Sábado, 24 de Julho de 2021
Felicidade ao torcedor

Dênis Albuquerque afirma: ‘Torcedor do Fast ainda terá motivos para sorrir'

Em entrevista exclusiva ao A Crítica, o presidente tricolor, falou pela primeira vez sobre o planejamento do clube para a continuidade de 2021



d63cb3c4-dc68-4a50-94ba-02fbdb3cbe98_3FC4534A-491D-4FB9-9868-8950D243CB7F.jpg Foto: Divulgação
17/03/2021 às 11:21

A trajetória do Fast Clube neste ano é conhecida pelo torcedor: o clube iniciou o ano sendo eliminado nas quartas de final da Série D 2020, flertou com a desistência na Seletiva 2020, montou uma equipe oriunda da parceria com o Porto Velho EC (RO), garantiu vaga para a fase de grupos da Série D deste ano, mas acabou desistindo do Barezão 2021.

Fora de foco neste momento, o clube aproveita o hiato - pelo qual optou - para tentar voltar aos trilhos e reconduzir o planejamento deste ano. Em entrevista exclusiva ao A Crítica, o presidente tricolor, Dênis Albuquerque, falou pela primeira vez sobre o planejamento do clube para a sequência do ano, expôs sua insatisfação com a cadeia de eventos que levaram o clube a abandonar o campeonato e teceu críticas contundentes a gestões passadas.



Decisão amarga

O cartola tricolor se mostrou desgostoso pelos acontecimentos que levaram o Rolo Compressor a desistir do Campeonato Amazonense, porém afirmou que a decisão de retirar o time da disputa foi necessária para que o clube não mergulhasse em dívidas que eventualmente poderiam comprometer o planejamento para a Série D deste ano.

“Arrependimento sim, porque nunca é bom quando um clube tradicional como o Fast, com tantas glórias, abandona um campeonato. Mas a decisão, que foi tomada com muita tristeza, foi necessária. A característica dessa diretoria é que ela é muito responsável, diferente da outra que foi irresponsável. Nós aqui tratamos o clube com muito respeito e nós não poderíamos ser irresponsáveis e empurrar com a barriga os problemas que o Fast tem. Decidimos enfrentar essa situação de frente, para solucionar os problemas o mais rápido possível e recolocar o Fast na disputa dos campeonatos”, comentou o mandatário, que prosseguiu:

“Não adianta trazer 20, 30 pais de famílias de outras capitais, botar numa casa e não oferecer alimentação, estrutura e enrolar atletas e funcionários no dia do pagamento. Nos preocupamos com isso e fazer futebol sem patrocínio e sem investimento é muito complicado”, disse o presidente do clube.

Série D 2021

Segundo Dênis, a intenção é manter a parceria com investidores rondonienses para a sequência da temporada. Vale lembrar que o Fast só disputou a Seletiva 2020 após acordo com empresários da região Norte, que viabilizaram o empréstimo de jogadores do Porto Velho Esporte Clube. Para o presidente, o objetivo é de que os aportes se repitam para a competição nacional.

“Estamos conversando para que na Série D eles possam vir com patrocinadores do Fast. As conversas já estão em andamento com relação a isso e esperamos que até o final deste mês a situação já esteja alinhada, para que possamos montar uma equipe competitiva para brigar, quem sabe, pelo acesso”, relatou Dênis, que descartou completamente que o modelo usado na Seletiva, quando grande parte dos jogadores vieram por empréstimo.

“Posso dizer que a chance disso acontecer de novo é remota. Nós temos todo um cronograma de atletas, atletas apalavrados com a gente, um elenco para a Série D. Precisamos só ajustar situações financeiras para que tudo ocorra bem”, completou o presidente.

Saúde Financeira

Dênis foi enfático ao relatar que a situação financeira continua delicada no clube. Para o atual mandatário, boa parte da culpa da situação de calamidade no time é de responsabilidade de gestões anteriores a atual. 

“Eu quero frisar que o momento de desistência do Fast se deve muito as coisas deixadas pelas diretorias passadas, deixaram muitas contas a serem pagas, do ano de 2016, 2017 e até 2018 e, que estão estourando tudo na minha mão. Estamos tendo que fazer um ‘jogo de cintura’ do tamanho do mundo para lidar com essas situações, para tentar buscar acordos, para que a gente não coloque a administração do Fast em xeque e não fique de uma forma insustentável. Não quero eximir da responsabilidade a nossa diretoria em momento algum, mas muitos desses déficits foram deixados pela diretoria passada. Isso talvez o torcedor não saiba, mas estamos conseguindo sanar os problemas”, destacou Dênis, que por fim, afirmou que o torcedor do Fast ainda terá motivos para sorrir em 2021.

“Estamos tristes por ficar de fora em 2021, mas foi necessário. Porém, o torcedor vai se orgulhar do que está vindo para o clube, o torcedor ainda vai ter motivos para sorrir. O Fast vai ter estrutura, uma coisa que poucos clubes da região têm. Logo, o torcedor vai ter orgulho de ser Fast”, finalizou.

João Felipe

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.