Publicidade
Esportes
Craque

Cambistas oferecem ingressos para Botafogo e Flamengo com quase 300% de aumento no valor

Com ingressos para o clássico carioca esgotados no primeiro dia de venda na bilheteria, em Manaus, os cambistas oferecem ingressos na internet com valores até 300% superior. A partida será realizada na Arena da Amazônia 16/10/2014 às 11:21
Show 1
Bilhetes para Botafogo e Flamengo esgotaram na segunda-feira. Teve gente que passou o dia na fila, mas saiu de mãos vazias
Kelly Melo ---

Se comprar ingresso na bilheteria da Arena Amadeu Teixeira ou pela internet, para o jogo entre Botafogo x Flamengo - que acontece no próximo dia 25 na Arena da Amazônia - foi uma “dor de cabeça”, por conta das filas quilométricas que se formaram no complexo, ou pela lentidão na internet, os torcedores que ficaram sem seu bilhete para o duelo viraram reféns dos “meios alternativos”.

Como os ingressos para o clássico carioca esgotaram no primeiro dia de venda na bilheteria, os cambistas invadiram as redes sociais na internet para oferecer ingressos que inicialmente custavam R$ 80 por até R$ 350.

Apesar de não haver uma legislação que classifique o cambismo como crime, para a Comissão de Defesa do Consumidor da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-AM) a ação de cambistas configura uma atitude criminosa. “Esse tipo de atitude é abusiva e induz o torcedor ao erro. A população tem que boicotar essas formas de comércio porque é uma atuação imoral”, destacou a presidente da Comissão, Rosely Fernandes.

Nesta quarta-feira (15), em grupo e comunidades de compra e venda virtuais como o “Classificados Manaus”, no Facebook, o MANAUS HOJE encontrou internautas negociando ingressos com preços abusivos.

Por telefone, um cambista chegou a afirmar à reportagem que dos 30 ingressos que possuía, só 10 ainda estavam disponíveis para venda. “Todo mundo está me procurando. O telefone não para de tocar”, disse o homem. Ele possuía entradas para o anel inferior e superior da Arena e estava vendendo os tickets de R$ 250 a R$ 350. O pagamento poderia ser feito em dinheiro ou até em cartão de crédito.

Fernandes classificou o cambismo semelhante ao estelionato e ressalta que a pena para essas casos pode chegar a dois anos de detenção. “O Ministério Público também precisa agir nesses casos, porque essa prática já se tornou uma cultura nos eventos em Manaus”, destacou.

Publicidade
Publicidade