Sábado, 24 de Agosto de 2019
PARAQUEDISMO

Com 15 mil saltos na carreira, amazonense Bob Neto é referência nos EUA

Passando um período em Manaus, o atleta contou ao CRAQUE um pouco sobre a vida de paraquedista



bob_neto_FC5C9847-DC93-4C67-8FC1-30F5872A0B96.JPG Neste ano, Bob saltou sobre a conhecida Praia da Lua. Foto: Acervo Pessoal
10/08/2019 às 15:28

“Quero levar as pessoas para conhecerem o mundo lá de cima”. É assim que o amazonense Bob Caminha Neto, com mais de 15 mil saltos na carreira, define suas metas para o futuro dentro da profissão do paraquedismo. Encorajado pelo tio, Caco Caminha, Bob passou a frequentar o Aeroclube do Amazonas quando ainda era uma criança. A vontade de querer viver do paraquedismo fez o amazonense ‘voar’ nos céus a partir de 1995, quando tinha 21 anos de idade. 

Querendo dar sequência no sonho de ser paraquedista profissional, Bob Neto partiu rumo aos Estados Unidos em 2002. O amazonense foi sozinho para o principal polo do paraquedismo, de mala cheia e com o intuito de aprender mais sobre a modalidade. É na ‘Terra do Tio Sam’ que tudo é fabricado, dos aviões aos equipamentos de saltos. E mirando o céu, Bob começou a trabalhar ainda no chão, como dobrador dos paraquedas usados em saltos duplos. 

Residindo no estado da Flórida à época, Bob migrou de dobrador para fotógrafo dos saltos em dois anos - enquanto conciliava com a vida de estudante na Universidade de Central Flórida, coincidentemente localizada ao lado da área de salto. Após quatro anos em solo americano, o amazonense se tornou, oficialmente, instrutor de salto no Skydive Space Center. Com todas as licenças, a dedicação ao paraquedismo passou a ser exclusiva.

Confiança nas alturas

Para Bob Neto, o paraquedismo é questão de confiança. “Sou como um instrumento em que você pode confiar. Esse esporte requer muita fé, assim como em tudo na vida. A confiança no paraquedas, no instrutor, no piloto, no avião. Quando você acredita que vai pousar com segurança, você é capaz de fazer qualquer atividade”, afirmou o amazonense Bob. “Minha missão é levar pessoas que nunca teriam coragem de pular sozinho. Meu trabalho é fazer essa pessoa superar o medo, o desafio. Acredito que o paraquedismo é o que de mais extremo você pode fazer na vida”, completou.

E ainda no âmbito da fé, Bob Neto acredita que Manaus está no top do cenário brasileiro do paraquedismo. Considerada a segunda potência da modalidade, atrás somente de Boituva, - favorecida por questões do espaço aéreo e tendo maior liberdade para voos -, interior de São Paulo, a capital amazonense fica atrás no número de saltos. “Quanto ao nível técnico, os instrutores de Manaus não deixam nada a desejar em relação a outros centros. São muito profissionais, qualificados, treinados e sempre estão indo para os Estados Unidos em busca de renovação das técnicas”, comentou Bob Neto.

Saltos marcantes

A experiência e o profissionalismo de Bob Neto convenceram até a própria mãe a ‘voar’ pelo céu. Em 2010, o salto na companhia de Dona Creusa Caminha foi considerado, dentre todos os 15 mil saltos na carreira, o mais especial, segundo o  paraquedista amazonense.

Além disso, o salto com Martin Golden, senador de Nova York, é guardado com carinho na mente de Bob Neto. “Ele foi ferido na Guerra do Kuwait. E fazendo esse salto para arrecadar fundos para outros soldados que foram feridos em guerra, e eu fui o escolhido para acompanhá-lo por ser o paraquedista mais experiente, com maior número de saltos”, contou com orgulho o amazonense Bob Neto.

Teve espaço até para outra estrela mundial do esporte. Tiger Woods, americano e maior nome do golf, em seu salto também foi acompanhado pelo amazonense Bob Neto, que no momento está finalizando o curso para, além de paraquedista, se tornar piloto.

Receba Novidades

* campo obrigatório
News ac1 c11005fb a54c 4884 8608 3c793bab9e30
Repórter de A CRÍTICA

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.