Quarta-feira, 28 de Julho de 2021
FECHADINHO

Com defesa reforçada, São Raimundo encara o Amazonas

Equipe que sofreu com improvisos na primeira fase tenta arrumar a defesa para superar a Onça



1c7c062a-2bbd-438e-acdc-1c3298a17a72_103BECDA-8D74-4DE7-8D0E-473688E1CCEF.jpg Foto: Gilson Mello
21/04/2021 às 11:36

São Raimundo e Amazonas farão o primeiro duelo das quartas de final na noite desta quarta-feira (21), no estádio Ismael Benigno, a Colina. Além do tempo para trabalhar, principalmente aspectos defensivos, o Tufão deve estrear dois reforços para o primeiro jogo eliminatório do Barezão.

Em todos os oito jogos que fez na primeira fase, o São Raimundo sofreu gols. Não à toa, o Tufão teve nos pontos corridos a terceira pior defesa do Campeonato Amazonense com 14 gols sofridos - dois a menos que o JC, com 16, e a pior defesa foi a do Iranduba, com 35. Para ajustar o setor que tanto sofreu, chega o zagueiro Gui Moller para suprir uma vaga que, até então, vinha sendo improvisada.



Desde que o zagueiro Thiago Brandão pediu dispensa do São Raimundo, Serginho, que é meia de origem, vinha fazendo dupla com Pastor. Os improvisos, na visão do camisa 3, trouxeram dificuldades para a equipe colinense, que no jogo contra o Penarol, além da zaga, também tinha Dadinho improvisado na lateral direita.

"O time do São Raimundo sofreu muito nesse campeonato com improvisações, principalmente no setor defensivo. Estamos em constante evolução no campeonato, mas creio que pra essa fase estamos mais fortes e com um forma de jogar mais definida. Os reforços que chegaram so somam pro nosso objetivo final (brigar por calendário e título). Será normal o sistema defensivo não sofrer tanto, como vinha sofrendo", explicou o jogador frisando as características dos recém-chegados Guilherme e Rossini.

"Rossini deixa o time mais forte ofensivamente. O Guilherme, por ser zagueiro de origem, em posicionamento e postura, deixa o time mais estável ao  defender sem precisar movimentar outro jogador que não seja zagueiro, para o setor (era o que estava acontecendo até então)", completou.

Além dos reforços, o Tufão teve ao seu favor o tempo para trabalhar. Foram nove dias de trabalho desde o jogo que fechou a primeira fase contra o Penarol. Além disso, o time que cresceu durante os jogos e foi se ajustando, pegou confiança para enfrentar a Onça Pintada. Na primeira fase, as duas equipes protagonizaram um grande jogo que terminou em 3 a 3 e, para Pastor, a esperança é que aconteça outro grande duelo, mas espera que, desta vez, o time da Colina leve a melhor.

"Tem tudo pra ser novamente um jogo muito movimentado. As lições [em relação ao jogo da primeira fase] que se pode tirar é: ser mais letal nas finalizações ao atacar, e ficar atento nas movimentações do adversário quando estivermos defendendo. Será um jogo muito difícil, mas estamos preparados".


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.