Publicidade
Esportes
TAEKWONDO

Jovens atletas de taekwondo do Amazonas treinam para competições em 2019

De olho nas Olimpíadas de Tóquio 2020, dois atletas da Associação Maquiné de Takwondo vão encarar a Copa América da modalidade em fevereiro 07/01/2019 às 13:38
Show ra  farias d4fe924c 6d39 42fe 8dfc 09c6749b0adc
Foto: Antônio Lima
Gabriel Ferreira Manaus/AM

A vida de atleta de alto rendimento é sempre intensa. Mal começou 2019 e os faixas preta de Taekwondo da Associação Maquiné, Raí Farias e Ítalo Gomes, estão na luta diária com preparação para 12ª Copa América de Taekwondo, que ocorre no dias 14 e 15 de fevereiro na cidade de São Paulo, e as demais competições ao longo do ano: Campeonato Amazonense, Campeonato Brasileiro e o Aberto de Taekwondo da Argentina.

Todas essas competições são importantes para a pontuação dos atletas no ranking nacional da categoria. O atual bicampeão da Copa América, Ítalo Gomes, comentou sobre o desejo de conseguir o terceiro título na competição. “Pra quem gosta de competir é uma sensação ótima, porque a gente sabe que lá só vai estar os melhores de cada estado e de alguns países vizinhos. E eu continuo treinando forte pra buscar ser campeão pela terceira vez”, disse o atleta.

Ítalo também comentou sobre a rotina de treinamentos para encarar mais um desafio nacarreira como taekwondista. “Estou treinando todo dia pesado, terça, quinta e sábado estou treinando na academia de musculação para fortalecer os músculos e dia de segunda, quarta e sexta treino específico de taekwondo para competição”, explicou.

Com a bandeira do Amazonas na bagagem, Ítalo vai com tudo para defender o título e a força da arte marcial no estado. “É uma sensação ótima, ir  para competição mais uma vez e em poder mostrar o taekwondo do nosso estado, mostrar que aqui no nosso estado do Amazonas esse esporte é muito forte. E estar na Copa América é um grande privilégio”, comentou.

Sonhos e realizações

De olho nas Olimpíadas de Tóquio 2020, os atletas miram competições importantes como o Amazonense no mês de março, Campeonato Brasileiro em agosto e o Aberto da Argentina, um torneio primordial para conseguir o índice olímpico. 

O estreante na Copa América Raí Farias, que também vai representar o Amazonas, falou sobre a rotina de treinos. “Pela manhã eu faço uma corrida de trinta minutos a uma hora, pela tarde faço fortalecimento na academia, musculação. E a noite eu treino técnicas e resistência. E também tenho acompanhamento nutricional, com uma alimentação regrada todos os dias”, disse.

Com tantas metas a serem alcançadas, Raí vive um momento de realização com a oportunidade de ir disputar pela primeira vez o cobiçado título brasileiro de taekwondo. “A sensação é ótima, saber que um fruto do seu trabalho poderá ser visto em uma competição nacional, onde reúne os melhores atletas do Brasil nas suas categorias”, disse.

O jovem Raí também comentou sobre a principal meta  para este ano. “Meu objetivo esse ano é  participar das competições importantes pra pontuar no ranking nacional, trazer medalhas pro estado, e conseguir vaga para o Grand Slam de 2020, que é a seletiva para formar a seleção brasileira”, disse. 

Inspiração

Inspirado no pai faixa preta de taekwondo, Itamar Vieira, o jovem Ítalo Gomes desde os 5 anos de idade pratica a arte marcial. “Eu comecei muito cedo. Sempre via meu pai treinando e lutando, por isso me interessei e tô lutando até hoje. O meu pai também é professor de jiu jitsu”, comentou. 

 Aos 18 anos, Ítalo Farias carrega um bom currículo como o atual bicampeonato da Copa América e a conquista do brasileiro em 2016. Diante de grandes conquistas o taekwondista revelou os objetivos para 2019. “Meu principal objetivo é ficar entre os três melhores colacados na categoria esse ano, já que o ano passado fiquei entre os dez melhores na modalidade”, disse.

A batalha dos dois jovens promissores do taekwondo amazonense é árdua e cheia de desafios, mas nada pode impedir Raí Farias e Ítalo Gomes de seguir os seus sonhos no esporte. “A questão financeira as vezes aperta um pouco. Tem dia que não vou pro treino por falta de passagem. E tem a falta de patrocínio, mas eu continuo na luta pra realizar meus sonhos, e quem sabe um dia chegar a disputar as olimpíadas”, comentou Raí. 

Publicidade
Publicidade