Terça-feira, 14 de Julho de 2020
NOVA FASE

Atacante do Manaus FC, Mateus conta sua rotina diante o isolamento social

Distante dos dois filhos e sem poder contar com a presença de outros familiares, Mateus detalha como supera a solidão em meio ao isolamento social



WhatsApp_Image_2020-06-29_at_10.02.02_58663B68-4A81-4947-9B7D-00CD584F98BF.jpeg Foto: Divulgação
29/06/2020 às 10:20

A vida de um jogador de futebol é cercada por incertezas e solidão. Primeiro, a incerteza de onde morar, jogar e até mesmo qual clima e cultura o esperam no próximo desafio. Depois, em alguns casos, os atletas precisam conviver com a distância de familiares para prosseguir com a carreira e o sonho de brilhar na modalidade. Com quase dez anos rodando o mundo pelo futebol, o atacante do Manaus, Mateus da Silva Oliveira, conta o que faz para se distrair, morando sozinho, nesse período de isolamento.

“Para minha distração, eu assisto série na Netflix, jogo muito vídeo game e, no período da tarde, pratico exercícios. Quase dez anos ‘na bola’, é comum a solidão. Meu filho estava comigo, mas teve que voltar para São Paulo. Já me acostumei com a vida ‘cigana’, é o que eu escolhi e pretendo ficar um bom tempo ainda fazendo isso”, contou o atleta que está no Manaus desde o Amazonense de 2019.



Desde o berço, boa parte dos meninos brasileiros convive com o projeto de se tornar jogador de futebol, onde precisam abrir mão de muitos momentos familiares e com amigos. Para conseguir realizar esse sonho, é necessário pagar um preço. De acordo com Mateus, é tudo para dar uma vida confortável para os filhos. Apesar de sempre estar distante das suas ‘crias’, o atacante dedica-se ao futuro das crianças. 

“Se meus filhos vêm pedir alguma coisa, eu posso dar para eles. Se eu pensar só em estar com eles e parar de jogar futebol, certeza que não teria condição para oferecer o que eles pedem. Quando jogava na Bélgica, eu e meus filhos quase não nos falávamos. Quando lá era dia, no Brasil era noite. Nesse período de isolamento consegui ficar um pouco com ele (em Manaus), pena que ele teve que ir embora”, explicou o atacante que se profissionalizou aos 23 anos no Inter de Bebedouro-SP. 

Perdas e 'aconchego'

Goleador e vencedor dentro de campo, o ‘M99’ perdeu familiares de sangue ao longo da vida. Apesar da dor da saudade, o jogador leva um sorriso quem contagia quem o cerca, com jeito ousado dentro de campo. De acordo com Mateus, a adaptação a Manaus foi tranquila.

“Já me acostumei com a cidade. Tenho um ano e alguns meses aqui, mas não sabemos o dia de amanhã. Hoje estou aqui no Manaus FC, daqui a dois ou três meses, já em outro lugar. Gosto muito de Manaus, mas como costumo dizer, hoje você serve, amanhã não pode servir. Ninguém sabe o dia de amanhã”, revelou o artilheiro do Manaus na Série D do Brasileiro de 2019.

Foco na série C

O Manaus representará o Amazonas na Série C do Brasileiro. Mesmo com todas as indefinições sobre a volta do futebol, o Esmeraldino retorna aos treinos a partir do dia 13 de julho. Para manter em forma, o atacante que realiza treinos no condomínio onde mora contou as expectativas para a competição. 

“Espero que volte mais rápido possível e que o nosso time volte como terminou antes da pandemia, com títulos, sequência de jogos e acima de tudo conseguindo bons resultados”, concluiu o atacante, que disputará a Série C pela primeira vez.

Repórter

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.