Sábado, 24 de Julho de 2021
ACA 121

Cleverson Silva espera explorar ‘erros’ de seu próximo adversário no ACA 121

O lutador amazonense poderá “vingar” a derrota do conterrâneo ex-UFC, Dileno Lopes, que perdeu por decisão dividida para o russo Khasein Shaikhaev, em dezembro de 2020



WhatsApp_Image_2021-03-05_at_17.32.09_11A0B9A2-CC41-42F9-8091-69264328DC18.jpeg Foto: Divulgação
05/03/2021 às 17:47

Buscando dar a volta por cima depois da derrota na última rodada, o lutador amazonense Cleverson “Carrilho” Silva tem encontro marcado contra o russo Khasein Shaikhaev, de 23 anos, no evento Absolute Championship Akhmat (ACA), do próximo dia 9 de abril, na Bielorrússia, país localizado no Leste Europeu. A luta será na categoria até 61kg (peso galo) e colocará em jogo a 10º posição no ranking para o lutador oriundo de Coari.

Falando com exclusividade ao A Crítica, Carrilho comentou sobre o seu próximo adversário - com cartel de cinco vitórias em cinco apresentações no MMA -, que na sua última luta, venceu o amazonense Dileno Lopes (ex-UFC), por decisão dividida, no ACA 118, do último dia 18 de dezembro. E para Cleverson, o resultado deste combate foi controverso.



“A gente tá treinando bastante, eu sou um cara que treino muito e a gente tá procurando trabalhar em cima do erro do meu adversário. Ele tá invicto, mas não concordo com o resultado da última luta dele, em que ele enfrentou o Dileno, eu assistir e acho que o russo foi derrotado, então, o único cara mais experiente que ele enfrentou, na minha opinião, ele perdeu”, disse o lutador de 31 anos.

Sobre como esta luta pode se desenrolar, Cleverson não se mostrou nenhum pouco preocupado. Para o representante da Nova União, a confiança no seu repertório será o fruto para a vitória.

“Não me importo muito de onde a luta vai se desenrolar, pois estou treinando tudo, parte de boxe, kickboxing, muito jiu-jitsu, muito wrestling, defesa de queda, se for preciso eu vou colocar a luta pra baixo, se for preciso que a gente troque porrada, nós vamos trocar, então eu vou estar preparado para tudo”, afirmou.

Quando levantado o histórico de vitórias por finalização do russo, Cleverson coloca em “xeque” a qualidade dos oponentes que Khasein encontrou. Das cinco vitórias do adversário do brasileiro, três acabaram com finalizações, terreno aonde Carrilho também construiu boa parte de seus triunfos.

“Eu gosto de colocar em ponto de vista quem foram os adversários que ele finalizou, esses caras vêm da onde, são faixa o que de jiu-jitsu, então eu confio muito na minha equipe, no meu jiu-jitsu, eu venho do Amazonas, de Coari, de onde eu comecei, e desde então treino todos os dias, sou um especialista nesta área. Então eu não sinto nenhum pouquinho de medo, nem nada, não me afeta em nada ele ter a maior parte das vitórias dele por finalização, eu também tenho e contra adversários mais experientes do que ele. Então, se ele quiser colocar a luta pra baixo, eu vou ficar muito confortável, se ficamos em pé, também vou ficar confortável”, disse.

Depois da derrota por nocaute para o russo Oleg Borisov, Cleverson perdeu a chance de subir no ranking dos galos e faturar sua quarta vitória consecutiva na organização. Sobre a possibilidade de perder a posição no ranking para um lutador desranqueado, o lutador amazonense respondeu.

“Gera uma preocupação sim, pois a ACA quase foi criado ali pelo Akhamat, aonde é a academia do meu adversário. Então eles querem que o cara mais novo, que tá chegando agora, tome meu lugar no ranking. Com certeza eu não vou perder esse lugar pra ele, não vai acontecer, vou representar bem meu país, meu estado e a cidade de Coari”, concluiu o lutador.

Com 18 lutas no cartel, Cleverson Silva acumula 14 vitórias e 4 derrotas em sua carreira. Em 2020 o amazonense subiu no octógono em duas oportunidades, conquistando uma vitória e sofrendo uma derrota.

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.