Publicidade
Esportes
Craque

Atacante amazonense aposta no futebol dos Estados Unidos para alcançar a glória

Talento baré nos EUA: MANAUS HOJE falou com o amazonense João Paulo, atacante que atua em time de "soccer" do estado norte-americano de Nova Jersey 09/06/2015 às 09:55
Show 1
Defendendo o Jersey Express, João Paulo já enfrentou o Cosmos do espanhol Raúl
Paulo André Nunes Manaus (AM)

Na busca por um lugar ao Sol no mundo do futebol, o atacante amazonense João Paulo Fonseca, 22, decidiu dar um passo arriscado, mas necessário na carreira: ir jogar nos Estados Unidos. Após se destacar nas categorias de base de Manaus, ele nunca conseguir se firmar profissionalmente por aqui.

O atacante defende há quatro meses o Jersey Express, equipe da cidade de Newark (no Estado de Nova Jersey) que disputa a PDL, liga com 65 times divididos em conferências e que revela jogadores para a Major League Soccer, a maior das ligas dos EUA. Sozinho em Newark, ele sofreu um duro golpe há quase 3 meses: uma fissura em um dos ossos do pé direito durante um treino. Ele só voltou aos gramados recentemente. “Vou entrando aos poucos até pegar ritmo. Minha força maior vem do Senhor Jesus que sempre me sustentou e me manteve firme. Minha motivação é mostrar que eu sou capaz. Só tenho que lutar. O pé agora está 100%”, conta ele.

João Paulo entrou no segundo tempo do empate por 1 a 1 do seu time contra o FA Euro, no último sábado. Não marcou gol, mas segue na caminhada por um lugar ao Sol na Terra do Tio Sam. “Aqui nos EUA é muito físico, muita correria, tecnicamente eles estão desenvolvendo ainda, mas é muita organização tática, e fora de campo também. Todos os campos são sintéticos. Tá sendo tudo bem diferente do que eu tinha visto até hoje. Os americanos são fora de série”, declara o jogador de 1,80m de altura e 69 kg.

Um dos jogos inesquecíveis dele pelo Jersey Express aconteceu há duas semanas quando o clube enfrentou nada menos do que o lendário time do New York Cosmos, do atacante Raul, ídolo histórico do Real Madrid. O jogo foi válido pela Copa dos EUA. Claro que ele não perdeu a oportunidade de fotografar junto com o consagrado atleta apesar do NY Cosmos ter aplicado 3 a 0 no seu time.

“Pô, o Raul é um cara sensacional. Uma lenda, um cara simples e humilde. O time deles é fora de série. Está entre os 3 melhores dos EUA juntando todas as ligas. Fomos eliminados por eles, mas, fizemos história por termos ido até a quarta fase, o que nunca havia ocorrido antes. Na Liga nós estamos bem na conferência pois a competição ainda está no início. Somos 4º lugar com 2 jogos a menos”, explica o atleta amazonense.

Retorno

Nascido em 29 de junho de 1992, o atacante atuou nas equipes do Nacional (onde foi revelado), Rio Negro, Tarumã, Fast, Tigres do Brasil (RJ) e Flamengo do Alegrete (RS).  Na categoria de base disputou a Copa São Paulo de Juniores em quatro oportunidades pelo time do Nacional. Profissionalmente, ele só atuou no Tarumã e Sul América. “Que nós jovens possamos um dia ser valorizados pelos clubes daí do Amazonas”, disse o goleador.

Crítica aos cartolas amazonenses

João Paulo tem até hoje uma ponta de tristeza dos dirigentes do futebol local pela forma que o tratavam por ser filho do empresário João Mendes da Fonseca Júnior, o Janjão, ex-secretário de esporte e lazer do Estado e que foi dirigente de times como Nacional, Cliper e Tarumã.

“Venci tudo em Manaus, fui artilheiro de tudo e muitos só me viam como filho do Janjão, o que é uma honra pra mim ser filho desse cara gente boa (risos). Mas não nesse sentido que eles viam. Isso não deixa de ser um preconceito. Sofri muito com isso aí na cidade”, declarou o jogador, que tem o rosto do pai tatuado na sua panturrilha direita.

Sua mãe é a ex-vereadora Cláudia Janjão. “Meus pais são meu suporte, meus amores, a razão de eu ser quem sou. Falo com eles todos os dias. Pra conquistar algumas coisas é preciso abrir mão de outras. Eles me incentivam bastante”, relata ele.

Língua e frio

Ele comentou que uma das maiores dificuldades nos EUA é a língua: “Há o frio também, se bem que já vai começar o verão. Mas, pra qualquer amazonense 20 graus já é frio”.

Desperdiçado

João Paulo foi revelado nas categorias de base do Nacional e chegou a defender o Leão da Vila em quatro Copas São Paulo, mas, jamais foi aproveitado profissionalmente pelo clube.


Publicidade
Publicidade