Publicidade
Esportes
NO TJD

Definição de duelos do mata-mata do Barezão aguarda julgamento de recurso do Fast

Nesta quarta-feira (21), será julgado o recurso do Fast contra a perda de 3 pontos por injúrias raciais cometidas pela torcida e relatadas na súmula do duelo contra o Penarol 20/02/2018 às 05:20 - Atualizado em 20/02/2018 às 07:53
Show fastpena
Injúrias foram cometidas após arbitragem marcar impedimento em um ataque do Fast. Foto: Federação Amazonense de Futebol (FAF)
Denir Simplício Manaus (AM)

A rodada do fim de semana do Barezão 2018 definiu no gramado os clubes que avançam para a sequência da competição. Eliminados ainda na fase de classificação, CDC Manicoré e São Raimundo assistirão de longe a briga pelo título do 1º turno do Campeonato Amazonense. 

Nessa segunda-feira (19), a Federação Amazonense de Futebol (FAF) divulgou datas, locais e horários dos confrontos das quartas de final, marcadas para a quinta-feira (22), e das semifinais, agendadas para domingo (25), do 1º turno do Estadual. No entanto, a configuração dos duelos só será definida após a noite desta quarta-feira (21), quando será julgado o recurso do Fast Clube, que foi punido com a perda de três pontos, por injúrias raciais relatadas em súmula pelo assistente Uesclei Pereira, no jogo que o Rolo Compressor foi derrotado por 2 a 0 pelo Penarol.

De acordo com a súmula, o auxiliar relata que após assinalar um impedimento do ataque do Fast, ouviu da arquibancada as frases: “tinha que ser preto. Esse macaco tinha que voltar para a senzala”.

Líder do Grupo B (6 pontos), o Tricolor pode cair para a terceira colocação caso a punição, em primeira instância, seja mantida. Com isso, o Fast enfrentaria o Princesa do Solimões, no Gilbertão, em Manacapuru, pelas quartas de final. O Manaus FC iria direto para a semifinal junto com o Penarol, e o outro duelo das quartas seria um clássico entre Rio Negro e Nacional.

Responsável pela defesa do Fast, o advogado Dejalma Santos explicou sua tese na tentiva de reverter a pena imposta no primeiro julgamento no TJD.

“Nossa tese é justamente naquilo que temos como denúncia, que é a súmula do jogo e a fragilidade da prova que foi apresentada. Além de alguns pontos doutrinários do próprio código de Justiça Desportiva que estamos usando também para reformular a decisão e revertê-la em favor do Fast“, explanou o representante do Tricolor. 

Publicidade
Publicidade