Segunda-feira, 22 de Julho de 2019
Ajustes

Bruna Benites fala sobre ajustes para a final contra a Itália

A capitã da seleção avaliou o último jogo do Brasil e falou sobre preparativos para a decisão



bruna.jpg A zagueira é capitã da Seleção Brasileira (Foto: Reprodução Internet)
18/12/2016 às 01:15

Antes mesmo da primeira partida contra a Itália, na quarta-feira (13), o Brasil já esperava um jogo duro. A expectativa foi justificada com a Azzurra fazendo jus à fama retranqueira da escola italiana e para domingo, a expectativa é de mais jogo truncado pela frente, principalmente se tratando de disputa de título. A capitã Bruna Benites falou sobre o que esperar para a partida deste domingo e espera que o Brasil consiga mais uma vitória para coroar a despedida da companheira de equipe, Formiga.

“A Itália tem um jogo mais truncado, mais duro de marcação e até então a gente não tinha enfrentado um adversário com essas características. A Rússia também é um adversário importante, mas eu acredito que a forma de jogar da Itália foi mais complicada para a gente porque elas fizeram em um determinado momento uma linha de cinco e ficou difícil a gente passar. Elas assistiram nossos outros jogos, então acabaram vendo que a gente tinha muita opção de saída de jogo e elas marcaram isso então dificultou bastante, mas final é sempre final. Jogo novo e da mesma maneira que elas estudaram a gente a gente já tem um pouquinho a mais sobre elas, viu como elas se comportam em campo. Desde ontem (sexta) a gente vem treinando para achar os espaços dentro de campo porque isso é o que é difícil. Jogo de final não tem favorito. Acredito que vai ser até mais difícil do que o último jogo e a gente tem trabalhado bastante para sair com a vitória e coroar a despedida da Formiga com um titulo que ela merece e toda a população de Manaus também merece”, disse.

Zagueira, Bruna também falou de mudanças de postura na defesa da Seleção ,que passou alguns sufocos com os rápidos contra-ataques italianos no jogo, dando trabalho para a goleira Bárbara.

“Tivemos esse problema com o contra-ataque, mas trabalhamos ontem para tentar corrigir esse posicionamento. Fizemos a nossa linha defensiva jogando um pouquinho mais baixo, porque no jogo estávamos jogando mais alto e também esperando a enfiada de bolas. Mas acredito que o principal problema foi que a gente foi passivo no ataque de deixar a bola sair. Não tinha pressão na linha defensiva delas e isso dificultou, mas a gente treinou para tentar corrigir esse defeito”, explicou.

Outro ponto que a jogadora acredita que estará ao favor das jogadoras foi o tempo para o descanso. Na quinta-feira (15), as jogadoras tiveram folga e só voltaram às atividades na sexta (16). Isso pode fazer a diferença na seleção que apresentou um certo desgaste na última partida.

“O nosso terceiro jogo foi o jogo que a gente já estava mais desgastada fisicamente e isso fez alguma diferença dentro do jogo. Acredito que para esse jogo a gente vai estar com um postura diferente. A gente teve dois ou três dias a mais pra descansar e acho que isso vai fazer diferença”, avaliou.

Brasil e Itália se enfrentam às 16h45 deste domingo na Arena da Amazônia para decidir quem leva o título da Copa Caixa de Seleções. Antes, Costa Rica e Rússia decidem o terceiro lugar. As russas possuem a vantagem do empate. Os ingressos estão à venda na Arena Amadeu Teixeira, ao lado do estádio e custam R$60 (inteira) e R$30 (a meia). Levando 1 kg de alimento não-perecível, é possível obter a meia entrada.

 

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.