Domingo, 18 de Agosto de 2019
Craque

Campeonato Amazonense protagoniza um show de emoção

Rodada define classificados e mais um rebaixamento do Rio Negro



1.gif Última rodada da Taça Cidade de Manaus embalou emoções boas e ruins
29/04/2013 às 07:30

A última rodada da Taça Cidade de Manaus ratificou duas situações presentes nos últimos anos no Campeonato Amazonense: uma bem-vinda a outra lastimável. A primeira, e bem quista, é a força consolidada dos clubes do interior do Estado (Penarol, com dois títulos nos últimos três anos, e o Princesa, campeão da Taça Amazonas e lutando para conquistar o título do segundo turno que pode valer o primeiro Estadual da sua história).

A segunda situação é o encolhimento de um clube de massa, que, quando consegue participar da Série A tem como único objetivo escapar do rebaixamento.  Esta é a realidade do Rio Negro, que caiu pela terceira vez na história para a Série B do Amazonense. O tri-rebaixamento consolidado no sábado, na derrota de 2 a 0, para o Iranduba, no estádio Gilbertão, em Manacapuru, doeu mais do que os outros dois anteriores pra sua fanática e sofrida torcida, pois no dia 13 de novembro, o Galo Carijó completará 100 anos.

O torcedor barriga-preta passou um final de semana que jamais esquecerá. O time fez uma campanha ridícula, incompatível com a tradição e peso de sua camisa. Em nove jogos, foram somente duas vitórias, um empate e seis derrotas. O Galo da Praça da Saudade teve o pior ataque entre os dez times participantes, com apenas quatro gols. Sua defesa sofreu 14. E poderia ser pior. Acreditem. Quem assistiu ao confronto contra o Iranduba, o no estádio ou em casa, viu um time limitado fisicamente, frágil tecnicamente e perdido taticamente. Some-se a isso o descontrole emocional de quem sabia que apenas a vitória interessava, contra um adversário muito superior e organizado, esbanjando condicionamento físico.

O Galo conseguiu se segurar até os 12 minutos do segundo tempo graças defesas milagrosas do goleiro Nelson, a trave e a má pontaria dos atacantes do Iranduba. Mas quando foi vazado por Nailson, que finalizou com calma um lindo passe recebido por Júnior Baixinho, no meio da zaga rio-negrina, qualquer tipo de esperança morreu junto com a bola na rede de Nelson. Aos 29 minutos, o zagueiro Jeferson Fofão - que minutos antes quase fez um gol antológico passando por quatro jogadores do Galo - deu a pá de cal no Rio Negro, numa cobrança de falta primorosa. Era o adeus do Galo à primeira divisão no ano do centenário.

Só uma alteração

Três dos quatro times que estiveram na semifinal do primeiro turno participarão na do segundo (Princesa, Penarol e Fast), o único “penetra” é o Nacional, que ocupará a vaga do São Raimundo. Os duelos começam na quarta-feira. O Nacional receberá o Penarol, no Sesi, e o Fast atuará contra o Princesa, na reedição da final da Taça Amazonas, em Manaquiri. A Federação Amazonense deve confirmar hoje o horário dos confrontos, mas eles devem acontecer as 15h30. Os jogos de volta serão no fim de semana.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.