Publicidade
Esportes
Domingo de desafio

Challenge Amazônia reuniu as feras do triatlo brasileiro em Manaus

Mais de 300 atletas entre profissionais e amadores estiveram na Ponta Negra, Zona Oeste de Manaus, participando de uma das provas mais importantes do triatlo 21/03/2016 às 12:58
Show 20160320101128
Competição contou com a participação de mais 300 atletas entre profissionais e amadores.
Antonio Lima Manaus (AM)

Manaus prova cada vez mais que é um dos points obrigatórios do triatlo no Brasil. Ontem, a capital amazonense foi palco de mais um evento histórico desse esporte, o Challenge Amazônia, uma das mais famosas competições do circuito mundial dessa modalidade que transforma simples seres humanos em verdadeiros super-homens e super-mulheres. Foram mais de seis horas de  prova, onde os triatletas tinham de superar 1.900 metros de nado, outros 90 quilômetros de ciclismo e sobreviver a mais 21 quilômetros de corrida.

A largada para a etapa Amazônica do Challenge ocorreu às 6h, nas areias da praia da Ponta Negra. Sob uma fina chuva, que deixou o temido clima manauara menos quente, as feras da categoria Elite mergulharam nas caudalosas águas do rio Negro para o percurso de quase dois quilômetros de natação. Nesse seletíssimo grupo que contou com dez homens e seis mulheres, destaque para a vencedora do Ironman Florianópolis, Ariane Monticeli, e para a representante do Amazonas na prova, Jéssica Santos. Além da participação do experiente Santiano Ascenço e do jovem Iuri Josino, um dos triatletas melhores colocados no ranking brasileiro.

Pouco depois da Elite, foi a vez de cerca de 300 triatletas amadores darem a partida para o desafio no coração da floresta amazônica.

Ao final da primeira parte da prova, o cearense Josino saiu da água primeiro entre os homens e assumiu a ponta do Challenge, fazendo a transição para a bike com boa vantagem para o segundo colocado.       

Clima quente no final


O céu cinzento na região da Ponta Negra, na Zona Oeste de Manaus, foi ficando mais claro e o sol começou a esquentar o clima da prova. Se enfrentar as três provas do triatlo já é complicado imagine sob o calor escaldante do verão amazônico. Antes da temperatura aumentar ainda mais, Iuri Josino pintou na rampa de acesso ao anfiteatro da Ponta Negra para cruzar a linha de chegada em primeiro lugar com o tempo de 3h54m27s. O triatleta, que faz parte da equipe do Sesc/São Paulo, contou como foi sua preparação para a que foi sua primeira vitória com o percurso de longa distância. “Pra essa distância, fiz uma preparação com treinos mais longos e treinos no calor também, principalmente na bike e na corrida”, explicou.

Entre as mulheres a primeira a cruzar a faixa final, com o tempo de 4h23m cravado, foi Luísa Baptista. A paulista de 21 anos, que vem se consolidando como uma das melhores triatletas do País, chegou exausta e assim que concluiu o trajeto dos 21 quilômetros de corrida desabou de cansaço. Fôlego recuperado, a campeã da etapa Amazônica do Challenge falou das dificuldades do percurso. “Ficou difícil no final da corrida. Começou a ficar mais quente e você já esta ‘pesada’ da prova inteira e no finalzinho foi onde pegou. Dos 15 (quilômetros) pra frente da corrida foi mais cabeça do que perna, porque foi a parte que realmente doeu, o corpo já não respondia tanto e eu tive de administrar até o final”, pontuou a triatleta, que entre outros títulos é campeã brasileira de triathlo Standard, bi-campeã brasileira de Sprint e campeã Sul Americana Júnior.

Jéssica Santos, que com louvor representou o Estado no Challenge, terminou o evento na quinta colocação com o tempo de 5h15m59. A “Dama de ferro” do triatlo amazonense, mesmo esgotada fisicamente, disse que poderia ter ido melhor na corrida, seu ponto forte na modalidade. “O ciclismo, sempre foi um pouco inferior (esporte no triatlo), mas eu melhorei bastante nessa prova. Mas a minha corrida, que é o meu forte eu não consegui render nada. Sabia que ia ser difícil, mas foi um desafio imenso e estou muito feliz em ter concluído, porque foi muito difícil”, finalizou a atleta Jéssica Santos.  

Elite mais que especial


O domingo no Complexo Turístico da Ponta Negra foi de muito esporte, não apenas para os triatletas que participaram do Challenge Amazônia, mas também para os fãs das corridas de rua. Aproveitando o evento histórico na capital amazonense, a Federação de Triathlo do Amazonas (Fetriam) junto a Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel) promoveu a Corrida da Fetriam Run 5k, onde aproximadamente mil pessoas percorreram o trajeto de 5 quilômetros montado no local.

Entre os participantes, uma turma se destacava logo na largada da prova. Os cadeirantes, entre eles várias crianças especiais formavam a “elite da inclusão social”. A ideia da participação de crianças e pessoas com dificuldades motoras nas corridas partiu de um projeto promovido pelo grupo de corrida Jungle Runners e trouxe a felicidade para os “baixinhos”, em especial a família de Brenda Ribeiro.

De acordo com Adenilza Ribeiro, 38, mãe da menina de 14 anos, que nasceu com paralisia cerebral, sua filha tem melhorado de uma alergia sempre que participa das corridas de rua. “Mesmo ela fazendo fisioterapia, ela tinha muita alergia e por conta disso ela parou de fazer natação, qualquer picada de inseto ela ficava empolada e depois que ela veio pra corrida melhorou. Não sei o que libera dentro dela que faz com ela fique bem”, lembra a mãe.

Guiada pelo pai, José Francisco Ferreira, 41, a bela Brenda é só sorrisos quando está na pista. Mas não pensem que é apenas a Brenda que se diverte com as provas, a irmã mais nova, Jennifer Ribeiro, de 12 anos, também corre e como guia. Há cerca de seis meses a pequena atleta fez uma parceria com Wladimir Freire, 32, que também tem paralisia cerebral e mesmo assim não deixa de participar dos eventos esportivos na capital. “Corro com ele desde outubro, quando teve uma prova aqui mesmo na Ponta Negra. Nas corridas, ele fala que sou legal e que sou uma boa parceira pra ele”, conta Jenniffer.

Dessa forma, a família Ribeiro serve de guia e é guiada pelos caminhos do atletismo. Prova de que não existe limites para quem deseja praticar esportes e ter uma vida mais saudável e sã.

Publicidade
Publicidade