebol e graças a Deus conheci um treinador que já vinha me observando e acabou dando certo da gente trabalhar junto. E as coisas vêm acontecendo bem. Graças a Deus foi um inicio muito bom”, confessou.

História diferente

A história de Americano por si só já é um fato curioso. Ele começou a jogar nos campos do bairro Vista Alegre, bairro de Limeira, SP. Aos 20 anos defendia a camisa do Figueira Branca, time na terceira divisão do amador. Até que um fotógrafo o viu em ação nos campos do município. Nessa época, Americano já era conhecido como “rei da várzea”.

“Tem um fotógrafo em Limeira que cobre o futebol amador e sempre me viu jogar e me perguntou se eu já tinha jogado em algum time profissional. Eu disse que nunca tinha jogado em nenhum clube, então ele falou com Álvaro Gaia, treinador do Independente, e pediu uma oportunidade, aí fiquei um tempo em avaliação e assinei contrato aos 31 anos”, relembra.

Após a profissionalização. o jogador passou pelo independente de Limeira e pelo Operário, do Mato Grosso do Sul.

Bons ares

E parece que o Amazonas fez bem ao jogador. Adaptado ao clima, foi em terras barés que o jogador conseguiu marcar o seu primeiro hat-trick (três gols no mesmo jogo) contra o Princesa do Solimões. Americano disse que não pensa muito na quantidade de gols que marca numa partida, mas que se preocupa em ajudar a equipe.

Em branco

Apesar da artilharia, o São Raimundo não marca há duas rodadas. A última vitória do Tufão foi contra o Nacional Borbense, quando o time da Colina venceu por 6 a 2. Americano deixou o seu gol, chegando ao sexto tento, mas o título de “matador do Barezão” está ameaçado, já que Jefferson, do Princesa, chegou ao quinto gol no campeonato, justamente contra o São Raimundo, de Americano.

Apesar disto, a importância do jogador pode ser vista em números. O São Raimundo marcou 12 gols no Campeonato Amazonense e o atacante é o responsável por 50% dos gols do Tufão até aqui.

Mas além de se manter na artilharia, Americano e o São Raimundo precisam de gols para vencer o Manaus, já que uma vitória do Gavião  pode tirar o São Raimundo do G-4, já que as duas equipes estão separadas por apenas um ponto.

Publicidade
Publicidade