Publicidade
Esportes
MEDALHAS

Atletas indígenas do Amazonas faturam três ouros no Brasileiro de Tiro com Arco

Arqueiros do Ctara fazem parte da Seleção Brasileira e, após a competição no Rio de Janeiro, buscam a classificação para a Olimpíada de 2020 19/11/2018 às 11:07
Show 3 ab9fa2cd 93b8 4b8a bcc7 463d220464b8
Foto: Divulgação
acritica.com* Manaus (AM)

Fechando com chave de ouro a 44ª edição do Campeonato Brasileiro de Tiro com Arco, os arqueiros indígenas do Centro de Treinamento e Alto Rendimento da Amazônia (Ctara) deram um show na competição e conquistaram neste fim de semana (17 e 18), em Maricá (RJ), três ouros para o Amazonas.

Drean Braga (Iagoara, em kambeba), Nelson Moraes (Inha, em kambeba), Gustavo Paulino (Ywytu, em karapãna) e Graziela Paulino (Iacy, em karapanã), que são os responsáveis pelas medalhas, sagraram-se campeões nas categorias Adulto Masculino, Duplas Mistas e Individual Masculino.

Realizado pela Confederação Brasileira de Tiro com Arco, a competição reuniu 155 atletas de todo o Brasil, e o Amazonas teve sua primeira conquista no sábado (17), na categoria Adulto Masculino. Na ocasião, os arqueiros amazonenses venceram a disputa contra o time da casa, Arqueiros da Íris, e garantiram o mais alto lugar do pódio.

As outras conquistas foram confirmadas nesse domingo (18), com a vitória dos irmãos indígenas Gustavo e Graziela Paulino, que ganharam o primeiro lugar na categoria Duplas Mistas. Finalizando a competição, mais um pódio para o Amazonas com Drean Braga, na categoria Individual.

Com dois ouros, sendo um na competição por equipes masculina e um em parceria com sua irmã, na categoria dupla mista, o arqueiro indígena Gustavo Paulino, de 21 anos, disse estar muito satisfeito com essa conquista.

“Ter conseguido o resultado de dois ouros é uma sensação de dever cumprido. Treinamos duro e, no momento em que atiramos a última flecha e soltamos a respiração sabendo que conseguimos o título brasileiro, faz vermos que todo o esforço que fizemos não foi em vão. Alegria é a definição de poder levar mais esse titulo para o Amazonas”, afirmou.

Preparação

Para o técnico dos arqueiros, Aníbal Fortes, a preparação da equipe para a competição se intensificou mais nas últimas três semanas.

“Os atletas dessa modalidade nunca tem férias e só param no fim do ano. Como temos muitas competições, buscamos sempre estar num nível alto de treinamento para poder ter um aproveitamento máximo. Para os bons resultados, os fatores primordiais são o trabalho sério e a dedicação dos atletas”, disse.

Aníbal complementa, falando que, ao seu ver, a disputa mais acirrada foi na categoria por equipes masculina.

“Nesta prova, atletas entram e saem da linha de tiro, então deve haver uma sincronia muito grande entre eles e isso dificulta mais a disputa, por conta da troca de posições na linha de tiro, que deve ser alternada obrigatoriamente. Mas deu tudo certo e conseguimos este ouro para o Amazonas”, concluiu.

Acompanhamento

Os arqueiros possuem estadia e fazem treinamento na Vila Olímpica de Manaus (bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste). Lá contam com acompanhamento especializado, por meio de uma equipe multidisciplinar do Ctara, que inclui fisoterapeutas, massoterapeutas, psicólogos, educadores físicos, entre outros profisisonais que auxiliam no desenvolvimento dos competidores de alto rendimento.

Experiência

Este ano, os atletas assinalaram sua quinta participação na competição. Ao todo, a equipe já soma seis medalhas em Brasileiros, sendo um ouro, duas pratas e três bronzes, todos conquistados entre os anos 2015 e 2017. Em 2018, o saldo de medalhas aumenta para nove, com a inclusão de três ouros.

Além desse campeonato, os arqueiros já possuem uma vasta experiência em eventos nacionais e internacionais, como o Mundial da Modalidade, em 2017, e os Jogos Sul-Americanos de Cochabamba 2018. Diante das conquistas, eles ainda fazem parte da Seleção Brasileira de Tiro com Arco e já estão focados para garantirem a classificação na Olimpíada de 2020, em Tóquio.

Arquearia indígena

O projeto Arquearia Indígena foi criado pela Fundação Amazonas Sustentável (Faz), no ano de 2013, e tinha como principal objetivo a promoção e valorização da arquearia, unido ao fortalecimento da cultura das populações indígenas. A ação é uma iniciativa feita em parceria com o Banco Bradesco, a Federação Amazonense de Tiro com Arco (Fatarco) e apoio da Confederação das Organizações e Povos Indígenas do Amazonas (Coipam), da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab) e Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel).

*Com informações da assessoria de imprensa.

Publicidade
Publicidade