Sexta-feira, 05 de Junho de 2020
CORONAVÍRUS

Criado em Manaus e estrela na Coreia, Júnior Negão volta a campo na K-League

Atacante falou para o A Crítica como o país se tornou exemplo no combate à Covid-19. O jogador, porém, demonstra preocupação com familiares que vivem em Manaus, uma das capitais mais afetadas pelo vírus no Brasil



WhatsApp_Image_2020-05-08_at_10.55.45_50FCB321-53AD-45BE-9F8C-9D04275B5754.jpeg Foto: Acervo pessoal
08/05/2020 às 12:59

Dessa sexta-feira (8) em diante, o mundo do futebol vai estar de olho na Coreia do Sul. Isso porque o país foi o primeiro - dos que possuem relevância internacional no mundo da bola - a retornar suas competições depois da paralisação pela pandemia do novo coronavírus. E a K-League, que começaria dia 29 de fevereiro, vai poder rever gols de um velho conhecido do torcedor baré.

No país que já foi semifinalista da Copa do Mundo, em 2002, Júnior Negão é ídolo. Nascido em Salvador, mas criado em Manaus, o atacante ‘baré’ foi formado nas categorias de base do Nacional antes de se transferir, em 2007, para o Atlético-MG e, na sequência, para o Corinthians. O mundo da bola girou e em 2016 o jogador aterrissou na Ásia. 




No ano em que saiu do Naça, Negão teve passagem pelo Corinthians. Foto: Gazeta Press

Depois de se destacar na Tailândia, Negão foi para o disputado campeonato da Coreia do Sul, onde hoje é atacante do Ulsan Hyundai. O time estreia na temporada contra o Sangju Sangmu, na madruga de hoje para sábado, às 1h (horário de Manaus). Para o CRAQUE, o ‘menino da Vila Municipal’ falou quais cuidados o país teve para se tornar referência no combate à Covid-19 e retomar as atividades, principalmente do futebol, tão rapidamente. O goleador também falou da preocupação com os familiares que vivem em Manaus, uma das capitais mais afetadas no Brasil.

Isolamento rígido

De acordo com Júnior Negão, as atitudes da população do país foram mais significativas que a própria imposição do governo. O diferencial, segundo ele, foi a consciência do povo sul-coreano. “Enquanto em outros lugares foi necessário obrigar as pessoas a ficarem em casa, aqui o governo sugeriu e a própria população parou. Viram o tamanho do vírus e se trancaram em casa. Assim, o comércio foi inclinado a fechar, sem gente na rua”, explicou o atacante.

Vale dizer que além dele, todos os jogadores e integrantes das comissões técnicas das duas primeiras divisões do país foram testados para a Covid-19. Nenhum dos mais de 1.100 exames feitos apresentou resultado positivo. “A gente teve que ir ao hospital, com toda a segurança, óbvio. Acabou dando tranquilidade para voltarmos. Governo e a federação de futebol do país estão se esforçando para ter esse retorno”, afirmou Júnior. Novos testes serão feitos com a competição em andamento.


Atuando pelo atual vice-campeão, Júnior Negão é uma das estrelas da K-League. Foto: Acervo pessoal

Neste primeiro momento, os jogos vão acontecer sem torcida. Mas a retomada do público nas partidas pode acontecer caso o combate à doença evolua. Os fãs, inclusive, foram um grupo que entendeu a atual situação. “Aqui os torcedores compram os ingressos de forma anual. Mesmo com a diminuição de jogos e sendo de portões fechados, os fãs aceitaram numa boa mesmo perdendo dinheiro. Se eles entendem que é para evitar a propagação do vírus, eles aceitam, conseguem ter a mentalidade do bem comum”, ressaltou o manauara de criação.

Preocupação com a família

Morando no sul da Coreia do Sul, em Ulsan, cidade industrial que possui a maior fábrica da Hyundia, multinacional coreana fabricante de automóveis, poucos casos de Covid-19 foram registrados. A preocupação, porém, é com os familiares que vivem em Manaus. A capital amazonense foi uma das cidades mais atingidas no Brasil e registra números alarmantes de casos e óbitos a cada dia.


Sistema de saúde da capital está próximo de chegar ao limite. Foto: Euzivaldo Queiroz

“Realmente, estou muito preocupado. Tenho familiares que trabalham na área da saúde, que foram infectados, mas graças a Deus não aconteceu nada de mais grave. Mas perdi amigos e conhecidos pelo coronavírus. Você começa a ver que esses números se tornam nomes. Converso todos os dias com o pessoal de casa, minha mãe e irmãos, para passar a experiência que estou tendo”, alertou o jogador do Ulsan Hyundai, que ressalta que é hora de dar valor à vida.

“Sei que as coisas estão difíceis por aí, mas o único remédio que foi comprovadamente efetivo, até agora, foi o isolamento social. É isso que temos que fazer, se ajudando e tentando amenizar o sofrimento do próximo. Tudo isso funcionou muito bem aqui na Coreia do Sul. Espero, de verdade, que a gente aprenda muito com essa pandemia”, completou Júnior Negão, que se solidariza com quem perdeu entes queridos e com todos os profissionais da saúde.

News leonardo 9028af08 26fb 4271 b322 4409cded8370
Repórter do Craque
Jornalista em formação na Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e repórter do caderno de esportes Craque, de A Crítica. Manauara fã da informação e que procura aproximar o leitor de histórias – do futebol ao badminton.

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.