Publicidade
Esportes
Craque

Campeão brasileiro de futebol americano, amazonense Talyson ‘Katolé’ mira seleção brasileira

Com contrato renovado no atual clube, o manauara veio à sua cidade natal para passar as festas de fim de ano e conversou com a reportagem do CRAQUE 27/12/2015 às 16:00
Show 1
Jogador começou a carreira no Cavaliers, de Manaus, e hoje é titular no campeão nacional Timbó Rex
Felipe de Paula Manaus (AM)

Primeiro atleta amazonense a se profissionalizar no futebol americano, Talyson “Katolé” Bisneto deixou família, amigos e a ideia de iniciar uma faculdade em Manaus para seguir o sonho de viver do esporte num país ainda sem tradição na modalidade. Após a conquista do Torneio Touchdown, principal campeonato brasileiro da modalidade, pelo Timbó Rex, de Santa Catarina, o jovem wide receiver (posição dos jogadores mais velozes) provou estar no caminho certo.

Com contrato renovado no atual clube para o ano que se incia na próxima semana, o manauara veio à sua cidade natal para passar as festas de fim de ano ao lado da família e aproveitou para conversar com a reportagem do CRAQUE sobre a temporada de 2015, na qual foi ainda vice-campeão catarinense no início do ano, pelo Istepôs. Perdeu na final justamente para o Timbó Rex, que em seguida o contratou para disputar o torneio nacional e mais importante da modalidade no Brasil.

Ainda sob o efeito da conquista invicta – foram dez jogos e dez vitórias no torneio Touch Down – Talyson comentou a sensação de se tornar campeão nacional numa modalidade que até pouco tempo atrás nem ele mesmo conhecia, mas da qual já se tornou um grande talento brasileiro. “Não tem explicação, sabe... foi demais!”, resume ele, ainda sem palavras para descrever o feito.

Agora, a meta do atleta amazonense é conquistar uma chance na seleção brasileira da modalidade. “Agora o modo de convocação está mais criterioso, não tem mais panelinhas. Acho que terei mais chance”, disse ele, que já recebeu proposta de outros times, mas não arreda o pé do T-Rex brasileiro. “É a melhor equipe do Brasil, né?”, justifica.

Mas para se tornar “a melhor equipe do Brasil”, o Timbó Rex teve de passar pelo Vasco Patriotas na final do torneio. A equipe do Rio de Janeiro foi o carrasco do time catarinense no ano passado, quando uma batalha épica, terminada em 24 a 22 para o Vasco, deu o título de campeão nacional aos cariocas.

Dessa vez, no entanto, os Rex não deram nem chance aos Patriotas, aplicando um verdadeiro massacre no adversário: 28 a 9. Mas se a final teve gosto de passeio, a seminfinal contra o Flamengo teve tudo o que se pode esperar de uma grande partida desse esporte que tem crescido cada vez mais no País e encantando as novas gerações de amantes do esporte.

Logo no primeiro dos quatro tempos do jogo, o Flamengo abriu 14 a 0 com dois touchdowns (pontuação máxima do futebol americano). No entanto, com cinco bolas recuperadas pela defesa do T-Rex, o Timbó conseguiu a virada nos minutos finais da partida e garantiu a vitória com três touchdowns e uma conversão extra de dois pontos.

Mas, como na vida, no esporte nada é por acaso, e Talyson explica o que levou o time de Timbó ao título. “Nós treinamos na chuva, no sol, na lama e no frio. Superamos nosso limite. A gente jogava cada jogo como se fosse o último e demos a vida em cada um daqueles jogos. A ficha ainda não caiu”, disse ele. “É uma conquista de cinco anos de trabalho”, finalizou.

Publicidade
Publicidade