Sábado, 16 de Outubro de 2021
DESTAQUE

De volta à Colina, Bruno Colaço fala em alívio após voltar a atuar pelo Penarol

Após cumprir punição por uma confusão em campo, o goleiro voltou a jogar e garantiu resultado importante para o Penarol



WhatsApp_Image_2021-09-07_at_11.17.31_B4D6C168-5677-4C14-B4F5-8809B5D037D5.jpeg Foto: Milly Barreto
07/09/2021 às 11:20

Na volta para o segundo tempo do jogo entre Penarol e GAS, no último domingo (5), no estádio da Colina, o técnico Vaguinho Santos trocou o goleiro Bruno Fuso por Bruno Colaço. A mudança, como o técnico explicou após o jogo, foi uma forma de poupar titulares e dar rodagem a alguns jogadores, mas para o camisa 12 entrar em campo representou mais do que isso. Aquele era o primeiro jogo em que ele pôde entrar em campo após 78 dias.

Bruno Colaço começou a Série D como titular do time do Penarol, mas na 3ª rodada, em partida contra o Fast, ele acabou recebendo um cartão vermelho no segundo tempo por cometer um pênalti. Porém uma confusão que houve no campo e o relato de agressão e ofensas na súmula do jogo afastaram o arqueiro por mais tempo. Ficou 'de molho' até o julgamento e ainda cumpriu quatro partidas de suspensão. No retorno ao campo, o jogador conta que sentiu alívio por poder voltar.



“Sensação de gratidão a Deus e de alívio também. Como já disse na outra entrevista, eu passei dias difíceis aqui depois da última expulsão. E quando acontece esses tipos de episódio, as pessoas te julgam e colocam em xeque a sua qualidade técnica, sua qualidade como atleta também. Tive que ter muita paciência, trabalhei calado, mas focado como sempre foi na minha carreira”, declarou.

Mesmo passando muito tempo sem jogar, Colaço mostrou que não perdeu o ritmo. Fez três defesas importantes que evitaram uma reação do time roraimense. No fim, tomou um gol de pênalti, mas nada que apague a boa atuação em campo.

“Foi uma atuação sólida, né? Acabei fazendo três defesas legais e importantes na partida, mas o que vale mesmo é a postura e a segurança que você transmite. Foi um jogo em que eu pude mostrar meu valor novamente. Agradeço ao professor Iúna e ao professor Vaguinho pela oportunidade. Foi um período longo sem jogar, sem sentir essa adrenalina de um jogo importante, mas foi um período de aprendizado que eu vou levar pro resto da minha carreira. Eu saio muito fortalecido depois de tudo o que eu vivi aqui”, explicou o jogador que pôde ter uma segunda chance justamente no mesmo local do episódio que o afastou da meta.

“Pois é né (risos). A vida te direciona a esses tipos de coincidência, mas independente de onde fosse e contra quem fosse meu pensamento era só de concentrar e fazer um jogo seguro e, graças a Deus, isso aconteceu”.

Perguntado sobre a importância de dar uma chance para o jogador, o técnico Vaguinho Santos comentou que o jogador merecia voltar a jogar e disse que a entrada dele foi possível graças ao trabalho que não parou mesmo que ele estivesse cumprindo a punição.

“O Colaço é um profissional. Acho que ele sabe que ele errou lá atrás e acho que todo mundo erra. Ele errou, mas ele vem treinando e mesmo com a punição, sempre continuou no grupo treinando. A gente sempre incentivou ele e, independente de qualquer coisa, é um grande profissional. Acho que tem um respeito meu e do grupo, acho que isso é o mais importante. Achei que ele tava preparado, tanto é que eu coloquei no segundo tempo. Então esse é o time que, aos pouquinhos, vai mostrando a cara de cada jogador, a característica e a vontade”.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.