Publicidade
Esportes
Diversidade

Copa Gay de Futebol II – a segunda vez é ainda melhor

Depois de três anos da realização da primeira edição, Copa Gay de Futebol está de volta e repleta de novidades. Torneio será realizado neste domingo (5) às 20h, na frente da boate TS 04/11/2017 às 16:23 - Atualizado em 04/11/2017 às 16:25
Show test 32
Pedrita, Marisol e Cléo Pires, do Ball Cats, no aquecimento para o torneio (Foto Leanderson Lima)
Leanderson Lima Manaus

De chuteira ou salto alto? Não importa o calçado. A ordem aqui é chutar o preconceito e a homofobia para bem longe. Foi com esta proposta que surgiu a Copa Gay de Futebol, que teve a sua primeira edição em 2014, o ano da Copa do Mundo, e que agora volta com novidades.

O torneio sai dos campos de várzea para uma quadra que será montada, neste domingo (5) na frente da TS Club, localizada na Travessa Vivaldo Lima, 2 – Centro de Manaus. Luxo!

A organização do torneio fica a cargo de Júnior Leocádio, a Pedrita. Ele se tornou conhecido por ser um boleiro que participa de vários torneios e circuito peladeiro, e é homossexual assumido.

A edição 2017 da Copa Gay terá oito times na briga pelo título. “O nível dos times está muito bom. Bem melhor do que na primeira edição. Não tem favorito. A disputa vai ser acirrada”, comentou Júnior, que vai defender novamente o time Ball Cats.

 Diferencial

Disputar o torneio na frente da boate LGBT mais tradicional da cidade será também um diferencial, conforme Pedrita. “O pessoal da TS tá ajudando muito. Eles vão colocar refletores na rua. Vai ficar que nem uma quadra de salão. Colocamos a Copa na frente da TS pelo fato de a boate ser uma referência do público LGBT. A ideia é mostrar que a Copa acontece que é legal, que todos podem e devem participar”, argumenta Pedrita.

Falta ‘Aqué’

A Copa Gay hoje conta com um número maior de apoiadores, se comparada com a primeira edição. Mas a ralação para colocar o bloco na rua ainda é grande. “A grande barreira ainda é a falta de patrocínio. Temos muitas pessoas que nós apoiam mas ainda temos que alugar trave, tem gasto com transporte, equipamento, troféu, premiação, mas a gente faz porque gosta e quer fazer acontecer”, finaliza Pedrita.

Parodiando o reality

Depois da Copa Gay, o próximo projeto do grupo é fazer uma paródia do Peladão a Bordo, o Reality. Cléo Pires, que além de bater um bolão é musa do time, explica a ideia.

“Em breve estaremos fazendo o nosso Peladão a Bordo versão Gay, nas águas do Rio Negro. A premiação vai ser bem regional. Terão candidatas fortes, eu mesmo, Cléo Pires, estarei lá disputando”, brinca.

“A premiação será em peixes de diversos tamanhos. Todas as candidatas serão lindíssimas, todas com fio dental, morando num barco à deriva. E as eliminadas terão que voltar pra terra firme remando num bote. Se não souber remar vai ter que voltar nadando. Não adianta pedir pro bofe e buscar não”, finaliza Cléo, arrancando gargalhadas dos colegas.

 Pro mundo ver

A história da Copa Gay de Futebol de Manaus atravessou fronteiras depois que a reportagem “Chute no Preconceito”, publicada no jornal A CRÍTICA conquistou o Prêmio Petrobras de Jornalismo, no ano passado. O pioneirismo do torneio foi assunto até nos jornais de Portugal. 

A Copa Gay de Futebol terá início às 20h, neste domingo (5).

 

Publicidade
Publicidade