Quinta-feira, 03 de Dezembro de 2020
FUTEBOL

Com dois de Raílson, Clipper bate Rio Negro e volta à elite após 14 anos

Com os dois desta noite, o atacante assumiu a artilharia da Série B com seis gols; Lucas Espiga ainda fez o gol solitário do Galo da Praça da Saudade, que ficará mais um ano na Segundona



126522246_10224556033552848_3639797839369095180_o_8B2BEAED-69C6-447B-BCF9-EB800C29CE55.jpg Foto: Junio Matos
19/11/2020 às 21:46

E a espera finalmente acabou. Após 14 anos longe da primeira divisão do Barezão, o Clipper enfim conseguiu garantir o seu retorno após vencer na noite desta quinta-feira (19), o Rio Negro pelo placar de 2 a 1, no estádio Arena da Amazônia pelas semifinais do Campeonato Amazonense Série B. Raílson aos 17 do primeiro tempo, após belo chute colocado, e aos 33 do segundo, em cobrança de pênalti marcaram para a Águia Dourada. Lucas Espiga aos 37 da etapa final, com finalização que contou com a contribuição de Ícaro, fez o único do Barriga Preta.

Com o acesso garantido, o Clipper agora decidirá o título contra o JC FC, que venceu o Tarumã por 1 a 0 e também garantiu sua presença na elite de 2021. O confronto acontecerá neste domingo (22), às 16h, na Arena da Amazônia.

Primeiro tempo

Mostrando mais organização, o Clipper não demorou para oferecer o primeiro perigo ao gol do Rio Negro. Aos 9 minutos, após Bigo receber bola no lado esquerdo do ataque, o atacante foi partiu para cima de Alan Patrick, achou espaço na perna direita e tocou para Canutama na entrada da área, mas o camisa 11 chutou na direção de Oliveira. A resposta do Galo veio um minuto depois, quando Mizael fez boa jogada individual do centro para a esquerda, alçou bola na grande área achando Espiga sem marcação, mas o centroavante cabeceia na trave esquerda de Ícaro, perdendo grande oportunidade.

Mais inteiro e aproveitando as jogadas na velocidade dos seus atacantes, o Clipper fez o primeiro gol após Kelve roubar a bola no meio-campo, conduzir pelo centro, passar para Canutama que estava próximo da área, o atacante passou rapidamente para Raílson no lado esquerdo e o artilheiro chutou colocado, com muita jeito e não deu chances para o goleiro Oliveira.

Com a vantagem, a Águia Dourada ainda assim conseguia ter mais presença no campo de ataque, o Rio Negro não achava a transição do meio para o setor ofensivo e dependia do meia-atacante Raphinha se desmarcar para tentar fazer a armação.

E foi o próprio camisa 10 do Galo que quase deixou tudo igual aos 42 minutos. Após o árbitro Ivan Guimarães Jr apontar falta na entrada da área, Raphinha e Soeiro se colocaram ao lado da bola para a cobrança, o camisa 10 chutou com categoria, a bola beija o travessão, Espiga ainda tenta cabecear na sobra, mas a bola vai fraca e morre nas mãos de Ícaro.

Antes do intervalo, o Clipper quase chega ao segundo gol no último lance da primeira etapa. Raílson cobra falta rasteiro pelo lado direito do ataque, Canutama aparece sozinho na entrada da área, mas na hora de finalizar acaba mandando por cima da meta de Oliveira.

Segundo tempo

Precisando do empate, o Rio Negro voltou mais agressivo. A grande dificuldade era no momento de criar as jogadas, a equipe do técnico Raphael Perrone - Que substitua de forma interina o técnico Sérgio Duarte, diagnosticado com Covid-19. O Clipper que ainda contava com a vantagem do empate ao seu favor, não fazia muito esforço para subir ao ataque, passou a jogar com o regulamento de baixo do braço.

A situação ficou mais confortável para a Águia, quando aos 32 minutos, Alberto desceu pela esquerda do ataque, cruzou, mas a bola resvalou no braço de Rodrigo Jaspion e o árbitro marcou pênalti. Na cobrança, Raílson desloca Oliveira e fez o segundo do Clipper. Sem organização, o Rio Negro foi para o tudo ou nada e achou um gol aos 37 minutos, Leandrinho tocou por trás da defesa, Espiga chutou colocado e contou com a falha de Ícaro, que ainda teve a infelicidade da bola pegar na trave antes de entrar no gol.

Com o zagueiro Cleberson Varane praticamente jogando como centroavante ao lado de Espiga, o Rio Negro quase chegou ao gol de empate em duas oportunidades: a primeira foi quando o zagueiro recebeu limpo dentro da área, bateu com força, a bola bateu na defesa, os jogadores pediram toque de mão, mas o árbitro mandou o jogo seguir, e a segunda foi após Raphinha cobrar escanteio com jeito e o zagueiro aparecer firme, testando forte, mas dessa vez Ícaro salvou com uma grande defesa.

Princípio de confusão

Aos 38 minutos, com o placar já em 2 a 1, o lateral Alan Patrick e o atacante Raílson se estranharam na lateral do campo. Os jogadores se aglomeraram, o árbitro e os assistentes precisaram intervir, mas logo a situação se acalmou e o jogo seguiu novamente.

*Ficha Técnica: Clipper 2 X 1 Rio Negro*

Local: Arena da Amazônia
Data: 19 de outubro de 2020, quinta-feira
Horário: 19h

Árbitro: Ivan da Silva Guimarães Jr

Gols: Raílson (17' 1°), Raílson (33' 2°) e Espiga (37' 2°)

Cartões amarelos: Clipper; Dedimar, Luan, Felipe Boca e Alberto; Rio Negro; Alan Patrick e Herick

Clipper: Ícaro; Antony (Claudinei), Dedimar, Luan e Alberto (Mota); Robson (Felipe Boca), Juninho e Raílson; Kelve (Terlisson), Bigo e Canutama
Técnico: Sidney Bento

Rio Negro: Oliveira; Alan Patrick, Herick, Cleberson e Soeiro; Rondinelli (Rodrigo Jaspion), Ramon (Gabriel Marreco) e Mizael (Kaique - Leandrinho); Raphinha, Manga e Espiga
Técnico: Raphael Alves Perrone



Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.