Publicidade
Esportes
LIBERTADORES

Conmebol bate o martelo e partida final da Libertadores ocorrerá fora da Argentina

Jogo que deveria ter acontecido no dia 24, e que foi suspenso após ataque ao ônibus do Boca Junors, está previsto para 8 ou 9 de dezembro 27/11/2018 às 12:15 - Atualizado em 27/11/2018 às 14:03
Show estadio monumental nunez buenos aires 2238c5dd ad31 44c0 8a57 50f2b5ea5525
A partida deveria ter acontecido no último sábado (24) no Monumental de Nuñez, estádio do River Plate (Foto: Divulgação)
acritica.com Manaus (AM)

O segundo jogo da final da Copa Libertadores da América entre River Plate e Boca Junors não será na Argentina. A decisão foi tomada pela entidade na manhã desta terça-feira (28) em Luque, no Paraguai. O local deve ser definido nos próximos dias, assim como a data que ficou para o dia 8 ou 9 de dezembro. A reunião aconteceu na sede da entidade com a presença dos presidentes dos dois times; Rodolfo D' Onofrio, do River, e Daniel Angelici, do Boca.

De acordo com o comunicado da Conmebol, a entidade irá bancar viagem hospedagem e translado para 40 pessoas de cada delegação e ficará responsável pela parte da segurança. A decisão vem após o incidente do último dia 24 quando o ônibus do Boca Juniors foi atingido por uma pedra nas proximidades do estádio Monumental de Nuñez, onde se realizaria a partida de volta entre as duas equipes argentinas.

Três locais eram candidatos para abrigar a final: o Paraguai, onde fica a sede da Conmebol, o Catar, e Miami, nos Estados Unidos. A final da Libertadores deste ano é a última em jogo de ida e volta e com mando de campo dos finalistas.

Para a decisão, a Conmebol se baseou no Artigo 4 do Regulamento da Competição que diz que a entidade trabalha para "garantir os princípios de integridade, continuidade e estabilidade das competições e do fair play procurando assegurar a imparcialidade da verdade e da segurança esportiva procurando assegurar a imprevisibilidade dos resultados, a igualdade de oportunidades e que o equilíbrio das disputas e de todos os envolvidos nas competições organizadas pela Conmebol e exigem a colaboração de todos os envolvidos de forma a prevenir comportamentos antidesportivos, particularmente de violência", pronunciou-se a entidade.

Publicidade
Publicidade