Publicidade
Esportes
Craque

Cobertura pronta em outubro

Palco da Copa do Mundo de 2014, a Arena da Amazônia vai ganhando forma 14/07/2013 às 16:09
Show 1
Montagem das peças é a parte mais complexa da obra
Lorenna Serrão Manaus (AM)

De acordo com o projeto original, a Arena da Amazônia terá um formato alusivo a umcesto de palha indígena. Por isso, desde o mês de junho uma equipe da construtora Andrade Gutierrez trabalha na montagem das primeiras peças da fachada e da cobertura do estádio de Manaus. Segundo Miguel Capobiango, coordenador da Unidade Gestora do Projeto Copa (UGP), a previsão é que esse processo seja concluído no mês de outubro, quando a estrutura estará pronta para receber a membrana que vai cobrir os espaços entre os módulos em forma de “x”.

Atualmente a Arena, que deve ser entregue para os primeiros testes, antes do início da Copa do Mundo, em dezembro, está com 65,89% da obra concluída. Paralelo a soldagem das estruturas metálicas acontece também à instalação de condicionadores de ar, sistema elétrico, banheiros e o acabamento de camarotes e de outras áreas do estádio. A grama, segundo a UGP, deve começar a ser plantada no mês de setembro.

Em forma de “x” três módulos da fachada e dois da cobertura já foram concluídos. Cada peça pesa 70 toneladas e toda a estrutura metálica 6,67 mil toneladas. Para Capobiango, essa é a parte mais delicada da construção e por isso tem um acompanhamento especial.

“A montagem das estruturas metálicas é a parte mais delicada da obra e exige um acompanhamento mais preciso. Nós estamos com um acompanhamento topográfico direto e digital, inclusive, para que tenhamos uma precisão conforme foi definido em projeto e também para evitar que alguma peça esteja desalinhada, o que causaria um problema, pois teríamos que retirar as peças e depois recolocá-las no local definido, e isso levaria um bom tempo, por isso esse acompanhamento é fundamental nesse momento”, explicou o coordenador da Unidade.


As peças da fachada são montadas no chão e depois içadas e fixadas nas bases de concreto. Elas são encaixadas alternadamente. A soldagem das peças para formar o “x” dura cerca de dez dias.

“As equipes da Andrade Gutierrez montam as “fábricas” temporárias para a pré-montagem das estruturas no chão, avançando ao máximo os procedimentos de soldagem em solo para que as peças, quando forem alocadas no local definitivo no projeto, estejam o mais soldadas possíveis, evitando as soldagens aéreas, que é um trabalho muito mais complexo. O encaixe é alternado, primeiro são colocados os módulos dos lados e depois o do meio”, completou Capobiango.

Segunda remessaA segunda parte das estruturas metálicas da cobertura e fachada da Arena da Amazônia já estão em Manaus. Ao todo 2,8 mil toneladas de aço em 246 peças, produzidas pela metalúrgica Martifer, em Portugal, foram trazidas no navio Apisara Naree, que desembarcou no Porto Chibatão, Zona Sul, no último sábado.

As peças devem ser levadas para o canteiro de obra do estádio, após o processo de liberação, pela empresa Tomiasi Logística, também do grupo Chibatão, e contará com o apoio do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Transito (Manaustrans).

Serão 88 profissionais envolvidos no processo de descarga e transporte das estruturas. Para o translado, a Tomiasi irá utilizar caminhões trucados e carretas dimensionadas especificamente para o tamanho das peças, que variam entre 8 e 21 metros de comprimento.

Último  carregamento

O terceiro e último carregamento com as peças metálicas tem previsão de chegar a Manaus em agosto. A primeira carga com as estruturas metálicas desembarcou na capital amazonense no mês de março deste ano. Para o descarregamento foram usadas duas balsas para transporte das peças maiores, 40 carretas e dois guindastes.

Números 6,67

mil toneladas é o peso total da estrutura metálica da fachada e cobertura da Arena da Amazônia em Manaus. A empresa responsável pela fabricação das peças é a Martifer, uma metalúrgica portuguesa que participou no Brasil da construção da Arena Castelão (Fortaleza), da Fonte Nova (Salvador) e da Arena do Grêmio (Porto Alegre).

Banheiro quase pronto

Este é um dos banheiros da Arena. Com torneiras, portas e mictórios instalados, faltam apenas os espelhos para que esteja 100% concluído. Os camarotes do estádio de Manaus também estão quase prontos, o piso de porcelanato, antiderrapante, as instalações dos condicionadores de ar e a parte elétrica estão bem adiantadas.


 

Publicidade
Publicidade