Sábado, 20 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Craque

Cobrança de taxa faz o Campeonato Amazonense de Juniores ser paralisado

Taxa de "quadro móvel" dos estádios da Colina e Carlos Zamith também poderá fazer com que clubes abandonem as novas praças esportivas e joguem em vários campinhos de Manaus


03/06/2015 às 12:11

O valor da taxa cobrada dos clubes pela Fundação Vila Olímpica (FVO) para o uso dos estádios da Colina e Carlos Zamith motivou a Associação dos Clubes Profissionais do Amazonas (Acpea) a paralisar as duas próximas rodadas do Campeonato Amazonense Juniores. Para utilizar as praças esportivas, os clubes mandantes terão que desembolsar a taxa do quadro móvel. R$ 350 pelo uso do Zamith e R$ 490 por um jogo no estádio da Colina.

Na primeira rodada da competição, iniciada no último final de semana, o Rio Negro não pagou a taxa do estádio Carlos Zamith para o jogo contra o Sul América e o time Barriga-Preta acabou perdendo por W.O. Ainda com os jogadores e o trio de arbitragem em campo, os seguranças que cuidam do estádio não permitiram a realização da partida, ficando parados no círculo central impedindo o início do jogo.

Com recursos escassos, o presidente da (Acpea), Claudio Nobre, reuniu com os diretores dos clubes, na manhã de ontem, e protocolaram na Federação Amazonense de Futebol (FAF) a paralisação da 2ª e 3ª rodada.

“Os clubes não possuem verba para pagar essa quantia. O presidente da FVO (Aly Almeida) está irredutível. Haverá uma reunião amanhã (hoje) e vamos definir o uso de campos alternativos. Essa deverá ser a direção que iremos tomar”, afirmou Nobre.

Campeão de 2014 da categoria Junior e vice-campeão da Copa Norte Sub-20 com o Tarumã, o técnico que agora comanda o Fast, Darlan Barroso, concordou com a nova alternativa.

“Nós temos a Ulbra, mas já consegui o campo da Petrobras. Faremos alguns jogos lá e alguns clubes estão procurando campo. Por mim o Fast vai a campo”, declarou o treinador.

A Fundação Vila Olímpica (FVO) se pronunciou por nota, afirmando que o valor cobrado é destinado ao pagamento dos funcionários.

“Na situação ocorrida no estádio Carlos Zamith, o valor de R$ 350 corresponde ao mínimo cobrado naquela praça esportiva e foi destinado ao pagamento de prestadores de serviço que atuam no quadro móvel, como segue: três auxiliares de serviços gerais e um coordenador de equipe, que abre e fecha o estádio, orienta os serviços gerais, providencia a demarcação de campo, acompanha e fiscaliza todas as atividades, do início e final do jogo”, dizia a nota.

publicidade
publicidade
Masters do Corinthians enfrenta Seleção Evangélica do AM na Arena em maio
Ball Cats vai em busca do título da Champions Ligay em Brasília
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.