Quinta-feira, 23 de Maio de 2019
Craque

De promessa a esperança de medalha: Daynara de Paula vai à Toronto em busca do lugar mais alto do pódio

Nascida no Amazonas e radicada em São Caetano do Sul, Daynara, aos 25 anos, é uma das principais apostas do Brasil no Pan Americano de Toronto



1.jpg
Daynara disputa o seu segundo Pan Americano. Na competição continental, a atleta já conquistou três medalhas, duas de prata e uma de bronze
08/07/2015 às 10:51

A amazonense Daynara de Paula embarca nesta quarta-feira (8) rumo a Toronto para participar do seu terceiro Pan Americano. Na bagagem, além da vontade de vencer, também vai a experiência de quem disputou duas Olimpíadas e o característico sorriso. Nascida em Balbina (a 197 km de Manaus) e radicada em São Caetano do Sul, São Paulo, a atleta de 25 anos disputa o segundo Pan da carreira e de uma promessa da natação – que disputou uma Olimpíada aos 18 anos - Daynara virou uma esperança de medalha para o Brasil no Canadá.

Nos jogos de Guadalajara foram duas pratas – nos 100 metros borboleta e nos 4x100 livres - e bronze nos 4x100 metros medley. Daynara já conhece o caminho do pódio e na edição de 2015 dos jogos, a meta é alcançar o lugar mais alto.

“A expectativa é conseguir o ouro. Mas tendo bons resultados, melhorando minha marca e representando bem o Brasil, já ficarei feliz”, disse.

Especialista em nado borboleta, Daynara começou a nadar aos 11 anos nos estilos costa, borboleta e livre. O estilo borboleta começou a ser o foco da atleta em 2006 quando bateu o recorde sul-americano no estilo. “Porém, não parei de nadar no estilo livre. Sou integrante  do revezamento 4x100 brasileiro”, disse.

Sob Controle

Mesmo com a experiência, Daynara admite que ainda sente o famoso “friozinho na barriga”, mas que com a experiência consegue controlar a ansiedade. “Sinto o frio na barriga para qualquer tipo de competição. Controlo a ansiedade com respiração e concentração”, disse.

Além da ansiedade, Daynara precisou controlar situações antes mesmo do Pan. No final do mês de junho, por exemplo, durante a sua preparação para o Pan de Toronto, a nadadora teve um granuloma piogênico no pé esquerdo – problema também conhecido como “carne esponjosa”, que é caracterizado por um tumor que provoca inchaço e dor – mas o problema já foi tratado e não atrapalhará o rendimento de Daynara em Toronto. “Fui muito bem orientada, com três médicos pensando na minha melhor recuperação. Já voltei a treinar e estou com foco total”, explicou.

E mesmo quando o Pan terminar, os desafios continuarão. Daynara competirá no Mundial de Natação em Kazan, na Rússia. O mundial começará 12 dias depois do Pan e o segredo para um bom desempenho nas duas competições é o foco. “Eu já fiz isso ano passado. É um desafio para mim e para o meu técnico. So manter o foco e determinação”, explicou.

Foco, Treino e Diversão

Aos 25 anos, Daynara de Paula tem no currículo 68 participações em campeonatos internacionais e nove medalhas de ouro, cinco de prata e nove de bronze. Dessas medalhas, três conquistadas no Pan de Guadalajara, no México, em 2011.

Mesmo com um vasto currículo em competições, a nadadora não esquece de um fator essencial que às vezes fica esquecido em meio às competições: a diversão. E é a diversão que ela cita como um das lições aprendidas durante os anos em que compete. “Hoje sou bem mais experiente. Sempre tento manter o foco e nunca me cobrar, deixo acontecer e me divirto”, disse.

Na fase final dos treinos, chamada de polimento, ou a fase “divertida” dos treinos, segundo a atleta, a nadadora comenta que a evolução da natação brasileira passou por um processo de profissionalização. “Estamos bem mais profissionais. Com isso a natação brasileira está bem mais forte e com resultados expressivos”, comenta.

Olimpíadas

 A primeira Olimpíada de Daynara foi Pequim 2008. Com apenas 18 anos, a nadadora conseguiu a vaga na última seletiva brasileira, o Troféu Maria Lenk, no Rio de Janeiro. Daynara obteve o feito nas eliminatórias dos 100 m borboleta, quando anotou 59s30 - tempo cinco centésimos abaixo da marca da Fina. Em Londres 2012, Daynara ficou em 26º lugar nos 100 metros livres, e 33º lugar nos 100 metros borboleta.

Se participar de uma Olimpíada já é especial para qualquer atleta, representar o País em casa traz uma motivação a mais para chegar mais longe. “Meu objetivo é chegar a uma final e representar o meu País como nunca representei”, contou.



Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.