Terça-feira, 30 de Novembro de 2021
Inédito

Campeão inédito! Manauara vence Operário nos pênaltis e é campeão da Bêzinha

No tempo normal, o placar foi de 0 a 0. Na prorrogação, cada uma das equipes marcou um gol. Já nas penalidades, o Robô levou a melhor, fazendo 4 a 2



WhatsApp_Image_2021-11-17_at_18.32.44__1__B1559FA8-A4B9-4626-B59A-E6379FCE35BB.jpeg Foto: Gilson Melo
17/11/2021 às 19:17

Na tarde desta quinta-feira (17), na Arena da Amazônia, a segunda divisão estadual conheceu o seu campeão na edição 2021. O Manauara EC, estreante na competição, bateu o Operário nos pênaltis, pelo placar de 4 a 2. As equipes ficaram no 0 a 0 no tempo normal, mas Marcelinho abriu o placar para o Sapão e Abner empatou para o Robô, ambos na segunda etapa da prorrogação.

O primeiro tempo da grande final da Bêzinha não foi dos melhores. As duas equipes - embora com bastante vigor para as divididas - não conseguiram criar grandes chances. Em jogo altamente burocrático, o tom da partida foi dado antes do primeiro minuto, com a primeira dividida rendendo um precoce atendimento ao atacante do Operário, Samuel, que foi atropelado pelo defensor do Manauara em um disputa no lado direito de ataque. A sequência do lance não levou perigo, mas subiu a temperatura das equipes em campo. 



Com pelo menos 15 minutos de ampla posse de bola do Manauara, mas sem efetividade, o Operário conseguiu pouco a pouco equilibrar as ações. Após a parada para hidratação, o time de Manacapuru dominou amplamente as ações. Com boas movimentações de um ataque mais móvel, a equipe criou ao menos quatro chances que assustaram a meta defendida por Gabriel, arqueiro do Manauara.

Tudo igual

A tônica da etapa complementar continuou a mesma: equipes mantendo a temperatura alta em jogadas ríspidas, que deixavam o jogo uma ‘batata quente’ para a equipe de arbitragem, que manteve o controle da partida. 

Buscando alterar o panorama da partida, o treinador João Batista colocou Marcelinho. O experiente meia entrou em campo e deu fôlego novo ao Sapão. Saiu dos pés dele a principal chance da equipe, aos 43 minutos. Mas todas as emoções - e gols - ficaram mesmo para a prorrogação, tendo o camisa 84 como um dos protagonistas.

Gols na prorrogação

Embora a primeira etapa da prorrogação tenha sido monótona, as equipes prepararam um espetáculo nos últimos 15 minutos. No primeiro deles, Marcelinho recebeu bola vinda pelo lado esquerdo e, com a categoria que o consagrou no leste europeu, o meia conferiu o gol.

Como num roteiro de tragédia ‘shakespeariana’, o Manauara deu um ponto final à euforia do Sapão e instalou na Arena um clima tênue de aflição e ansiedade. Aos 10 minutos, Abner - revelação do clube no campeonato - recebeu na entrada da área e, em um chute rasteiro no canto, superou o goleiro Victor. 

Robô campeão!
Nas cobranças de pênaltis, o Manauara levou a melhor. Juninho, Guilherme Moller, Tavinho e Abner marcaram. Já pelo lado do Sapão, Juninho e Marcelinho marcaram, porém, Judá e Tico pararam no goleiro Gabriel.

João Felipe

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.