Sábado, 20 de Julho de 2019
Corinthians vence Campeonato Paulista

Corinthians empata com Santos e leva título do Paulistão

O empate na Vila Belmiro na tarde desse domingo(20) evitou que o Santos conquistasse o tetracampeonato e deu ao Timão o título



1.png Jogadores voltaram a sorrir depois da Libertadores
20/05/2013 às 08:05

O Corinthians mostrou toda sua experiência, soube se beneficiar da vantagem obtida no primeiro jogo e conquistou no domingo(19) o seu 27º título do Campeonato Paulista. O empate por 1 a 1 (gols de Cícero, aos 26, e Danilo, aos 28 minutos do primeiro tempo) diante do Santos, na Vila Belmiro, foi suficiente para os corintianos, que haviam vencido por 2 a 1 na ida, domingo passado, no Pacaembu. De quebra, impediu que o rival fizesse história e conquistasse o inédito tetracampeonato estadual.

O título paulista era o que faltava nesta vitoriosa passagem de Tite no Corinthians, já consagrada com as conquistas do Campeonato Brasileiro, em 2011, e da Libertadores e do Mundial de Clubes, ambos no ano passado. Esta pode ter sido a última partida de um dos pilares desse time, o volante Paulinho, que estaria de saída para a Europa.

O resultado mostrou também que o Corinthians se recuperou rápido da eliminação na Libertadores, diante do Boca Juniors, na última quarta-feira. E mantém os corintianos como os maiores campeões da história do Paulistão, passando a ter cinco troféus de vantagem sobre o Palmeiras. A equipe agora volta suas atenções para o Campeonato Brasileiro, pelo qual estreia no sábado que vem, diante do Botafogo, no Pacaembu.

Por outro lado, o Santos teve o sonho do inédito tetracampeonato encerrado e agora se concentra no Brasileirão e na Copa do Brasil, em meio à incerteza sobre o futuro de Neymar, que estaria finalmente de saída para a Europa - Barcelona e Real Madrid querem o atacante. A equipe volta a campo já nesta quarta-feira, diante do Joinville, na Vila Belmiro, pelo jogo de volta da terceira fase da Copa do Brasil - venceu a ida, em Florianópolis, por 1 a 0.

Neymar

Neymar tinha todos os motivos do mundo para se sentir o mais frustrado dos homens quando o árbitro Guilherme Ceretta de Lima encerrou a partida. O craque sonhava em triunfar naquela que muito provavelmente foi sua última decisão de título pelo Santos, mas as coisas não saíram como ele queria. Quem deu a volta olímpica na Vila Belmiro foi o adversário, e ele não conseguiu aquela atuação consagradora que tanto desejava.

Antes da partida, Neymar ajoelhou-se no centro do gramado da Vila e estendeu as mãos para o céu, gesto incomum para ele e com o qual o craque deixava claro que aquele jogo não era igual aos outros. O que não mudou em nada foi a dureza da marcação dos adversários. Logo no primeiro minuto, Neymar levou do peruano Guerrero a primeira patada da tarde.

Dali por diante, ele passou a maior parte do tempo apanhando e discutindo com adversários (especialmente com o zagueiro Paulo André) e companheiros de time - as maiores “vítimas” foram André e Felipe Anderson. E com razão, já que os dois se mostraram incapazes de dar continuidade às jogadas iniciadas por Neymar. Como se tornou comum nos últimos meses, o craque santista jogou muito menos do que pode.

Violência antes da partida

O entorno da Vila Belmiro foi palco de cenas de selvageria na tarde de ontem, numa briga envolvendo torcedores do Santos e policiais militares. Houve muita confusão e corre-corre. O tumulto começou cerca de uma hora antes do início da final do Campeonato Paulista.

O confronto aconteceu entre os portões 6 e 8 do estádio, na frente de um dos bares reduto de torcedores do Santos. Dezenas de santistas erguiam uma enorme bandeira da Gaviões da Fiel, a principal organizada do Corinthians, que tinha sido roubada pouco antes. A ideia era atear fogo na bandeira, relataram alguns torcedores que estavam no local.

Nesse momento, a Polícia Militar interveio. Foi o estopim para a confusão. Os torcedores responderam e jogaram pedras, tijolos, cadeiras e latas de cerveja nos policiais. Acuados, os policiais pediram reforço. A confusão se estendeu por cerca de meia hora porque alguns torcedores, não dispostos a recuar, partiram para a briga, embora a maioria deles pedia para que a PM encerrasse a briga. A confusão só terminou quando chegaram mais policiais, além de um batalhão com cavalaria. Em meio à confusão, vários torcedores tiveram de ser carregados.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.