Publicidade
Esportes
UNIÃO E AMOR

Campeão de dardo do AM que vive em São Paulo aproveita o Natal em família

O Natal é um momento especial para a família de Brendow, que fica completa com a presença do atleta e muito unida 24/12/2018 às 09:06 - Atualizado em 25/12/2018 às 15:34
Show fam lia capa 972f8b6f 4257 4aea 9e83 01e638e26c9c
Fotos: Antonio Lima
Jéssica Santos Manaus (AM)

O paratleta amazonense de lançamento de dardo, Brendow Christian, é um fenômeno do esporte paralímpico. Atualmente, líder do ranking Brasileiro e também das Américas, ele é deficiente visual (classe F12), faz parte do time do Sesi - São Paulo há três anos, vive longe da família, mas, o campeão retorna todos os anos a Manaus, na época natalina, para ficar juntinho das pessoas que mais ama e recarregar as baterias para mais um ano de treinos, competições e recordes.

“O natal é o momento em que eu posso abraçar a minha família, sentir o carinho que sei que é verdadeiro, da minha família, que sempre me apoiou. Nós nunca tivemos grandes condições financeiras, mas o que sempre importou foi o amor, o carinho, a dedicação entre nós”, destacou.  

Festa dupla

Para boa parte das pessoas, o natal é uma data esperada e querida, e para a família do lançador de dardos, é ainda mais especial, não apenas porque é tempo de ter Brendow por perto, mas porque a matriarca da família faz aniversário na véspera do natal. “É um momento família mesmo. Então a gente comemora muito juntos, na casa da minha avó, ela é uma segunda mãe para mim”, relata Brendow. 

Este ano, sua mãe-avó, Maria das Graças, fará 67 anos, e conta que ama o natal. “O natal é com a família toda. Tenho seis filhos e oito netos, e sempre fazemos uma festa, ceia, amigo oculto,e como é meu aniversário festejamos tudo junto, é uma festa só. Sempre tem bolo e ter o Brendow conosco faz do natal algo muito especial, é minha felicidade porque, quando ele está longe, eu me preocupo muito”, disse Maria das Graças. 

Brendow foi criado por ela durante alguns anos da infância dele, e ela ressalta que o rapaz sempre foi muito ativo. “Acompanho a carreira dele desde o início; ele sempre foi assim, gostava de todas as modalidades, gostava de competir; até mentia dizendo que tinha prova e, na verdade, estava competindo com os outros”, relembra a avó.

Agora, com ele por perto, ela expressa tudo que sente pelo campeão. “Amo demais esse menino, é difícil fica longe dele, mas nos comunicamos todo tempo”, afirma. 
 

Pertinho da mãe também 

Apegado à família, Brendow faz questão de estar sempre junto quando está em Manaus na época do natal e fim de ano. O atleta aproveita seu tempo para seguir treinando, mas também para ajudar sua mãe na venda de refeições que ela tem na Bola da suframa. “É uma forma de eu ficar perto dela durante o dia; venho ajudar, ajudo a servir, a lavar louça, a falar com os clientes, e cresci assim, não tenho problema nenhum de vir ajudar minha mãe, estar perto dela é a intenção”, explica.

Para a mãe de Brendow, Cleonilse Vasconcelos, a chegada do natal representa tranquilidade. “É muito difícil passar o ano longe dele, apesar da gente se falar todo dia; sei que ele passa dificuldades em São Paulo com muitas atividades e a baixa visão dele, mas temos que estar confiantes, pois ele é um rapaz que tem muitos sonhos, é determinado, e isso me dá segurança... Mas quando ele chega para o natal é uma alegria muito grande; ele é um filho muito amigo, exemplar, tenho dois filhos e nenhum me dá trabalho”, disse ela. Sua mãe também adora o natal porque ele tem o poder de reunir todos. “Natal é um presente De Deus, é a união entre minha família, é tudo”, resume.

Distância

Brendow disse que não foi coisa de outro mundo ir morar em São Paulo (SP) porque desde cedo aprendeu a ser independente. Apesar disso, em certos momento a distância é difícil. “Quando bato um recorde, ganho uma competição, e não tenho um abraço, alguém para comemorar, é  complicado”, disse.

Ano bom, futuro perfeito

2018 foi um ano de altos de baixos para Brendow. Se por um lado, o atleta conquistou o ouro no Campeonato brasileiro e no Pan-americano universitário – mais momentos brilhantes para sua carreira, momentos que o tornam o líder do ranking brasileiro e das Américas e 10º colocado no ranking mundial – por outro, ele precisou operar seus dois joelhos, pois sofreu ruptura total do menisco lateral do joelho direito,  e tinha um  cisto no menisco lateral do joelho esquerdo. Sem problemas, pois  ele afirma que está se recuperando aos poucos, e pensando nos próximos objetivos. “Meu foco será o Parapan Americano em Lima, no Peru e o Mundial de atletismo em Dubai, em 2019, e os Jogos Paralímpicos, em 2020, se Deus quiser”, disse Brendow.

O paratleta é representante do Sesi (SP) desde 2016, e conta que se sente orgulhoso e confiante por fazer parte do time de um dos grande clubes do país. “Treinar no Sesi (SP) é um sonho para mim; é a construção de um sonho, na verdade, porque meu sonho maior é chegar numa Paralimpíada, ser campeão paralímpico”. Se Brendow chegar aos Jogos, será o primeiro atleta da sua classe (F12) a chegar às Paralimpíadas. “É um sonho muito grande e um trabalho grande que tenho pela frente”.

Para alcançar seu sonho, ele busca apoio de empresários no Amazonas para que possa participar de mais competições internacionais. “Não espero conseguir apoio público, pois só tomo chá de cadeira; por dois anos seguidos era para eu viajar para os Estados unidos, e não fui por falta de passagem, então espero encontrar pessoas que acreditem em mim e apoiem de verdade. Às vezes, é muito difícil, queremos desistir, mas lembro que tenho que lutar, pois tenho um sonho que é maior que qualquer dificuldade”.

Publicidade
Publicidade