Publicidade
Esportes
DECISÃO

Por vaga nas oitavas da Copa, seleção brasileira enfrenta a Sérvia nesta quarta (27)

Bola aérea é a principal preocupação do técnico Tite. Treinador brasileiro foi criticado pelo capitão sérvio, Aleksandar Kolarov, por divulgar a escalação 24 horas antes do duelo: "Talvez eles tenham nos subestimado" 27/06/2018 às 01:42
Show ti
Tite confirmou "quarteto fantástico" contra a Sérvia (foto: Lucas Figueiredo/CBF)
Denir Simplício Manaus (AM)

“É a mesma”. Sim, o Brasil que decidirá a vida na Copa do Mundo da Rússia é o mesmo que sofreu até os minutos finais para superar a Costa Rica, na semana passada. A confirmação do “quarteto fantástico” - formado por Phellipe Coutinho, Willian, Neymar e Gabriel Jesus - foi feita pelo técnico Tite 24 horas antes do confronto com a Sérvia, marcado para às 14h (horário de Manaus), desta quarta-feira (27), no estádio do Spartak, em Moscou. O jogo válido pela terceira e última rodada da fase de grupos pode dar aos brasileiros o primeiro lugar da chave, assim como o segundo posto ou até mesmo a eliminação precoce no Mundial.

Velho rival, novo nome

Quem não se liga muito em questões geopolíticas não deve se dar conta de que o rival da Seleção nesta quarta-feira, na verdade, é um velho conhecido. E sim, já fomos eliminados de uma Copa do Mundo por eles. A Sérvia de hoje, que um dia já se chamou Iugoslávia, despachou o time canarinho no primeiro Mundial disputado no Uruguai, em 1930.

Nossa Seleção só veio se vingar em 1950, em casa. Depois disso os demais confrontos em Copas terminaram empatados, nos Mundiais de 1954 e 1974. O que mostra que o nome da seleção deles mudou, mas o futebol continua sendo perigoso.

Tite preocupado com jogo aéreo sérvio. Foto: André Mourão/Mowa Press

Em coletiva na tarde de ontem, Tite falou do adversário da Seleção, que deverá usar jogo aéreo para tentar a vitória e, consequentemente, a classificação contra o Brasil.

“(A Sérvia) tem a característica, sim, de bola aérea ofensiva, mas também a qualidade técnica individual. Jogadores de alto nível também. Temos a condição de poder neutralizar, evitar situações próximas, de faltas laterais, encurtar ou bloquear, e tirar proveito de alguma situação. Uma altura maior vai perder alguma coisa, a vida é assim. Estrategicamente vamos buscar”, comentou o treinador.

Eliminado da Libertadores pelo desconhecido Tolima, da Colômbia, quando comandava o Corinthians, Tite foi questionado durante a entrevista se a Sérvia poderia ser o “novo” Tolima, em sua trajetória.

“Pode. Todas as situações são possíveis. E eu não as descarto”, salientou o técnico.

Emocional da Seleção

Muito se falou da questão emocional da Seleção Brasileira após a suada vitória contra a Costa Rica. Exemplo disso foi o choro de Neymar ao final do duelo que marcou a primeira vitória do Brasil na Rússia. 

Tite confessou que também chorou logo depois de sua estreia no posto de técnico da Seleção, ainda nas Eliminatórias contra o Equador e aproveitou para defender Neymar.

“Quero colocar para toda nação brasileira, estou num posto. No primeiro jogo contra o Equador, o Tite chorou quando acabou o jogo. Repito: Tite chorou. Eu chorei de alegria, de satisfação, porque é nossa característica emocional. Chorei de prazer, orgulho, momento de tanta pressão que estávamos, conseguimos fazer um grande jogo. Tenho muito cuidado em fazer as coisas, estou mostrando um outro lado, de técnico que tem emoção também”, revelou.

Neymar está evoluindo fisicamente, segundo Tite (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Por fim, Tite evitou falar sobre um possível confronto com a Alemanha nas oitavas de final da Copa. “Não podemos pensar nisso e não estamos pensando. A equipe se fortalece dentro da competição. Estrategicamente, estou procurando palavras do vocabulário para criar uma descontração, para que a situação possa fluir de forma tranquila. Mas não estou tranquilo, a expectativa é muito alta. Tem a qualidade da Sérvia, os méritos deles”, concluiu.

Sérvios na bronca

Mesmo 24 horas antes da “decisão” entre brasileiros e sérvios, o clima já esquentou. Durante coletiva de imprensa pré-jogo, o  capitão da seleção da Sérvia, Aleksandar Kolarov, criticou o fato do técnico Tite ter revelado a escalação brasileira um dia antes do jogo.

“Talvez eles tenham nos subestimado, não sei. Acho que há questões mais sérias a refletir agora. Talvez eles estejam nos provocando, não sei. Ele disse a Seleção titular, pode ser uma tática dele, acho que eles devem estar prontos, mas de qualquer forma, espero que eles estejam nos subestimando, mas não tenho certeza”,  disse Kolarov, que também deu “pitaco” no rodízio de capitães na Seleção Brasileira.

Kolarov acha que Tite subestimou a Sérvia. Foto: EFP

“Em relação ao revezamento de capitães, acho que se eles gostam disso, tudo bem. Na minha opinião, acho que tem de saber qual é o capitão de uma equipe”, apontou o lateral. Jogador da Roma, Koralov também teceu elogios ao elenco canarinho. O capitão sérvio falou sobre Willian, mas afirmou conhecer os homens de frente do Brasil.

“Eu já joguei várias vezes contra Willian, conheço muito bem ele, é um jogador de primeira. Talvez esteja na sua melhor temporada, mas o Brasil não é só Willian ou Neymar, há muitos outros”, comentou Koralov afirmando que o duelo com os brasileiros será o jogo de sua vida.

O zagueiro Miranda será o capitão da seleção no duelo contra a Sérvia. Foto: Lucas Figueiredo/CBF

“Essa é a partida mais importante da minha carreira, e é assim que vou enfrentá-la. Os jogadores jovens e experientes sabem da importância do jogo, sabemos que é uma oportunidade única na carreira para brilhar. Será um ambiente perfeito, e você quer dar tudo de si. Alguém já disse que você pode ser o melhor jogando contra um adversário fraco, mas pode ser melhor com fortes”, finalizou.

Publicidade
Publicidade